diario da manha

Con­du­zi­ram-no pri­mei­ra­men­te a Anás, por ser so­gro de Cai­fás, que era o Su­mo Sa­cer­do­te na­que­le ano. En­tão Anás o en­viou ma­ni­e­ta­do a Cai­fás, o Su­mo Sa­cer­do­te. Cai­fás era quem ti­nha da­do aos ju­deus es­te con­se­lho: “É con­ve­nien­te que um só ho­mem mor­ra pe­lo po­vo”. (Evan­ge­lho de Jo­ão, cap. 18, vv. 13, 14 e 24).

 

Je­sus na ca­sa do Su­mo sa­cer­do­te Cai­fás

 E os que pren­de­ram a Je­sus o le­va­ram à ca­sa do Su­mo Sa­cer­do­te Cai­fás, on­de to­dos os prin­ci­pa­is sa­cer­do­tes, os es­cri­bas e os an­ci­ã­os es­ta­vam re­u­ni­dos.

Si­mão Pe­dro e ou­tro dis­cí­pu­lo se­gui­am a Je­sus de lon­ge até den­tro do pá­tio do Su­mo Sa­cer­do­te. Es­se dis­cí­pu­lo era co­nhe­ci­do do Su­mo Sa­cer­do­te e en­trou com Je­sus no pá­tio do Su­mo Sa­cer­do­te. Pe­dro fi­cou de fo­ra, jun­to à por­ta. Saiu en­tão o ou­tro dis­cí­pu­lo, o co­nhe­ci­do do Su­mo Sa­cer­do­te, e fa­lou com a por­tei­ra e le­vou Pe­dro pa­ra den­tro. E en­tran­do aí, sen­tou-se com os cri­a­dos, aque­cen­do-se jun­to ao fo­go, pa­ra ver o fim. (Evan­ge­lhos de: Ma­teus, cap. 26, vv. 57 e 58 – Mar­cos, cap. 14, vv. 53 e 54 – Lu­cas, cap. 22, v. 54 – Jo­ão, cap. 18, vv. 15 e 16).

 

Je­sus in­ter­ro­ga­do por Cai­fás

En­tão o Su­mo Sa­cer­do­te in­ter­ro­gou Je­sus a res­pei­to de seus dis­cí­pu­los e de sua dou­tri­na. Je­sus lhe res­pon­deu:

“Eu fa­lei aber­ta­men­te ao mun­do. Sem­pre en­si­nei na si­na­go­ga e no Tem­plo, on­de to­dos os ju­deus se reú­nem. Na­da fa­lei às es­con­di­das. Por que me in­ter­ro­gas? Per­gun­ta aos que ou­vi­ram o que lhes fa­lei, pois sa­bem o que eu dis­se”.

Di­zen­do ele is­to, um dos guar­das que ali es­ta­vam, deu uma bo­fe­ta­da em Je­sus, di­zen­do: “As­sim res­pon­des ao Su­mo Sa­cer­do­te?”

Res­pon­deu-lhe Je­sus: “Se fa­lei mal, tes­ti­fi­ca so­bre o mal; mas, se fa­lei bem, por que me ba­tes?” (Evan­ge­lho de Jo­ão, cap. 18, vv. 19 a 23).

 

De­pois de ser pre­so, Je­sus foi con­du­zi­do pri­mei­ra­men­te à pre­sen­ça de Anás, que não era Su­mo Sa­cer­do­te de fa­to, mas por di­rei­to, por­que o car­go de Su­mo Sa­cer­do­te era vi­ta­lí­cio a não ser que fos­se de­pos­to por ra­zões po­lí­ti­cas. Por is­so, fa­la-se em Su­mos Sa­cer­do­tes. O Su­mo Sa­cer­do­te da­que­le ano, ou se­ja, de fa­to, era Cai­fás, gen­ro de Anás.

O no­me Su­mo Sa­cer­do­te vem do he­brai­co gui­ta. O Su­mo Sa­cer­do­te era o prin­ci­pal dos sa­cer­do­tes, a mais al­ta au­to­ri­da­de re­li­gi­o­sa e po­lí­ti­ca do pa­ís, além de ser o pre­si­den­te do Si­né­drio. De acor­do com a tra­di­ção, so­men­te os des­cen­den­tes de Arão, ir­mão de Moi­sés, po­de­ri­am ocu­par o car­go de Su­mo Sa­cer­do­te, mas, pos­te­rior­men­te, es­sa tra­di­ção foi abo­li­da por in­te­res­ses po­lí­ti­cos.

