Opinião

Como criar um mindset de inovação na sua empresa

diario da manha

Ino­var é o ca­mi­nho na­tu­ral das em­pre­sas. Quan­do fa­la­mos em ne­gó­ci­os, em­pre­sas, pro­ces­sos e tu­do o que en­vol­ve o dia a dia de uma com­pa­nhia, aca­ba­mos nos vol­tan­do a es­te te­ma. Co­mo me­lho­rar pro­ces­sos in­ter­nos? Ino­va­ção. Pre­ci­sa de um no­vo softwa­re pa­ra en­cur­tar ou au­to­ma­ti­zar tra­ba­lhos? Ino­va­ção. Quer ga­nhar mais ou re­du­zir cus­tos? Ino­va­ção!

As áre­as de co­nhe­ci­men­to res­pi­ram ino­va­ção. Ci­en­tis­tas ino­vam pa­ra ob­ter no­vas fór­mu­las, te­o­ri­as e avan­ços. Ban­quei­ros ino­vam pa­ra ter mar­gens mai­o­res de lu­cro. Ar­qui­te­tos ino­vam em cons­tru­ções pa­ra en­con­trar ma­te­ri­ais mais ba­ra­tos e mais re­sis­ten­tes. De­sen­vol­ve­do­res e pro­fis­si­o­nais de TI ino­vam pa­ra fa­zer sis­te­mas mais rá­pi­dos e que tor­nem a ex­pe­ri­ên­cia de seus usu­á­rios ca­da vez mais imer­si­va.

Te­mos en­tão es­ta si­tu­a­ção. To­do mun­do pre­ci­sa ino­var, no en­tan­to, co­mo as em­pre­sas no­vas e tra­di­cio­nais fa­zem pa­ra que is­so se­ja pos­sí­vel? Co­mo es­ti­mu­lar um am­bi­en­te ino­va­dor? Qua­is re­sul­ta­dos es­pe­rar e de qua­is ti­pos de ino­va­ção?

 

Que­brar hi­e­rar­quia

A hi­e­rar­quia ma­ta a ino­va­ção. En­ca­re is­so. A pes­soa que es­tá se pro­pon­do a is­so não po­de de­pen­der do jul­ga­men­to de ou­tras aci­ma de seu ní­vel hi­e­rár­qui­co até que a ideia che­gue a quem re­al­men­te a en­ten­de­rá. As ino­va­ções in­cre­men­tais mais bem-su­ce­di­das e mais rá­pi­das são aque­las que pes­qui­sam o há­bi­to do con­su­mi­dor. É al­go rá­pi­do, es­tá na bo­ca de to­dos os usu­á­rios que usam sua fer­ra­men­ta e não po­de es­pe­rar pe­la hi­e­rar­quia.

As pes­so­as têm me­do de le­var su­as idei­as adi­an­te por acha­rem que se­rão jul­ga­das. Quan­do há mui­tas eta­pas a se­rem ven­ci­das, a ideia mor­re­rá sem che­gar aos ou­vi­dos de quem re­al­men­te im­por­ta.

 

Te­nha mui­tos ou­vi­dos

Ve­jo mui­tos cli­en­tes, com or­gu­lho, di­zer: cri­a­mos uma área de ino­va­ção – que já foi cha­ma­da de R&D (ou P&D – Pes­qui­sa e De­sen­vol­vi­men­to) -, com or­ça­men­tos vo­lu­mo­sos. Re­co­nhe­ço que a ino­va­ção pre­ci­sa co­me­çar de al­gu­ma for­ma, mas res­trin­gir os ou­vi­dos so­men­te às vo­zes vin­das do pró­prio ti­me é pe­ri­go­so.

Mas, lem­bre que em­pre­sas pe­que­nas e com pou­cos fun­cio­ná­rios não têm um de­par­ta­men­to de ino­va­ção. No Nu­bank, por exem­plo, há uma área que se cha­ma “Fa­tor Wow!”. Co­mo o no­me su­ge­re, a res­pon­sa­bi­li­da­de do ti­me é cri­ar ex­pe­ri­ên­cias que im­pres­si­o­nem seus cli­en­tes.

Seu ce­ná­rio é de em­pre­sa gran­de? Pen­se no Go­o­gle. Com mi­lha­res de fun­cio­ná­rios, 20% do tem­po de ca­da fun­cio­ná­rio é li­vre pa­ra que pos­sam tra­ba­lhar em su­as pró­pri­as idei­as. O mo­de­lo de ne­gó­ci­os da Go­o­gle per­mi­te es­te tem­po oci­o­so, pois sua fá­bri­ca de di­nhei­ro es­tá au­to­ma­ti­za­da. Le­gal, va­mos olhar ago­ra pa­ra a Ap­ple. Ela ven­de hardwa­re, é uma fá­bri­ca e é uma das em­pre­sas mais ino­va­do­ras do mun­do!

 

Es­ti­mu­le o in­tra­em­pre­en­de­do­ris­mo

O ob­je­ti­vo fi­nal é ino­var, mas is­so só vai acon­te­cer quan­do as pes­so­as pen­sa­rem fo­ra da cai­xa e, pa­ra is­so, pre­ci­sam se sen­tir à von­ta­de e en­ten­der que têm li­ber­da­de pa­ra pro­por idei­as e que elas não se­rão cor­ta­das.

 

Não dei­xe o ou­tro se des­mo­ti­var

Um pro­je­to é ana­li­sa­do por di­ver­sas pes­so­as an­tes de ser co­lo­ca­do em prá­ti­ca ou não. Por es­te mo­ti­vo, é es­sen­cial pas­sar fe­ed­backs ao ide­a­li­za­dor, dei­xan­do cla­ro o que achou da ideia e des­ta­can­do os pon­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos. Des­ta for­ma, a pes­soa não fi­ca­rá des­mo­ti­va­da e bus­ca­rá se aper­fei­ço­ar em uma no­va ideia.

Uma di­ca: quem for ava­li­ar uma pro­pos­ta de­ve bus­car com o ide­a­li­za­dor o con­cei­to prin­ci­pal, pa­ra jun­tos de­ci­di­rem se é apli­cá­vel ou não à em­pre­sa.

 

Co­me­ce

Não há car­ti­lha! Só de­pen­de de vo­cê. Gran­des em­pre­sas de con­sul­to­ria irão pro­por mo­de­los pron­tos, que cus­tam mi­lhões de dó­la­res, so­bre co­mo “im­ple­men­tar a trans­for­ma­ção di­gi­tal”, por exem­plo. Não vai fun­cio­nar. Sua cul­tu­ra não dei­xa­rá. A ino­va­ção é in­cre­men­tal. Não te­rá pra­zo e cus­to de­fi­ni­dos.

Pen­se vo­cê mes­mo co­mo co­me­çar. Es­ta­be­le­ça pla­nos, es­tu­de te­o­ri­as de ino­va­ção e en­ten­da co­mo elas acon­te­cem. Uma vez com­pre­en­di­do, vo­cê sa­be­rá por on­de co­me­çar. Su­ges­tão: es­tu­de le­an, jor­na­das de de­sign e me­to­do­lo­gia ágil de de­sen­vol­vi­men­to de softwa­re.

 

(Gui­lher­me Ses­ter­heim, Bu­si­ness In­no­va­ti­on na ile­gra, em­pre­sa glo­bal de ne­gó­ci­os e tec­no­lo­gia)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais