Opinião

Chico Xavier, Lula e Bolsonaro

diario da manha

To­dos sa­bem, e não fa­ço ques­tão de es­con­der meus pen­do­res pe­lo mun­do es­pi­ri­tual, e fre­quen­to com re­gu­la­ri­da­de a “Ca­sa de Dom Iná­cio”, em Aba­di­â­nia, on­de me pri­vo da ami­za­de de qua­se trin­ta anos com Jo­ão Tei­xei­ra de Fa­rias, o Jo­ão de Deus, de quem te­nho o or­gu­lho de ser seu pri­mei­ro bi­ó­gra­fo, ao es­cre­ver “Jo­ão de Deus, o Fe­nô­me­no de Aba­di­â­nia” há 26 anos, com su­ces­si­vas edi­ções e tra­du­ções pa­ra o es­pa­nhol e pa­ra o ale­mão. Pa­ra en­cur­tar a his­tó­ria, Jo­ão é meu pa­dri­nho de ca­sa­men­to e fui seu com­pa­nhei­ro de vi­a­gens fei­tas ao Pe­ru e paí­ses da Eu­ro­pa.

Na tri­lha da­que­le meu pi­o­nei­ro li­vro, sur­gi­ram de­ze­nas de ou­tros, me­re­cen­do des­ta­que “Jo­ão de Deus, o mé­di­um de cu­ra bra­si­lei­ro, que trans­for­mou a vi­da de mi­lhões de bra­si­lei­ros”, de He­a­ther Cum­mings e Ka­ren Lef­fler e o in­su­pe­rá­vel “Ca­ra a Ca­ra com Jo­ão de Deus”, do po­e­ta e es­cri­tor Jo­sé Cân­di­do Pó­voa, que, atra­vés de mim, pas­sou a fre­quen­tar aque­la ca­sa, on­de é um res­pei­ta­do dou­tri­na­dor.

E com a fa­mi­lia­ri­da­de de lon­ga da­ta com a dou­tri­na es­pí­ri­ta, ti­ve o pri­vi­lé­gio de en­con­trar-me com o mais fa­mo­so de to­dos os mé­di­uns, Chi­co Xa­vi­er, em cu­ja ca­sa es­ti­ve di­ver­sas ve­zes, em Ube­ra­ba. E apren­di a le­var a sé­rio tu­do o que pro­vém do mun­do es­pi­ri­tual.

No dia 2 de de­zem­bro de 2016 de­sa­pa­reu em Pal­mas o em­pre­sá­rio Re­jâ­nio Bu­car, ir­mão do ex-de­pu­ta­do Sta­lin Bu­car, do To­can­tins. Na an­te­vés­pe­ra do de­sa­pa­re­ci­men­to, es­ti­ve com ele aqui em Go­i­â­nia, con­ver­sa­mos mui­to, ape­nas ame­ni­da­des, co­mo sem­pre fa­zí­a­mos to­das as se­ma­nas. No dia 2 de de­zem­bro, en­con­tra­ram car­bo­ni­za­do em Ta­qua­rus­su, zo­na ru­ral de Pal­mas, o car­ro que ele usa­va, mas nem si­nal de Re­jâ­nio. Le­vei sua fo­to na mes­ma se­ma­na até às en­ti­da­des, e uma de­las dis­se que ele já es­ta­va no ou­tro mun­do e seu cor­po ja­mais se­ria en­con­tra­do. Di­to e fei­to: ape­sar das in­ves­ti­ga­ções, po­li­ci­ais e par­ti­cu­la­res, nun­ca mais se ou­viu fa­lar de­le.

Mais re­cen­te­men­te, quan­do en­sai­ei, por su­ges­tão de ami­gos, uma can­di­da­tu­ra a de­pu­ta­do es­ta­du­al, uma das en­ti­da­des man­dou um re­ca­do atra­vés de Jo­sé Cân­di­do e sua es­po­sa, Ma­ria Jú­lia: eu não se­ria elei­to de jei­to ne­nhum. Mas co­mo eu ti­nha a in­ten­ção de ser co­nhe­ci­do no meio po­lí­ti­co e ga­nhar al­gu­ma vi­si­bi­li­da­de, can­di­da­tei-me. E a pre­vi­são da en­ti­da­de se con­fir­mou: não con­se­gui atin­gir a vo­ta­ção su­fi­ci­en­te.

E apren­di a re­fle­tir so­bre tu­do o que di­zem as en­ti­da­des e os cul­to­res, den­tre os qua­is Di­val­do Fran­co, e nes­ta nos­sa épo­ca con­tur­ba­da po­li­ti­ca­men­te, um fa­to apa­re­ceu re­cen­te­men­te nas re­des so­ci­ais que di­zem de per­to so­bre o as­sun­to.

Car­los An­tô­nio Bac­cel­li, gran­de mé­di­um ube­ra­ben­se, ex-dis­cí­pu­lo de Chi­co Xa­vi­er, man­dou pa­ra as re­des so­ci­ais um a re­fle­xão acer­ca da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca atu­al.

