Opinião

Compreendendo  por que as mulheres que odeiam Bolsonaro gostam de tirar as roupa

diario da manha

1/ As mu­lhe­res têm uma ten­dên­cia mais exi­bi­cio­nis­ta que os ho­mens, que são mais voyeu­ris­tas. É um mo­do de se mos­trar, a mí­dia cap­ta is­so, ge­ral­men­te re­pro­duz as mais bo­ni­tas.

2/ Ao mes­mo tem­po que exer­cem o pra­zer do exi­bi­cio­nis­mo, es­tão a di­zer : “os ho­mens não  con­tro­lam mi­nha se­xu­a­li­da­de”, “os ho­mens nos que­rem co­mo pos­se”, “re­jei­to ho­mem pos­ses­si­vo”.

3/ Os ho­mens nos vê­em co­mo  ob­je­to se­xu­al, vou “agre­di-los” mos­tran­do-lhes co­mo é “agres­si­vo” eu ser vis­ta co­mo um ob­je­to se­xu­al. Só que, no fun­do, sa­bem que, pa­ra gran­de par­te dos ho­mens, elas não es­tão sen­do “agres­si­vas”, es­tão ape­nas, exi­bi­cio­nis­ti­ca­men­te, ali­men­tan­do o voyeu­ris­mo de­les. É, por­tan­to, uma “pseu­do-agres­são” aos ho­mens.

4/ Fun­cio­na mais co­mo uma “agres­são às mu­lhe­res com­por­ta­das dos ho­mens de quem elas têm rai­va”. As mu­lhe­res “de fa­mí­lia”, “re­ca­ta­das e do lar”, aque­las que “to­le­ram es­tes ma­chos do­mi­na­do­res”, es­tas irão fi­car com rai­va de mim (elas pen­sam). “Que óti­mo, que­re­mos agre­dir mes­mo es­tas sub­mis­sas do­nas-de-ca­sa, cris­tãs, mã­es, de­pen­den­tes de ma­ri­do, acor­ren­ta­das ao ca­sa­men­to”.

5/ Ao mes­mo tem­po, que­rem se mos­trar , de al­gum mo­do, “ape­ti­to­sas” pa­ra os voyeu­ris­tas, mos­tra­rem-se pa­ra sus­ci­tar a li­bi­do de­les. Pen­sam em “cas­ti­gá-los” mais uma vez: “olhe aqui o que vo­cê es­tá per­den­do”, “ve­ja co­mo sou lin­da, só prá mim, não prá vo­cê”, “uma mu­lher se em­be­le­za pa­ra si, não pa­ra um ho­mem”, “ve­ja que ti­po de mu­lher fo­go­sa vo­cê ja­mais te­rá na ca­ma”, “fi­quem aí com su­as mu­lhe­res-pas­té­is pa­ra fa­zer pa­pai-e-ma­mãe”.

6/ Sou mu­lher fo­go­sa, se­xu­a­li­za­da, mas não pa­ra o pa­pai-e-ma­mãe do ca­sa­men­to xô­xo. So­fra aí ca­la­do por não me ter. So­fra aí por não po­der do­mi­nar uma mu­lher que quer exer­cer sua pró­pria se­xu­a­li­da­de, que é fo­go­sa, sem-ver­go­nhas, sem-cen­su­ras, sem-li­mi­tes. Uma se­xu­a­li­da­de que vo­cê gos­ta mas não irá con­se­guir do­mi­nar com um ca­sa­men­to, com uma bar­ri­ga de alu­guel, uma ges­ta­ção, um fi­lho, um car­tão de cré­di­to, um as­sen­to na pri­mei­ra fi­la de sua igre­ja evan­gé­li­ca.

7/ Mos­tro-me es­ca­to­ló­gi­ca, es­can­da­lo­sa,  des­vai­ra­da,  por­que sei que, na ca­ma, vo­cê, seu ma­cho mo­ra­lis­ta-do­mi­na­dor, gos­ta mes­mo é de mu­lhe­res “lou­cas” e “des­con­tro­la­das”. Mais uma vez, ve­ja o que es­tá per­den­do. Não é com uma fre­quên­cia se­ma­nal na mis­sa, ou no cul­to es­pí­ri­ta cris­tão do Lar, que vo­cê irá me do­mar, me pos­su­ir, me con­tro­lar, me vi­gi­ar. Sou li­vre ! Olhe aqui co­mo, sem rou­pas, de­fe­can­do nos seus sím­bo­los, eu de­sa­fio seu mo­ra­lis­mo de su­per­fí­cie, seu ma­cho adúl­te­ro, in­fi­el, hi­pó­cri­ta (diz que me odeia mas me de­se­ja, na ver­da­de).

8/ Mi­nha li­ber­da­de, ma­ni­fes­ta com mi­nha nu­dez, mi­nha es­ca­to­lo­gia (de­fe­ca­ção, sa­cri­lé­gio de sím­bo­los re­li­gi­o­sos, etc), é pro­por­ci­o­nal à rai­va que te­nho de seu do­mí­nio. Não que­ro vi­ver mi­nha se­xu­a­li­da­de pas­si­va­men­te,  sub­me­ter-me pas­si­va­men­te à sua se­xu­a­li­da­de e a seus de­se­jos.

9/ Eu sou um ser de­se­jan­te pró­prio, nun­ca pre­ci­sei de ho­mem pa­ra me pro­ver de na­da, de re­cur­sos e nem de se­gu­ran­ça ou de amor. Fiz-me so­zi­nha, e mi­nha se­xu­a­li­da­de é exer­ci­da pe­lo que ela é, um “ins­tin­to car­nal”, co­mo es­te que es­tou lhe mos­tran­do ago­ra”. Não é uma “se­xu­a­li­da­de sob o sig­no do amor”, pois não re­co­nhe­ço es­te amor em vo­cê, nun­ca o re­ce­bi de vo­cê, por­tan­to, do ho­mem, não te­nho ca­ri­nho, pro­ten­ção, cui­da­dos, con­cer­ni­men­to.

10/ Só me vi­ram co­mo ob­je­to,  e es­tou de­vol­ven­do is­so à vo­cês, es­tou jo­gan­do is­so na sua ca­ra. Ve­ja aqui na mi­nha ma­ni­fes­ta­ção o que é uma mu­lher pu­ra­men­te e ins­tin­tu­al­men­te se­xu­a­li­za­da, sem um amor ou um cui­da­do que vo­cê nun­ca me deu. E, sem um cui­da­do, sem um amor, mi­nha se­xu­a­li­da­de não pre­ci­sa de um ou­tro, ela bas­ta-se a si mes­ma, ela se for­ta­le­ce con­si­go mes­ma, ela se ad­mi­ra a si mes­ma, ela se em­po­de­ra por si.

 

(Mar­ce­lo Cai­xe­ta, psi­qui­a­tra)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais