Opinião

Ensaio sobre a criação do espaço

diario da manha

A cri­a­ção do es­pa­ço pa­ra a aco­mo­da­ção do uni­ver­so, até o pon­to em que al­can­ça o nos­so co­nhe­ci­men­to, re­mon­ta à ideia de con­cep­ção do pró­prio uni­ver­so e do que ne­le se in­se­re.  Lo­go nos vêm as per­gun­tas: o que ha­via an­tes do es­pa­ço? Ape­nas uma abs­tra­ção (ideia) pa­ra a cri­a­ção do mes­mo? Sen­do as­sim, es­ta ideia es­ta­ria alo­ca­da on­de? Em al­gum me­ta­fí­si­co cé­re­bro oni­po­ten­te e onis­ci­en­te? E qual se­ria o seu pro­pó­si­to? Per­gun­tas que os li­mi­tes ra­ci­o­nais e es­pa­cia­is da in­te­li­gên­cia hu­ma­na não res­pon­de­ram até o mo­men­to.

Se­gun­do os mo­der­nos co­nhe­ci­men­tos fí­si­cos e as­tro­nô­mi­cos, con­co­mi­tan­te­men­te à ori­gem do es­pa­ço, cri­ou-se o tem­po. Es­te, tam­bém, re­co­nhe­ci­do por mui­tos ci­en­tis­tas co­mo uma me­ra abs­tra­ção. Na ver­da­de, o que exis­ti­ria de fa­to é tão so­men­te o lu­gar (es­pa­ço) em que as coi­sas evo­lu­em em ci­clos, à se­me­lhan­ça de uma pe­ça te­a­tral, on­de ce­ná­rio e ato­res são sub­sti­tu­í­dos de tem­pos em tem­pos.

As­sim co­mo um es­cri­tor ima­gi­na o am­bi­en­te em que vai de­sen­vol­ver a sua es­tó­ria, tam­bém o fez a ima­gi­na­ção des­te es­plen­do­ro­so cé­re­bro oni­po­ten­te e onis­ci­en­te. Se tal cé­re­bro ca­rac­te­ri­za-se pe­los atri­bu­tos re­fe­ri­dos, sua su­pre­ma­cia es­ta­ria em to­do lu­gar, lo­go o abar­can­do, sen­do, des­ta fei­ta, o pró­prio es­pa­ço, o uni­ver­so ne­le sub­ja­cen­te, bem co­mo o de­ten­tor de to­do co­nhe­ci­men­to pos­sí­vel. Mas a par­tir des­ta óti­ca, te­rí­a­mos de aden­trar os cam­pos me­ta­fí­si­co, fi­lo­só­fi­co e re­li­gi­o­so, o que de­man­da­ria ou­tras ver­ten­tes, as qua­is não é o pro­pó­si­to des­te en­saio.

Se­gun­do a te­o­ria do Big Bang, o es­pa­ço si­de­ral te­ria si­do cri­a­do, con­co­mi­tan­te­men­te ao tem­po, a par­tir de uma des­co­mu­nal ex­plo­são, em um pon­to mí­ni­mo de den­si­da­de ab­so­lu­ta e gra­vi­da­de ze­ro, e con­ti­nua a se ex­pan­dir. Por­tan­to, ain­da es­tá sen­do cri­a­do, vis­to que se ex­pan­de con­ti­nua­men­te. Se is­to de fa­to ocor­re, as for­ças que o ex­pan­dem de­vem ser ex­tra­or­di­na­ria­men­te po­de­ro­sas ao pon­to de em­pur­ra­rem os gri­lhões (Se­ri­am os gri­lhões da ima­gi­na­ção do me­ga cé­re­bro?)  que de­li­mi­tam o pró­prio es­pa­ço. Mas, a par­tir de tais con­jec­tu­ras, de­duz-se que che­ga­rá o tem­po em que es­tas for­ças se ar­re­fe­ce­rão, o mo­vi­men­to ces­sa­rá e tu­do fi­ca­rá es­tá­ti­co, pre­so den­tro de seus li­mi­tes, is­to é, em uma bo­lha de­fi­ni­ti­va. As­sim, é de se pen­sar que ou­tros uni­ver­sos, em ou­tras di­men­sões, es­te­jam evo­lu­in­do (ou es­tá­ti­cos em bo­lhas) pe­lo mes­mo pro­ces­so de for­ma­ção.

