diario da manha

Ao in­tro­du­zir es­te ti­tu­lo pro­cu­ro en­fo­car a dis­tân­cia que exis­tia en­tre Bon­fi­nó­po­lis e Go­i­â­nia e tam­bém Le­o­pol­do de Bu­lhões no qual era a quan­tia exa­ta de 36 qui­lô­me­tros sen­do até ho­je re­lem­bra­do quan­do al­guém de Bon­fi­nó­po­lis que mo­ra em Go­i­â­nia ou que es­te­ja em ou­tra ci­da­de diz de for­ma sa­u­do­sa eu vou lá no 36 re­tra­tan­do es­se pen­sa­men­to his­tó­ri­co que de­ve ser pre­ser­va­do e re­pas­sa­do as fu­tu­ras ge­ra­ções pa­ra não per­der es­sa iden­ti­da­de.

As re­cor­da­ções são o sím­bo­lo har­mo­ni­o­so, pu­ro e se­re­no que fi­cam guar­da­das em nos­sas me­mó­ri­as e que se tran­spor­ta­rá por to­da a nos­sa exis­tên­cia, o pra­zer da vi­da é lem­brar de gran­des mo­men­tos e pes­so­as que fi­ca­ram sem­pre pa­ra pos­te­ri­da­de. Di­an­te dis­so re­me­mo­ro com sa­u­da­de de jo­gar bo­la em­bai­xo de uma man­guei­ra que fa­zia som­bra e fi­ca­va no lo­te da do­na Aba­dia e tam­bém mais a fren­te no fi­chá­rio de re­cor­da­ções de jo­gar bo­la em um cam­pi­nho on­de é ho­je o su­per­mer­ca­do Jr on­de re­u­nia to­da a mo­le­ca­da da ci­da­de e fa­zia o tem­po pas­sar sem que pu­dés­se­mos dar con­ta, pois era su­bli­me, sin­ge­lo e cal­mo.

Re­tor­nan­do ao cam­po das mi­nhas ide­ais re­lem­bro do sr Jo­sé Da­mas­ce­na fa­zer fre­te pa­ra car­re­gar ter­ra e às ve­zes tam­bém fa­zer mu­dan­ças de pes­so­as pa­ra a nos­sa ci­da­de que na sua sim­pli­ci­da­de aju­dou a cons­tru­ir o mu­ni­cí­pio, no con­cei­to de ale­gri­as re­fa­ço a vi­a­gem ao tem­po em que a fe­li­ci­da­de na nos­sa ci­da­de se con­so­li­da­va em jo­gos de fu­te­bol aos do­min­gos no es­tá­dio Ger­son So­a­res en­tre os ti­mes do Sr Je­o­vá e do Sr Se­bas­ti­ão Car­do­so So­bri­nho, era mui­to bom es­se tem­po on­de to­da a co­mu­ni­da­de se re­u­nia em mo­men­tos es­plên­di­dos em que os mi­nu­tos não pas­sa­vam e não per­ce­bí­a­mos que a fe­li­ci­da­de es­ta­va pró­xi­ma a nós.

No cam­po po­lí­ti­co não po­de­ria dei­xar de des­ta­car meu pai Wal­ter Ro­dri­gues Lô­bo ve­re­a­dor na épo­ca em que Bon­fi­nó­po­lis era dis­tri­to de Le­o­pol­do de Bu­lhões que atra­vés de sua in­can­sá­vel lu­ta on­de Bon­fi­nó­po­lis na con­di­ção de dis­tri­to não pos­su­ía uma uni­da­de de sa­ú­de lu­tou pa­ra que aqui ti­ves­se um pos­to de Sa­ú­de no cen­tro da nos­sa ci­da­de que na épo­ca era mui­to dis­tan­te pa­ra se lo­co­mo­ver e o pos­to se fa­zia ne­ces­sá­rio pa­ra aten­der as de­man­das ini­ci­ais pa­ra de­pois che­gar á Go­i­â­nia es­te fei­to ocor­reu no go­ver­no de Ira­pu­an Cos­ta Ju­ni­or que aten­deu de ime­di­a­to o pe­di­do de meu pai pa­ra a ins­ta­la­ção do pos­to de sa­ú­de, tam­bém é de sua au­to­ria o blo­que­te na rua prin­ci­pal que ho­je fax par­te da pa­vi­men­ta­ção.

