diario da manha

As pes­so­as es­tão per­ce­ben­do que há pou­co di­nhei­ro cir­cu­lan­do de­vi­do ao de­clí­nio na ren­da. Ocor­reu uma evi­den­te que­da das ati­vi­da­des in­dus­tri­ais e ge­ra­is. Pe­las es­tra­das e ave­ni­das há vá­rios es­ta­be­le­ci­men­tos com pla­cas de “ven­de-se ou alu­ga-se”. Quan­do im­por­ta­mos mer­ca­do­ri­as, uma par­te do di­nhei­ro não fi­ca no gi­ro, vai em­bo­ra e não re­cir­cu­la mais. Pa­ra con­ti­nu­ar man­ten­do o dó­lar ba­ra­to, de 2012 a 2017 a dí­vi­da so­freu um cres­ci­men­to de um tri­lhão de re­ais em ju­ros e per­das cam­bi­ais.

Os go­ver­nan­tes que­rem am­pli­ar a es­fe­ra de atu­a­ção, cri­am uni­da­des, em­pre­gam mi­lha­res de pes­so­as pa­ra ro­ti­nas ine­fi­ci­en­tes de con­tro­le, e os de­so­nes­tos pro­cu­ram ti­rar van­ta­gem ven­den­do fa­ci­li­da­des.  Es­ban­jam e des­vi­am o di­nhei­ro. As­su­mem dí­vi­das enor­mes pa­ra o pre­sen­te e o fu­tu­ro. O en­di­vi­da­men­to pú­bli­co do Bra­sil al­can­çou em ju­nho de 2018 o mon­tan­te de R$ 5,186 tri­lhões, ou 77% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to. O des­con­tro­le re­pre­sen­ta o gran­de nó das es­tru­tu­ras per­du­lá­ri­as dos go­ver­nos. Nos EUA, que pri­ma por con­tro­le dos gas­tos, até se­tem­bro o dé­fi­cit foi de US$ 779 bi­lhões.

O des­con­ten­ta­men­to com a for­ma co­mo o Bra­sil vem sen­do go­ver­nan­do há dé­ca­das ge­rou uma gran­de vi­ra­da. A in­dig­na­ção se so­bre­pôs ao tor­por, re­ve­lan­do as ma­no­bras em­pre­ga­das pa­ra ma­ni­pu­la­ção. Não só a ges­tão cor­rup­ta dos úl­ti­mos 13 anos com a apa­rên­cia de vi­sar à me­lho­ra das con­di­ções, mas to­do o his­tó­ri­co da re­pú­bli­ca ates­ta o des­ca­so com a po­pu­la­ção, seu des­pre­pa­ro e pi­o­ra da qua­li­da­de de vi­da. Há uma en­cru­zi­lha­da, uma mu­dan­ça de ru­mo, mas a ba­ga­gem dos er­ros e a re­a­ção de in­te­res­ses pes­so­ais fe­ri­dos pe­sam, ge­ran­do tur­bu­lên­cias.

Já ti­ve­mos no Bra­sil mui­tos pla­nos que não de­ram cer­to. Cru­za­do, Ta­bli­ta, Con­fis­co, Re­al com dó­lar fi­xo. Mas a eco­no­mia pre­ci­sa de na­tu­ra­li­da­de pa­ra que os agen­tes pos­sam pro­du­zir, ge­rar tra­ba­lho e con­su­mo, o que re­quer me­nos Es­ta­do, me­nos mo­no­pó­li­os, me­lhor pre­pa­ro dos jo­vens. Ima­gi­ne um tra­ba­lho que ren­des­se R$ 40 por ho­ra e pas­sas­se a ser fei­to no ex­te­ri­or por R$ 4; is­so eli­mi­na mui­tas ati­vi­da­des in­ter­nas acar­re­tan­do a pre­ca­ri­za­ção ge­ral que não se sa­be até on­de vai. Is­so é um pro­ble­ma que tem de ser re­sol­vi­do, pois do con­trá­rio, na eco­no­mia 4.0, a hu­ma­ni­da­de po­de­rá re­gre­dir aos tem­pos da pri­mei­ra Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, quan­do a mão de obra sa­í­da do cam­po ti­nha que tra­ba­lhar 15 ho­ras pa­ra ter uma exis­tên­cia pés­si­ma.