A pa­la­vra Anás é de­ri­va­da de Ana­ni­as; no he­brai­co sig­ni­fi­ca “pro­te­gi­do por Yahweh”. Anás era fi­lho de Se­te, o seu gen­ro Cai­fás e seus cin­co fi­lhos ocu­pa­ram o ofí­cio de Su­mo Sa­cer­do­te. Ele foi no­me­a­do por Qui­ri­no, go­ver­na­dor da Sí­ria. Anás ela lí­der in­flu­en­te en­tre os ju­deus por ter si­do Su­mo Sa­cer­do­te de 6 a 17 d.C., quan­do foi des­ti­tu­í­do pe­los ro­ma­nos. Quan­do Je­sus, aos do­ze anos, es­te­ve no Tem­plo de Je­ru­sa­lém, Anás era o Su­mo Sa­cer­do­te. Anás ti­nha gran­de in­flu­ên­cia so­bre o gen­ro, que, cer­ta­men­te, al­can­çou o mais al­to car­go gra­ças à sua in­ter­ces­são. Anás e Cai­fás fo­ram os men­to­res in­te­lec­tu­ais da pri­são e da con­de­na­ção de Je­sus.

Não se sa­be co­mo foi o en­con­tro de Je­sus com Anás. So­men­te o Evan­ge­lho de Jo­ão nar­ra es­se epi­só­dio por­que Jo­ão e Pe­dro acom­pa­nha­ram os pas­sos de Je­sus de­pois da pri­são no hor­to de Get­sê­ma­ni.

Ain­da com as mãos amar­ra­das, o Mes­tre foi con­du­zi­do à pre­sen­ça de Cai­fás, que ha­via di­to aos ju­deus que era me­lhor a mor­te de Je­sus pa­ra sal­var o po­vo de sua in­flu­ên­cia.

Na ca­sa do Su­mo Sa­cer­do­te Cai­fás es­ta­vam as prin­ci­pa­is au­to­ri­da­des ju­dai­cas à es­pe­ra de Je­sus: os prin­ci­pa­is sa­cer­do­tes, os es­cri­bas e os an­ci­ã­os. De­ve­ria ser iní­cio da ma­dru­ga­da de sex­ta-fei­ra.

Cai­fás, ou Jo­sé Cai­fás, do gre­go sig­ni­fi­ca “de­pres­são”, foi no­me­a­do pe­lo pro­côn­sul ro­ma­no Va­le­ri­us Gra­tus e de­mi­ti­do pe­lo pro­côn­sul Vi­tel­li­us. Era sa­du­ceu e por is­to era con­trá­rio aos en­si­nos da res­sur­rei­ção e da imor­ta­li­da­de da al­ma.

É pro­vá­vel que ape­nas Pe­dro e Jo­ão se­gui­ram os pas­sos de Je­sus de­pois do epi­só­dio de Get­sê­ma­ni.

A nar­ra­ti­va re­ve­la que ou­tro dis­cí­pu­lo es­ta­va com Pe­dro e era co­nhe­ci­do do Su­mo Sa­cer­do­te Cai­fás. A tra­di­ção con­si­de­ra que es­se dis­cí­pu­lo anô­ni­mo foi o após­to­lo Jo­ão de­vi­do ao de­ta­lhe de sua nar­ra­ti­va quan­to ao en­con­tro com Anás e Cai­fás.

Não se sa­be que ti­po de re­la­ção exis­tiu en­tre Jo­ão e Cai­fás. Sen­do Jo­ão um pes­ca­dor, mas vol­ta­do à vi­da re­li­gi­o­sa des­de quan­do fo­ra dis­cí­pu­lo de Jo­ão Ba­tis­ta, é pro­vá­vel que tam­bém te­nha si­do co­nhe­ci­do por al­guns mem­bros da co­mu­ni­da­de ju­dai­ca des­de o tem­po em que Je­sus fa­la­va nas si­na­go­gas e pre­ga­va li­vre­men­te no Tem­plo de Je­ru­sa­lém.

Jo­ão era co­nhe­ci­do e não ami­go do Su­mo Sa­cer­do­te, mas era res­pei­ta­do por seus as­ses­so­res por­que, num mo­men­to sin­gu­lar, te­ve li­vre aces­so ao pa­lá­cio de Cai­fás, o que não ocor­re­ra com Pe­dro, que so­men­te en­trou no Pa­lá­cio de­pois que Jo­ão con­ver­sou com a por­tei­ra.

Pe­dro fi­cou no pá­tio e sen­tou-se com os ser­vi­çais, jun­to a uma fo­guei­ra, pa­ra to­mar co­nhe­ci­men­to do que ocor­re­ria a Je­sus. Jo­ão fi­cou na sa­la on­de se en­con­tra­va Je­sus por­que foi o úni­co a nar­rar o in­ter­ro­ga­tó­rio de Cai­fás.