Não po­de­ria dei­xar de des­ta­car o tra­ba­lho de ve­re­a­dor no an­ti­go dis­tri­to de Bon­fi­nó­po­lis de meu sa­u­do­so pri­mo Se­bas­ti­ão Fer­rei­ra de Sou­za que tam­bém lu­tou por nos­sa ci­da­de o pro­je­to de con­cre­ti­za­ção do ves­ti­á­rio do cam­po do es­tá­dio Ger­son So­a­res e tam­bém au­xi­li­an­do e aju­dan­do as pes­so­as no tra­ba­lho de ad­vo­ga­do fa­zen­do fal­ta em nos­sa ci­da­de, mas que sem­pre ser­vi­ra de exem­plo pa­ra ou­tras pes­so­as por seu ges­to de des­pren­di­men­to das coi­sas ma­te­ri­ais fi­can­do su­as idei­as eter­ni­za­das. Re­lem­bran­do tam­bém o tra­ba­lho da Do­na Ma­ria Jo­sé Le­ão que tam­bém ve­re­a­do­ra por Bon­fi­nó­po­lis dis­tri­to jun­ta­men­te com meu pai Wal­ter Ro­dri­gues Lô­bo lu­tou pe­la ins­ta­la­ção do pos­to de sa­ú­de e tam­bém por ou­tras pri­o­ri­da­des que se fi­ze­ram re­a­li­za­das e sem­pre aten­den­do aos mais ne­ces­si­ta­dos.

Vol­tan­do a um pas­sa­do lon­gín­quo não po­de­ria dei­xar de fa­lar so­bre o bai­le do Sr Jo­ão­zi­nho mi­nei­ro on­de mes­mo pe­que­no re­lem­bro dos jo­vens se apron­ta­rem pa­ra ir a es­te bai­le que fi­ca­va em uma ca­sa na rua que vai pa­ra igre­ja ca­tó­li­ca em que se per­ce­bia que ha­via uma ja­ne­la gran­de on­de se via os ra­pa­zes e as mo­ças dan­çan­do mu­si­cas len­tas ao som de can­to­res in­ter­na­cio­nais que era a mo­da na dé­ca­da de 1970 nos áu­re­os tem­pos do re­gi­me mi­li­tar que de­ve­mos es­que­cer e pri­o­ri­zar a de­mo­cra­cia sen­do o úni­co elo de trans­for­ma­ção, na dé­ca­da de 1980 sur­gi­ram o clu­bi­nho on­de é a câ­ma­ra mu­ni­ci­pal, mas a fren­te o pa­lho­ça tam­bém di­ri­gi­do pe­la do­na Eli­na que am­bos eram mui­to fre­quen­ta­dos pe­la ju­ven­tu­de e tam­bém não es­que­cen­do o Man­guei­ras chopp  e NIght Club na dé­ca­da de 1990 que era di­ri­gi­do pe­los fi­lhos da do­na Ma­ria Jo­sé Le­ão, on­de re­u­nia to­da po­pu­la­ção e to­das as pes­so­as vin­das de Go­i­â­nia e de ou­tros lu­ga­res em que te­ve o pri­mei­ro show de Zé­ze de Ca­mar­go e Lu­ci­a­no  an­tes de fa­zer su­ces­so ,  mas re­cen­te­men­te foi inau­gu­ra­do uma ca­sa de Shows cha­ma­do Loss Ga­tos on­de há apre­sen­ta­ção de can­to­res de fór­ro que reú­ne to­da a co­mu­ni­da­de e tam­bém se alu­ga pa­ra even­tos em que é di­ri­gi­do por Li­li­a­ne Al­ves Vi­ei­ra Gui­ma­rã­es ,  por tu­do is­to re­tra­tei um pe­rí­o­do bom que não vol­ta mais, lem­bran­do tam­bém do can­ti­nho chopp on­de exis­tia um fór­ro on­de ia to­da a co­mu­ni­da­de re­u­nia e se fa­zia pre­sen­te des­de o mais sim­ples ao mais abas­ta­do e ho­je não fun­cio­na mais e era ad­mi­nis­tra­do pe­lo Sr Jo­ão Ba­tis­ta e pe­lo Er­lai­ne.