En­fren­ta­mos a cri­se mun­di­al de pre­ca­ri­za­ção. Di­nhei­ro cur­to, pou­co tem­po pa­ra la­zer e au­to­a­pri­mo­ra­men­to. Os go­ver­nan­tes ou pro­du­zem in­fla­ção, ou ma­ni­pu­lam o câm­bio com ju­ros ele­va­dos, en­di­vi­dan­do o pa­ís, hi­po­te­can­do o pre­sen­te e o fu­tu­ro. A hu­ma­ni­da­de se de­fron­ta com gra­ves de­sa­fi­os. É pre­ci­so edu­car não só com as téc­ni­cas pa­ra pro­du­zir. O ho­mem tem de en­ten­der a vi­da e sa­ber qual a sua po­si­ção no pla­ne­ta.

A na­tu­re­za es­tá dan­do seu re­ca­do atra­vés das ca­tás­tro­fes. O ho­mem quis se so­bre­por a ela, do­mi­ná-la pa­ra fa­zer di­nhei­ro. Mas so­mos par­te da na­tu­re­za e des­tru­in­do-a, não res­pei­tan­do seus me­ca­nis­mos, es­ta­mos agin­do con­tra a hu­ma­ni­da­de, o que não de­ve ser pre­tex­to pa­ra im­plan­tar um go­ver­no mun­di­al que res­trin­ja a li­ber­da­de. De­ve-se in­clu­ir a na­tu­re­za na edu­ca­ção in­fan­til. Gran­de par­te da ma­dei­ra no­bre ori­un­da de 20% da des­tru­i­ção da flo­res­ta ama­zô­ni­ca foi con­tra­ban­de­a­da pa­ra fo­ra.

No Bra­sil, fre­quen­te­men­te ocor­rem in­vas­ões. Um pro­ble­ma gra­ve, que se ar­ras­ta há anos sem um pla­no de ca­rá­ter na­ci­o­nal, en­vol­ven­do o go­ver­no fe­de­ral, es­ta­dos e mu­ni­cí­pios, que im­pe­ça a de­gra­da­ção das ci­da­des e pre­ca­ri­za­ção ge­ral das mo­ra­di­as. En­quan­to na­da vai sen­do fei­to, as ocu­pa­ções ir­re­gu­la­res au­men­tam nas mais pre­cá­rias con­di­ções. Se há ele­va­do nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos, as pre­fei­tu­ras po­de­ri­am in­cen­ti­var as hor­tas co­mu­ni­tá­rias em tan­tas pra­ças e ter­re­nos mal cui­da­dos. Ati­vi­da­des be­né­fi­cas e ali­men­tos se­ri­am a re­sul­tan­te des­se es­for­ço.

Des­de lon­ga da­ta há mui­tas pro­fe­cias so­bre o Bra­sil co­mo pon­to de an­co­ra­gem da Luz, e vi­da pa­cí­fi­ca. Is­so im­pu­nha que os se­res hu­ma­nos an­si­as­sem pe­lo bem co­mo con­di­ção pa­ra que a Luz be­ne­fi­cia­do­ra fos­se atra­í­da. Com o ape­go ao ma­te­ri­a­lis­mo, as tre­vas eri­gi­ram uma mu­ra­lha es­cu­ra na Ter­ra que ago­ra de­ve­rá ser rom­pi­da pe­la au­men­ta­da for­ça da Luz. Ha­ja se­ri­e­da­de e hu­mil­da­de es­pi­ri­tual.

 

(Be­ne­dic­to Is­ma­el Ca­mar­go Du­tra é gra­du­a­do pe­la Fa­cul­da­de de Eco­no­mia e Ad­mi­nis­tra­ção da USP, faz par­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Pro­digy Ber­ri­ni Grand Ho­tel, é ar­ti­cu­lis­ta co­la­bo­ra­dor de jor­nais e re­a­li­za pa­les­tras so­bre te­mas li­ga­dos à qua­li­da­de de vi­da. Co­or­de­na os si­tes www.vi­da­e­a­pren­di­za­do.com.br e www.li­brary.com.br. É au­tor dos li­vros: “No­la – o ma­nus­cri­to que aba­lou o mun­do”;“2012…e de­pois?”;“De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no”; “O Ho­mem Sá­bio e os Jo­vens”; “A tra­je­tó­ria do ser hu­ma­no na Ter­ra – em bus­ca da ver­da­de e da fe­li­ci­da­de”; e “O se­gre­do de Darwin – Uma aven­tu­ra em bus­ca da ori­gem da vi­da”(Ma­dras Edi­to­ra).  E-mail: bic­du­[email protected]­brary.com.br; Twit­ter: @bi­du­tra7)

 

Comentários