Opinião

Décio dos Santos e a literatura de cordel

diario da manha
foto:divulgação

An­tô­nio Dé­cio dos San­tos Ma­tos, fi­lho de Fran­cis­co dos San­tos e Ma­ria Mo­rei­ra dos San­tos. Nas­ceu em Mi­nei­ros, Go­i­ás, em 27 de ju­lho de 1950, on­de re­si­de. Aqui fez cur­so de con­ta­bi­li­da­de, nin­guém po­den­do ima­gi­nar o que en­fren­tou pa­ra man­ter os es­tu­dos, de­mons­tran­do gar­ra, co­ra­gem e a mais ra­ra ho­nes­ti­da­de nos mais di­fí­ceis ti­pos de ser­vi­ços, de ser­ven­te de pe­drei­ro até fren­tis­ta de pos­to de gas­oli­na. Cu­ri­o­so é que não fal­tou-lhe tem­po pa­ra o amor. Cas­ou-se com Mag­na Ma­ria Mo­ta dos San­tos, com quem con­ce­beu Ma­teus e Dé­bo­ra Mo­ta dos San­tos, dos qua­is são ca­ti­vos ad­mi­ra­do­res.

Traz cer­ta­men­te na ori­gem nor­des­ti­na – ba­i­a­na – dos pa­is, a vo­ca­ção pe­la po­e­sia po­pu­lar,  cha­ma­da  Li­te­ra­tu­ra de Cor­del, ori­gi­ná­ria de Por­tu­gal, se­di­a­da es­sen­cial­men­te na Pa­raí­ba, Per­nam­bu­co e ou­tros es­ta­dos do Nor­des­te bra­si­lei­ro, des­pa­lha­da pa­ís afo­ra, com re­pre­sen­ta­ção em Go­i­ás, a par­tir da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, na pes­soa do ex­tra­or­di­ná­rio cor­de­lis­ta, Pau­lo Nu­nes Ba­tis­ta, nas­ci­do em Jo­ão pes­soa, re­si­den­te em Aná­po­lis, do qual te­nha a ale­gria de di­zer ter si­do uma das pes­soa lem­bra­das nos seus be­los ver­sos, que guar­do ca­ri­nho­sa­men­te.

No­tem que Dé­cio op­tou pe­la Li­te­ra­tu­ra de Cor­del mui­to an­tes do Ins­ti­tu­to do Pa­tri­mô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal tê-la re­co­nhe­ci­do co­mo Pa­tri­mô­nio cul­tu­ral ima­te­ri­al do Bra­sil em se­tem­bro de 2018, fa­to que mos­tra que Dé­cio já es­cre­via e de­fen­dia sua ar­te há mais de 40 anos. Sem con­tar “O ódio e a vin­gan­ça”, em ela­bo­ra­ção, por cer­to re­la­tan­do des­ven­tu­ra cri­mi­no­sa, o epi­gra­fa­do já pu­bli­cou e dis­tri­bu­iu 26 li­vros, ape­li­da­dos fo­lhe­tos, ca­da qual re­gis­tran­do um fa­to, um sen­ti­men­to, uma his­tó­ria, uma de­nún­cia etc, mais ve­zes si­len­ci­a­dos pe­las con­ve­niên­cias da His­tó­ria Ofi­ci­al.

No­tem tam­bém que bem an­te­ri­or à fun­da­ção da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Li­te­ra­tu­ra de Cor­del em 1988, se­di­a­da no Rio de Ja­nei­ro, Dé­cio já es­cre­ve­ra e pu­bli­ca­ra, só Deus sa­be co­mo! Os 26 fo­lhe­tos que já re­par­tiu com os ami­gos, de rua em rua, on­de vi­ve e pre­am­bu­la co­mo se fo­ra um “er­ran­te”, “va­dio” ou so­men­te o Flâ­neur fran­cês, que Wal­ter Ben­ja­mim, após lei­tu­ra de Char­les Bau­de­lai­re, con­ver­teu em ob­je­to de in­te­res­se aca­dê­mi­co. Quem sa­be, tão só um ca­mi­nhan­te ob­ser­va­dor, o nos­so ti­po li­te­rá­rio mais co­mum da ci­da­de, im­pon­do ser lem­bra­do, re­co­nhe­ci­do, ad­mi­ra­do. Por que se­rá que até Clio, a Deu­sa da His­tó­ria, que de­fen­de to­das as ar­tes e ci­ên­cias, o te­ria es­que­ci­do? Ve­jam que ela nun­ca acei­tou que ne­nhum vi­és de sua no­bre fun­ção fos­se es­que­ci­do?!