Na área eco­nô­mi­ca ha­via pou­cos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais des­ta­can­do o bar do Sr Je­o­vá, o bar  do Sr Di­to bar­bei­ro, o ar­ma­zém do Sr Jo­ão Lu­iz da Sil­va co­nhe­ci­do pe­la  al­cu­nha de  Jo­ão Ro­sa, a lo­ja de te­ci­dos do Sr Jo­sé Au­gus­to de Arau­jo  pe­la al­cu­nha de Ju­ca Araú­jo, a lo­ja de te­ci­dos do Sr Esaú do Car­mo Li­ma, o ar­ma­zém do Sr Vo­ri­co Ca­mi­lo de Oli­vei­ra,  O Bar do Oswal­do, O Ar­ma­zém São Jo­sé de Jo­nas das Gra­ças Fi­lho, o ar­ma­zém do Se­nhor Fer­nan­des Cam­pos, a far­má­cia do Sr Áu­reo Di­niz e o ar­ma­zém do Sr Je­sus  que den­tre to­dos os es­ta­be­le­ci­men­tos que ci­tei os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais que ain­da ho­je per­sis­tem são o su­per­mer­ca­do Luz do Se­nhor Je­sus ad­mi­nis­tra­do por seu fi­lho Stê­nio e o ar­ma­zém  do se­nhor Fer­nan­des Cam­pos al­cu­nha Nan­dio, va­le des­ta­car que o bar do Je­o­vá e o bar do Di­to bar­bei­ro eram pon­tos de pa­ra­das dos ôni­bus da Ara­gu­a­ri que iam pa­ra Sil­vâ­na ou iam pa­ra Go­i­â­nia on­de os pas­sa­gei­ros de­sem­bar­ca­vam dos ôni­bus pa­ra to­mar um lan­che nos res­pec­ti­vos ba­res, ou­tro pon­to im­por­tan­te é  o Bar do Oswal­do on­de a ju­ven­tu­de aos sá­ba­dos iam to­mar uma cer­ve­ja e uns ti­ra-gos­tos,re­cor­dan­do tam­bém o bar do An­tô­nio do Cla­ro,   on­de re­u­nia as pes­so­as pa­ra sa­ber das no­tí­cias po­lí­ti­cas da ci­da­de as elei­ções pa­ra pre­fei­to, não es­que­cen­do a pri­mei­ra pa­da­ria do Sr An­to­nio Be­lém e tam­bém a pa­da­ria  Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da  do Sr An­tô­nio Nas­ci­men­to de Oli­vei­ra sen­do que es­tá até ho­je fun­cio­na sen­do ad­mi­nis­tra­do por seus fi­lhos, lem­bran­do tam­bém do ar­ma­zém do  Sr Ira­ci Ti­bur­cio mais co­nhe­ci­do pe­la al­cu­nha de  Nen­zo que fi­ca­va na es­qui­na pró­xi­ma a lo­ja PL Mó­veis e ho­je é um lo­te va­zio, tu­do nes­sa épo­ca era sin­gu­lar pe­que­no, mas gran­de na sim­pli­ci­da­de pro­vin­ci­a­na em que vi­ví­a­mos na­que­la har­mo­nia que não vol­ta mais, fi­can­do re­gis­tra­do em meus pen­sa­men­tos sen­do gra­va­dos pe­lo tem­po, es­tan­do ali­nha­das pa­ra sem­pre em meu co­ra­ção que se de­se­nha­ra no per­cur­so da mi­nha exis­tên­cia por to­da a mi­nha vi­da.

Na área da ra­di­o­di­fu­são não pos­so dei­xar de men­ci­o­nar a inau­gu­ra­ção da rá­dio Lí­der ten­do uma ex­ten­sa pro­gra­ma­ção em que a co­lu­na es­por­ti­va no co­man­do do sa­u­do­so To­ni­nho bo­ta­fo­go, o sa­u­do­so Di­to bar­bei­ro e tam­bém com Do­min­go ca­chim­bo no pro­gra­ma Lí­der nos es­por­tes on­de tra­zia um pa­no­ra­ma do mun­do es­por­ti­vo no es­ta­do e no pa­ís sem­pre com bom hu­mor e a ale­gria que dis­tra­ia to­dos nós bon­fi­no­po­li­nos, ho­je a rá­dio Lí­der mu­dou de no­me pa­ra rá­dio clu­be de Bon­fi­nó­po­lis es­tan­do em ple­no fun­cio­na­men­to até hpje.

As fes­tas de­mo­crá­ti­cas as elei­ções pa­ra pre­fei­to de nos­sa ci­da­de se mos­tra­vam dis­pu­ta­das on­de ca­da um de­fen­dia seus can­di­da­tos e su­as po­si­ções, re­lem­bro com nos­tal­gia da pri­mei­ra elei­ção pa­ra pre­fei­to on­de Jo­ão Pau­li­no de Oli­vei­ra e An­tô­nio Gon­çal­ves de Me­lo eram pre­ten­den­tes ao car­go de pre­fei­to, is­to na dé­ca­da de 1980 no qual re­cor­do de um car­ro de som fa­zer pro­pa­gan­da pa­ra o Sr Jo­ão Pau­li­no an­dar pe­la rua e to­car a mu­si­ca Lua e Flor de Oswal­do Mon­te Ne­gro em que até ho­je não sai das mi­nhas per­cep­ções.