Em es­ca­las me­no­res, fo­ram sen­do cri­a­dos ou­tros es­pa­ços pa­ra a aco­mo­da­ção do que sur­giu com a evo­lu­ção ex­pan­sio­nis­ta do Big Bang. Mi­lha­res de ga­lá­xi­as, sóis, bu­ra­cos ne­gros, cons­te­la­ções, sa­té­li­tes, pla­ne­tas e de­mais as­tros ocu­pam o es­pa­ço-mor, mas con­fi­gu­ram e abar­cam, por sua vez, es­pa­ços se­cun­dá­rios on­de ener­gia e ma­té­ria se in­te­ra­gem.

En­tre os pla­ne­tas, a Ter­ra é a nos­sa ca­sa, is­to é, o es­pa­ço em que os com­po­nen­tes da na­tu­re­za re­si­dem, en­tre eles se­res vi­vos dos rei­nos ani­mal e ve­ge­tal. Sem des­car­tar o rei­no mi­ne­ral, com seus cur­sos de águas flu­vi­ais e oce­â­ni­cas, mon­ta­nhas e cor­di­lhei­ras etc, es­pa­ços con­ten­do as com­po­si­ções ge­o­ló­gi­cas fun­da­men­tais pa­ra que se­res dos ou­tros rei­nos pros­pe­rem. Pa­ra aco­mo­dar os ma­res, hou­ve ne­ces­si­da­de das de­pres­sões abai­xo do ní­vel da ter­ra, sen­do as águas oce­â­ni­cas o lu­gar per­fei­to pa­ra vi­ce­jar to­da flo­ra e fau­na ma­ri­nha. Em uma ca­vi­da­de de uma es­car­pa no pi­co de uma mon­ta­nha, aco­mo­da­da no es­pa­ço do seu ni­nho, a ave de ra­pi­na ob­ser­va a vas­ti­dão da pla­ní­cie, pa­ra cap­tu­rar a pre­sa cu­jas vís­ce­ras pre­en­che­rão o fa­min­to es­pa­ço es­to­ma­cal dos seus fi­lho­tes.

Nos­so pla­ne­ta é ver­da­dei­ra­men­te um úte­ro abas­te­ci­do dos nu­tri­en­tes pri­mor­di­ais pa­ra que a vi­da ne­le pros­pe­re. Por ou­tro la­do, úte­ros me­no­res, de vá­ri­as es­pé­ci­es de ani­mais (e de al­gu­mas plan­tas) de­sen­vol­ve­ram nos seus es­pa­ços di­ver­sas for­mas de vi­da, que se mul­ti­pli­ca­ram. Cou­be, en­tre tan­tos, a um es­pa­ço sa­gra­do, o úte­ro da mu­lher, o lu­gar on­de, ter­na­men­te, nós, se­res hu­ma­nos, ra­ci­o­nais, fôs­se­mos ge­ra­dos. Uma vez for­ma­do, no cor­po hu­ma­no de­sen­vol­ve­ram-se os es­pa­ços in­ter­nos pa­ra a aco­mo­da­ção dos ór­gã­os vi­tais que, por sua vez, tem os seus pró­prios es­pa­ços. No es­pa­ço cra­nia­no, re­i­na o cé­re­bro; no es­pa­ço sen­so­rial, a al­ma.

É co­mum a lu­ta por es­pa­ço em uma so­ci­e­da­de com­pe­ti­ti­va, on­de a ba­ta­lha pe­la so­bre­vi­vên­cia é fer­re­nha. Com efei­to, é pre­ci­so, mes­mo a du­ras pe­nas, cri­ar o nos­so es­pa­ço, tan­to so­ci­al­men­te quan­to nos cam­pos afe­ti­vo, pro­fis­si­o­nal e cul­tu­ral. Po­rém, sem a de­mo­cra­ti­za­ção das opor­tu­ni­da­des e mei­os de re­a­li­za­ção in­di­vi­dual e co­le­ti­va, o que tan­to con­tri­bui pa­ra a har­mo­nia so­ci­al, ou­tros es­pa­ços in­de­se­ja­dos fo­ram sur­gin­do pa­ra que ne­les se “abri­gas­sem” os mar­gi­na­li­za­dos, os ex­cluí­dos eco­nô­mi­co e so­ci­al­men­te, hor­das de de­sam­pa­ra­dos, cri­mi­no­sos, de­pen­den­tes quí­mi­cos etc. En­fim, es­pa­ços es­tes ge­ra­dos pe­la in­cú­ria do pró­prio ho­mem, ne­gli­gen­te na efe­ti­va­ção de es­pa­ços hu­ma­ni­tá­rios, on­de se de­sen­vol­ve po­si­ti­va­men­te o in­di­ví­duo e a so­ci­e­da­de.

Al­guns ho­mens, cu­jos po­de­res são ou­tor­ga­dos por ou­tros ho­mens, vão ocu­par es­pa­ços po­lí­ti­cos pri­mor­di­ais pa­ra que os re­pre­sen­ta­dos te­nham ci­da­da­nia e me­lhor qua­li­da­de de vi­da. Nos cé­re­bros de­ci­si­vos dos go­ver­nan­tes, si­nap­ses cru­zam-se fre­ne­ti­ca­men­te, em de­ci­sões es­sen­ci­ais pa­ra que os re­pre­sen­ta­dos con­quis­tem os seus es­pa­ços. Is­to quan­do o pen­sa­men­to de­les é di­re­cio­na­do pa­ra o bem, ca­so con­trá­rio, o re­sul­ta­do se­rá ne­fas­to aos an­sei­os le­gí­ti­mos do in­di­ví­duo e da so­ci­e­da­de. As­sim, no es­pa­ço do pen­sa­men­to de al­guns po­de es­tar o des­ti­no de mui­tos ho­mens, as­sim co­mo o do pla­ne­ta on­de ha­bi­ta­mos.

Quan­do al­guém, no au­ge da ir­ri­ta­ção diz: Ora vá ver se es­tou na es­qui­na! Ou quan­do se tem a im­pres­são de que já es­te­ve em ou­tro lu­gar, em ou­tro tem­po, são pos­si­vel­men­te va­ri­a­ções men­tais da di­men­são es­pa­ço/tem­po. Ora, nin­guém ou qual­quer ob­je­to po­de es­tar em dois lu­ga­res ao mes­mo tem­po, ca­so is­to ocor­ra es­ta­rá fo­ra da per­cep­ção hu­ma­na. Mas a ci­ên­cia de­bru­ça-se so­bre a fi­lo­so­fia epis­te­mo­ló­gi­ca no in­tui­to de des­ven­dar ou­tros es­pa­ços até en­tão des­co­nhe­ci­dos, mes­mo em di­men­sões me­ta­fí­si­cas, o que em mui­to con­tri­bu­i­ria pa­ra a re­de­fi­ni­ção de seus ru­mos, bem co­mo da cos­mo­vi­são hu­ma­na e do seu des­ti­no fi­nal.

O ho­mem é o úni­co ani­mal que, em ple­na con­sci­ên­cia, ten­ta con­quis­tar o seu es­pa­ço (ga­nhar a vi­da) ca­mi­nhan­do ine­xo­ra­vel­men­te pa­ra a mor­te. O des­ti­no tran­scen­den­tal, se é que exis­te, de­ve in­se­rir-se, com efei­to, num es­pa­ço me­ta­fí­si­co até en­tão des­co­nhe­ci­do e te­mi­do pe­lo ho­mem.  Es­te, ape­sar de ra­ci­o­nal, tem co­mo uma das su­as prin­ci­pa­is am­bi­ções, no cam­po tem­po­ral, ad­qui­rir es­pa­ços pom­po­sos ou ex­ten­sos, co­mo por exem­plo, man­sões e fa­zen­das. Po­rém, num áti­mo, tu­do cai por ter­ra… To­dos os seus de­se­jos e pro­je­tos são in­ter­rom­pi­dos quan­do, in­vo­lun­ta­ria­men­te, vê-se (Se­rá?) alo­ca­do em exí­guo es­pa­ço sob a ter­ra, mas o bas­tan­te pa­ra o re­co­lher ao eter­no e me­re­ci­do re­pou­so.

 

(Jo­a­quim de Aze­ve­do Ma­cha­do, pro­fes­sor/es­cri­tor/po­e­ta – ja­ze­ve­[email protected]­mail.com.br)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais

26 de outubro de 2018 as 20:42

Desesperado, Haddad apela