Além da in­flu­ên­cia dos pa­is, Dé­cio foi ori­en­ta­do so­bre ri­ma com Uni­ver­so Jo­sé da Sil­va, es­po­sa Va­cil­da Fer­nan­des e Moi­sés Jo­sé de Mou­ra, fi­lho do ga­rim­pei­ro Pur­ci­no Mou­ra, en­tu­si­as­ta e de­fen­sor da po­e­sia po­pu­lar. Apren­deu cer­ta téc­ni­ca do seu sa­gra­do ofí­cio e co­me­çou a ob­ser­var os fa­tos do co­ti­dia­no, as­sim ex­pri­min­do os seus sen­ti­men­tos po­é­ti­cos na ad­mi­rá­vel Li­te­ra­tu­ra de Cor­del, de que Mi­nei­ros pas­sou a fa­zer par­te e a ter a sua his­tó­ria re­la­ta­da em ver­sos me­lo­di­o­sos, ca­den­ci­a­dos, cu­ri­o­sa­men­te sem es­ta­rem ex­pos­tos nos bar­ban­tes co­mo an­ti­ga­men­te.

O bri­lhan­te, Drum­mond, re­co­nhe­ci­do co­mo um dos mai­o­res po­e­tas bra­si­lei­ros do sé­cu­lo XX, de­fi­niu, cer­ta fei­ta, a li­te­ra­tu­ra de cor­del:

“A po­e­sia de cor­del é uma das ma­ni­fes­ta­ções mais pu­ras do es­pí­ri­to in­ven­ti­vo, do sen­so de hu­mor e da ca­pa­ci­da­de crí­ti­ca do po­vo bra­si­lei­ro, em su­as ca­ma­das mo­des­tas do in­te­ri­or. O po­e­ta cor­de­lis­ta ex­pri­me com fe­li­ci­da­de aqui­lo que seus com­pa­nhei­ros de vi­da e de clas­se eco­nô­mi­ca sen­tem re­al­men­te. A es­pon­ta­ne­i­da­de e gra­ça des­sas cri­a­ções fa­zem com que o lei­tor ur­ba­no, mais so­fis­ti­ca­do, lhes de­di­que in­te­res­se, des­per­tan­do ain­da a pes­qui­sa e aná­li­se de eru­di­tos uni­ver­si­tá­rios. É es­ta, pois, uma po­e­sia de con­fra­ter­ni­za­ção so­ci­al que al­can­ça uma gran­de área de sen­si­bi­li­da­de”.

Creio que os ver­sos que tran­scre­vo, se não bas­tas­se os es­cri­tos em pro­sa, es­tão iden­ti­fi­ca­dos com o lú­ci­do pen­sa­men­to de Drum­mond.

 

Em “Foi Er­gui­da” – 27/06/1999

 

Não sou um te­le­gra­fis­ta

Nem tão pou­co um lo­cu­tor,

Que­ro ape­nas fa­zer um re­la­to

Mes­mo não sen­do um bom es­cri­tor,

Es­cre­vo so­bre uma ca­sa de ora­ção

Com to­do o meu pe­que­no ful­gor.

 

Es­sa ca­sa de ora­ção

Pe­lo Pas­tor Zi­zi foi er­gui­da.

Foi le­van­ta­da com di­fi­cul­da­de

Lá na oi­ta­va ave­ni­da,

Aju­dan­te do Pas­tor Zi­zi

Era a sua es­po­sa que­ri­da.