Diz ele que quan­do Lu­la foi can­di­da­to a Pre­si­den­te do Bra­sil, con­cor­ren­do con­tra Col­lor, Chi­co dis­se que ti­nha me­do de­le.

Na épo­ca, ele não en­ten­deu, pois, afi­nal, Lu­la re­pre­sen­ta­va os po­bres, que Chi­co sem­pre de­fen­deu. Pe­la vez pri­mei­ra, Chi­co de­cla­rou apoio a um can­di­da­to, a Col­lor, in­clu­si­ve re­ce­ben­do-o em sua ca­sa. Col­lor era um mal me­nor, foi lo­go cas­sa­do.

Chi­co acha­va que ele de­ve­ria ter re­nun­ci­a­do. O tem­po cor­reu e Ba­cel­li cons­ta­tou que Chi­co, mais uma vez, es­ta­va com a ra­zão.

Lu­la in­sis­tiu, foi elei­to e deu no que deu. O PT qua­se aca­bou com o Bra­sil, igual­men­te qua­se aca­ban­do com a ex­pec­ta­ti­va de que, um dia, ele ve­nha a ser a Pá­tria do Evan­ge­lho.

Há cer­ca de 40 anos atrás, fi­nal da dé­ca­da de 70, iní­cio da dé­ca­da de 80, Chi­co con­ver­sa­va em sua ca­sa com Ade­li­no da Sil­vei­ra, um de seus bi­ó­gra­fos. Fa­la­vam so­bre a si­tu­a­ção do Pa­ís. O mé­di­um que, mui­tas ve­zes, an­te­via o fu­tu­ro, dis­se ao ami­go de Mi­ras­sol: “- Ade­li­no, o ho­mem que vai co­me­çar a dar um jei­to no Bra­sil, de­ve es­tar ago­ra na fai­xa dos 15 anos, tal­vez um pou­co mais – não é um es­pí­ri­to mis­si­o­ná­rio, não é um es­pí­ri­to evo­luí­do, mas com ele é que o Bra­sil co­me­ça­rá a en­trar nos tri­lhos (…).

“E fa­lou mais o que não me con­vém di­zer ago­ra” – con­ti­nuou Bac­cel­li. “Pe­lo que Chi­co Xa­vi­er, en­tão, re­ve­lou, tu­do le­va a crer que ele se re­fe­ria, sim, a Ja­ir Mes­si­as Bol­so­na­ro. De­fi­ni­ti­va­men­te, não se tra­ta do can­di­da­to do PT, que, ao con­trá­rio do que an­dam di­zen­do, não é es­pí­ri­ta – ve­ja-se o que ele apron­tou co­mo Pre­fei­to de São Pau­lo!

Por­tan­to, por um de­ver de con­sci­ên­cia e va­len­do-me de mi­nha li­ber­da­de de ex­pres­são, que res­pei­to em to­dos, ve­nho, pu­bli­ca­men­te, de­cla­rar o meu vo­to pa­ra Pre­si­den­te do Bra­sil em Bol­so­na­ro. Acre­di­to que ele pos­sa co­me­çar a ar­ru­mar a ca­sa qua­se em ru­í­nas… Bol­so­na­ro não é pre­con­cei­tu­o­so, ho­mo­fó­bi­co, ra­cis­ta, ou o que o va­lho, co­mo a pró­pria Im­pren­sa ven­di­lho­na vem es­pa­lhan­do. Ele ape­nas é in­tem­pes­ti­vo, fa­lan­do com ex­ces­si­va in­dig­na­ção na voz em fa­ce das pro­vo­ca­ções que re­ce­be, e do que vem acon­te­cen­do ao Bra­sil – um Pa­ís lar­ga­do às tra­ças, in­ter­na­cio­nal­men­te des­mo­ra­li­za­do. Vo­tei em Bol­so­na­ro no pri­mei­ro tur­no, vo­ta­rei no se­gun­do e, se hou­ves­se um ter­cei­ro, vo­ta­ria tam­bém.

Es­pe­ro que os meus ami­gos pe­tis­tas não me con­tes­tem o di­rei­to de de­cla­rar o meu vo­to. Não res­pon­de­rei a ne­nhum de­les, e as­sim co­mo não os con­tes­tei, ou con­tes­to, por pre­fe­ri­rem con­fi­ar no ou­tro can­di­da­to, es­pe­ro que não me con­tes­tem. Não te­nho tem­po pa­ra ba­te-bo­cas.

Pa­ra mim, o slo­gan ´Bra­sil aci­ma de tu­do e Deus aci­ma de to­dos’ fa­la por si mes­mo com a for­ça es­pi­ri­tual que se in­te­res­sa pe­lo fu­tu­ro de nos­sa Pá­tria, con­du­zin­do o seu gran­de des­ti­no”.

Aqui fi­ca­mos no aguar­do do que acon­te­ce­rá, ou se­rá que o mun­do es­pi­ri­tual foi con­ta­mi­na­do pe­las “fake news’?

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, De­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, Mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais