diario da manha

Os pro­gra­mas exis­ten­tes no mar­co le­gal bra­si­lei­ro pa­ra fo­men­tar os pro­je­tos de Pes­qui­sa & De­sen­vol­vi­men­to (P&D) são va­ri­a­dos: des­de in­cen­ti­vos fis­cais fe­de­ra­is no âm­bi­to glo­bal e se­to­ri­al – tais co­mo Lei do Bem, Lei de In­for­má­ti­ca, Ro­ta 2030, en­tre ou­tros -, até in­cen­ti­vos mu­ni­ci­pa­is ou me­ca­nis­mos de fi­nan­cia­men­to pú­bli­co di­ver­sos, tan­to fe­de­ra­is quan­to es­ta­du­ais. Nos úl­ti­mos dois anos de go­ver­no, vá­rios des­ses me­ca­nis­mos fo­ram al­vo de ques­ti­o­na­men­to, por mo­ti­vos dis­tin­tos.

Den­tro des­ta di­nâ­mi­ca, des­ta­ca-se a ini­ci­a­ti­va do Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer em mar­ço de 2017 re­la­ci­o­na­da ao in­cen­ti­vo de mai­or al­can­ce exis­ten­te: a Lei do Bem. Vá­ri­as en­ti­da­des de clas­se fo­ram de­sa­fi­a­das a ana­li­sar o atu­al mar­co da Lei do Bem, de mo­do a apre­sen­tar pro­pos­tas de apri­mo­ra­men­to des­sa le­gis­la­ção pa­ra am­pli­fi­car seu im­pac­to na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Tal mo­vi­men­to foi re­ce­bi­do com gran­de en­tu­si­as­mo por to­dos os ti­pos de en­ti­da­des en­vol­vi­das -mi­nis­té­ri­os, as­so­cia­ções, con­fe­de­ra­ções, em­pre­sas ou ins­ti­tu­tos, en­tre ou­tras -, ini­ci­an­do in­ten­sas ta­re­fas pa­ra aten­der a opor­tu­ni­da­de apre­sen­ta­da. To­das che­ga­ram a um con­sen­so dos prin­ci­pa­is mo­ti­vos da fal­ta do im­pac­to es­pe­ra­do do in­cen­ti­vo, ha­ven­do una­ni­mi­da­de em uma de­les: a ne­ces­si­da­de de ter um re­sul­ta­do fis­cal po­si­ti­vo a ca­da ano pa­ra usu­fru­ir do in­cen­ti­vo. In­fe­liz­men­te, tais ini­ci­a­ti­vas fo­ram pa­ra­li­sa­das na Ca­sa Ci­vil e não hou­ve ne­nhu­ma ini­ci­a­ti­va po­lí­ti­ca pos­te­ri­or pa­ra au­xi­li­ar na ace­le­ra­ção des­te te­ma ca­pi­tal.

Ain­da du­ran­te es­se pe­rí­o­do, e pa­ra es­se mes­mo in­cen­ti­vo, foi or­ga­ni­za­do em de­zem­bro de 2016 um even­to pe­la CA­PES, MCTIC, MDIC e CNI, en­tre ou­tros, com o in­tui­to de re­gu­la­men­tar em um dos ar­ti­gos exis­ten­te na Lei do Bem em que es­ta­vam de­po­si­ta­das gran­des ex­pec­ta­ti­vas pa­ra a co­o­pe­ra­ção pú­bli­co-pri­va­da em pro­je­tos de P&D: o ar­ti­go 19A. O ar­ti­go per­mi­te que as em­pre­sas que te­nham gas­to em par­ce­rias com ICT (Ins­ti­tu­tos de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia) te­nham di­rei­to a um in­cen­ti­vo adi­cio­nal, que po­de che­gar a re­du­zir o va­lor gas­to com a ICT até 85%. Ape­sar da óti­ma ini­ci­a­ti­va tra­zi­da em Lei, a bu­ro­cra­cia pos­te­ri­or e a fal­ta de ali­nha­men­to na re­gu­la­men­ta­ção fez com que es­se in­cen­ti­vo não te­nha uma apli­ca­ção re­al. Tal re­gu­la­men­ta­ção adi­cio­nal ain­da não de­fi­ni­da é con­si­de­ra­da pe­las em­pre­sas des­ne­ces­sá­ria, sen­do que a pró­pria Lei do Bem já pre­vê “bu­ro­cra­cia” su­fi­ci­en­te pa­ra o uso do in­cen­ti­vo que, além, aten­de­ria per­fei­ta­men­te ao es­co­po al­vo des­te ar­ti­go.

Quan­to aos in­cen­ti­vos se­to­ri­ais, al­guns co­mo a Lei de In­for­má­ti­ca ou Ino­var Au­to so­fre­ram ques­ti­o­na­men­tos por par­te da OMC (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio), de­man­dan­do uma re­vi­são no for­ma­to de apro­vei­ta­men­to e de fun­cio­na­men­to des­ses. Por exem­plo, o Ino­var Au­to já evo­lu­iu a ou­tra ver­são de­no­mi­na­da Ro­ta 2030, tra­zen­do al­gu­mas al­te­ra­ções (com os seus pon­tos a fa­vor e con­tra), mas que foi tra­mi­ta­da via Me­di­da Pro­vi­só­ria. As­sim, fi­ca a dú­vi­da se, com a che­ga­da da no­va ges­tão, tal MP se­rá fa­vo­rá­vel no no­vo go­ver­no ou até mes­mo se se­rá le­va­da pa­ra vo­ta­ção.

A ex­po­si­ção de to­dos es­ses fa­tos traz às em­pre­sas e ou­tros agen­tes en­vol­vi­dos as re­fle­xões a se­guir: se­rá que o pró­xi­mo go­ver­no da­rá con­ti­nui­da­de a es­sas ini­ci­a­ti­vas? Te­re­mos um go­ver­no que en­ten­da a im­por­tân­cia das ações de in­cen­ti­vo pa­ra me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de das em­pre­sas e da­rá a de­vi­da aten­ção a elas? Ou sim­ples­men­te as dei­xa­rão “su­mir” com o pro­pó­si­to de aten­der a ar­re­ca­da­ção de cai­xa em cur­to pra­zo ao in­vés de pen­sar em lon­go pra­zo? Em meu pon­to de vis­ta, es­pe­ro que o pró­xi­mo go­ver­nan­te, se­ja quem for, dê con­ti­nui­da­de a tais ações, na am­bi­ção de ge­rar um te­ci­do em­pre­sa­ri­al no Bra­sil al­ta­men­te com­pe­ti­ti­vo em ní­vel mun­di­al, pois é re­co­nhe­ci­da a re­le­vân­cia de­mons­tra­da em di­ver­sos es­tu­dos, tan­to na­ci­o­nais co­mo ex­ter­nos, das po­lí­ti­cas pú­bli­cas de fo­men­to à ino­va­ção co­mo im­pul­so­ras dos in­ves­ti­men­tos nes­se cam­po que, por sua vez, é o prin­ci­pal mo­ti­vo de me­lho­ria da com­pe­ti­ti­vi­da­de nas em­pre­sas.

 

(Fe­li­ci­a­no Al­da­za­bal, ge­ren­te de Pro­du­tos e Ser­vi­ços da F. Ini­ci­a­ti­vas, con­sul­to­ria es­pe­cia­li­za­da na ges­tão de in­cen­ti­vos fis­cais e fi­nan­cia­men­to à Pes­qui­sa & De­sen­vol­vi­men­to (P&D))

Comentários