 

“Na Sa­la do Au­di­ti­vo” – 25/12/2016

 

A dou­to­ra Cin­tia é de pe­que­na es­ta­tu­ra

É gen­til “Pau­lis­ta­na”

Ela fez me­di­ci­na em São Pau­lo

Com o Dé­cio foi su­per­ba­ca­na

Ela me­di­ca em Trin­da­de-Go­i­ás

E res­su­de nos­sa Go­i­â­nia.

 

Em “Os Ras­tros de Cé­lia” – 2009

 

En­tão ou­ça Pas­tor Di­vi­no, e ir­mã Cé­lia, da vi­o­la, ou­ça a imã Re­na­ta, que gos­ta de to­car flau­ta de ta­bo­ca, que eu mes­ma fa­ço, com mui­to e mui­ta cau­te­la ou­ça-me.

Me es­cu­ta no­bre ca­sal

O que eu que­ro fa­lar,

Pa­ra vo­cês dois ago­ra,

O que eu fa­lo, é bom ca­da um guar­dar,

Nos co­ra­ções de vo­cês dois,

Nes­sa ho­ra que vou re­la­tar.

 

“Mi­nha Vi­da, Mi­nha His­tó­ria, Ma­ri­a­na e Jhon” – 04/05/2018

 

O An­tô­nio Ri­bei­ro da Cos­ta,

Tam­bém veio me di­zen­do,

Que a Ma­ri­a­na Fer­rei­ra,

Que é es­sa mo­ça, que eu es­tou es­cre­ven­do,

“es­se li­vro”, es­ta­va mais que bo­ni­ta,

Ele to­do ca­la­do, es­sa ce­na lin­da, ele es­ta­va ven­do.

 

De “O Al­vo­re­cer de Je­sus Cris­to”

 

Um ano de­pois que o ir­mão

Da No­na­ta mor­reu,

A mãe de­les fi­cou do­en­te

A No­na­ta es­cu­tou com o pró­prio ou­vi­do seu,

A mãe de­la ex­pres­sar di­zen­do fir­me e for­te

Nes­sa ho­ra “a al­ma de No­na­ta do­eu”.

 

E ain­da um pe­da­ço do ri­co ta­len­to po­é­ti­co de Dé­cio pa­ra o es­cri­ba e es­po­sa, in­ti­tu­la­do

 

“Um ca­sal Bo­ni­to”

 

De­cer­to por cau­sa da be­le­za da Chi­ca.

Na fei­ra da nos­sa ci­da­de

Que é a nos­sa Mi­nei­ros Go­i­ás,

Um ca­sal já ca­sa­dos

Um a ou­tro a cum­pri­men­tar

“es­se ca­sal é a do­na Chi­ca

E o dou­tor Mar­ti­nia­no que é es­pe­ci­al pa­ra ad­vo­gar.”

 

O dou­tor Mar­tin da do­na Chi­ca

No seu jei­to de ex­pres­sar,

Com o ca­be­lo de­le pa­re­cen­do um após­to­lo

Es­sa é a ma­nei­ra que gos­to de nar­ra,

A do­na Chi­ca pe­re­cen­do a San­ta Ma­da­le­na

Ao es­po­so de­la hu­mil­de­men­te acom­pa­nhar.

 

Pa­ra es­ses se­nhor que gos­ta de es­cre­ver con­tos e po­e­si­as.

A do­na Chi­ca dis­se eu te­nho umas pas­tas pa­ra uti­li­zar,

Es­sas pas­tas o Mar­tin usa­va

Se ele qui­ses­se ela gos­ta­ria de do­ar,

O que es­cre­ve es­sa li­te­ra­tu­ra po­bre dis­se:

Eu acei­to sim do­na Chi­ca, se­gun­da fei­ra eu irei bus­car.

 

(Mar­ti­nia­no J. Sil­va, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mem­bro do Mo­vi­men­to Ne­gro Uni­fi­ca­do (MNU), da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, IHGGO, UBE­GO, Mes­tre em His­tó­ria So­ci­al pe­la UFG, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, ar­ti­cu­lis­ta do DM (mar­ti­nia­nojsil­[email protected]­hoo.com.br))

 

Comentários