Na mi­nha for­ma­ção in­te­lec­tu­al em meu tem­po es­tu­dan­til re­tor­no os pri­mei­ros anos de es­tu­do na Es­co­la Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co on­de a di­re­to­ra era a Do­na Ma­ria Apa­re­ci­da de Al­mei­da que ho­je no­meia a es­co­la, nes­ta épo­ca ti­ve vá­ri­as pro­fes­so­ras que fo­ram es­sên­cias, des­ta­can­do a Do­na Jel­ci, Do­na So­lan­ge, Do­na Ana­dir, Do­na Iva­ni, Do­na Na­iz e que des­per­ta­ram a mi­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra a com­pre­en­são har­mo­ni­o­sa em su­as mais va­ri­a­das for­mas. No Co­lé­gio Es­ta­du­al Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co con­clui o en­si­no fun­da­men­tal o an­ti­go pri­mei­ro grau e o en­si­no mé­dio o an­ti­go se­gun­do grau sen­do ori­en­ta­do pe­los pro­fes­so­res que fi­ca­ram eter­ni­za­das em exem­plos ple­nos sen­do: a pro­fes­so­ra Eli­za­beth, a pro­fes­so­ra Do­ra­ci, a pro­fes­so­ra Ma­ria das Gra­ças, a pro­fes­so­ra Ma­ria Con­cei­ção, a pro­fes­so­ra Ila­na, a pro­fes­so­ra  Vâ­nia Fa­ria. Os pro­fes­so­res Mi­guel , Zé­lio, Jo­ão Pe­rei­ra e An­to­nio Mi­ran­da to­dos eles tan­to das fa­ses ini­ci­ais quan­to nas eta­pas pos­te­rio­res são sig­ni­fi­ca­ti­vas de­fe­rên­cias que no­ta­bi­li­za­ram to­da a mi­nha vi­da, ao ci­tar o Co­lé­gio Es­ta­du­al Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co não po­de­ria dei­xar de men­ci­o­nar no tra­ba­lho ár­duo de Ary Vi­cen­te Pi­nhei­ro que em sua lu­ta in­can­sá­vel tra­ba­lhou pa­ra que hou­ves­se o Co­lé­gio on­de to­dos nós for­ma­mos e con­clu­í­mos to­das as nos­sas as­pi­ra­ções que são mui­tas  e que sem­pre per­sis­ti­re­mos em no­vos so­nhos.

No cam­po da re­li­gi­o­si­da­de re­cor­do as fes­tas de São Se­bas­ti­ão on­de eram con­du­zi­das an­ti­ga­men­te pe­lo Pa­dre Ni­lo, Pa­dre Jo­sé Vi­cen­te, Pa­dre An­tô­nio Mar­tins, Pa­dre Ana­cle­to, Pa­dre Wal­di­son, Pa­dre Jo­sé, mas re­cen­te­men­te pe­lo  pa­dre War­ley e atu­al­men­te pe­lo pa­dre An­dre e ou­tros pa­dres que de­ram sua con­tri­bui­ção que não fo­ram men­ci­o­na­dos mas que tem a  sua re­le­vân­cia , na­que­la épo­ca ha­vi­am gran­des pro­cis­sões, ho­je pou­cas pes­so­as vão nes­te im­por­tan­te ri­to re­li­gi­o­so, na par­te so­ci­al on­de exis­tia um gran­de ran­chão de pa­lha em que re­u­nia to­da a co­mu­ni­da­de e pes­so­as de ci­da­des vi­zi­nhas em um gran­de en­con­tro fa­mi­liar de am­bi­en­te agra­dá­vel  e tra­zia a fe­li­ci­da­de a nós co­ra­ções sen­do aguar­da­da até ho­je em que se re­a­li­za no mês de se­tem­bro e ho­je acon­te­ce pró­xi­mo ao sa­lão pa­ro­qui­al.

Nes­te pe­que­no for­mu­lá­rio de re­cor­da­ções pro­cu­rei de­li­ne­ar fa­tos, pes­so­as e acon­te­ci­men­tos que di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te fi­ze­ram ver o mun­do por uma pers­pec­ti­va ale­gre, ques­ti­o­na­do­ra e sen­sí­vel aos pro­ble­mas que afli­gem a nos­sa so­ci­e­da­de tão ca­ren­te. O an­ti­go 36 ti­tu­lo aci­ma ex­pos­to es­ta­rá no co­ra­ção de to­do Bon­fi­no­po­li­no au­sen­te ou que es­te­ja aqui, pois é um ter­mo his­tó­ri­co que faz per­ce­ber que as raí­zes são im­por­tan­tes e não de­ve­mos es­que­cer.

 

(Ruy da Pe­nha Lô­bo, gra­du­a­do em Le­tras Es­pa­nhol – UCG – Ho­je Puc Go­i­ás –twit­ter: @ pe­nha Lo­bo – re­si­den­te em Bon­fi­nó­po­lis – Go­i­ás)

Comentários