No pá­tio Pe­dro se­ria re­co­nhe­ci­do co­mo dis­cí­pu­lo de Je­sus e ne­ga­ria es­sa con­di­ção, con­for­me pro­fe­ti­zou o Mes­tre.

Ao ser in­ter­ro­ga­do por Cai­fás a res­pei­to de sua dou­tri­na e de seus se­gui­do­res, o Mes­tre ar­gu­men­tou que to­dos os seus en­si­na­men­tos fo­ram di­tos pu­bli­ca­men­te, na­da era se­gre­do. Que a per­gun­ta fos­se di­ri­gi­da aos que o ou­vi­ram na si­na­go­ga e no Tem­plo, on­de to­dos os ju­deus se reú­nem.

Je­sus foi agre­di­do por não res­pon­der di­re­ta­men­te a per­gun­ta do Su­mo Sa­cer­do­te. Di­an­te da agres­são, o Mes­tre ar­gu­men­tou com sa­be­do­ria: “Se fa­lei mal, tes­ti­fi­ca so­bre o mal; mas, se fa­lei bem, por que me ba­tes?” Je­sus sa­bia que tu­do que dis­ses­se não mu­da­ria o ve­re­dic­to an­te­ci­pa­do do Su­mo Sa­cer­do­te. Afi­nal, nes­ses ca­sos, na­da adi­an­ta ten­tar con­ven­cer os que já têm opi­ni­ão fir­ma­da a res­pei­to da prá­ti­ca da in­jus­ti­ça.

Em­bo­ra o im­pé­rio ro­ma­no te­nha pro­fe­ri­do a exe­cu­ção de Je­sus, as per­se­gui­ções que o Mes­tre so­freu ti­ve­ram o seu iní­cio com as ar­ti­cu­la­ções dos Su­mos Sa­cer­do­tes e seus se­gui­do­res. O que de­mons­tra que no tem­po de Je­sus e des­de os tem­pos ime­mo­ri­ais o po­der re­li­gi­o­so in­ter­fe­riu no Es­ta­do pa­ra a to­ma­da das de­ci­sões gra­ves na His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de. Em al­guns mo­men­tos, as or­ga­ni­za­ções re­li­gi­o­sas co­la­bo­ra­ram pa­ra o equi­lí­brio so­ci­al, mas na mai­o­ria dos ca­sos fo­men­ta­ram guer­ras pa­ra a ma­nu­ten­ção do po­der re­li­gi­o­so so­bre o Es­ta­do. Po­der re­li­gi­o­so so­nha­do por Ju­das Is­ca­ri­o­tes, mas que não lo­grou êxi­to por­que “não se põe vi­nho no­vo em odres ve­lhos” (Ma­teus 9:17).

A Dou­tri­na de Je­sus não co­a­du­na com os in­te­res­ses do po­der tem­po­ral, mas es­pe­ra que to­dos os po­vos es­te­jam em har­mo­nia com os de­síg­nios de Deus. O Es­ta­do que des­res­pei­tar a Lei de Jus­ti­ça, Amor e Ca­ri­da­de te­rá de re­ver su­as di­re­tri­zes, além de so­frer as con­se­quên­cias do­lo­ro­sas de seus atos.

Do Im­pé­rio que con­de­nou Je­sus res­tou um ver­go­nho­so ál­bum de ru­í­nas. Dos re­li­gi­o­sos que ar­ti­cu­la­ram con­tra Je­sus, so­men­te res­ta o es­que­ci­men­to ou a má re­pu­ta­ção.

A lem­bran­ça de Je­sus cres­ce dia a dia. A sua Dou­tri­na de Amor e seus exem­plos de mi­se­ri­cór­dia cres­cem em to­dos os an­sei­os so­ci­ais. O Rei­no de Je­sus es­tá ca­da vez mais atu­al e vi­vo nos co­ra­ções de to­dos os se­res hu­ma­nos, in­clu­si­ve na­que­les que não se di­zem cris­tã­os. Da cruz do Cal­vá­rio, her­da­mos o Sím­bo­lo do Amor e do Sa­cri­fí­cio, lem­bran­do o si­nal de + (mais) que re­pre­sen­ta a so­ma de to­das as vir­tu­des dos Es­pí­ri­tos Pu­ros, re­sul­ta­do do tra­ba­lho de Deus no Es­pí­ri­to Imor­tal, uma de Su­as es­plen­do­ro­sas e per­fei­tas Cri­a­ções.

 

(Emí­dio Sil­va Fal­cão Bra­si­lei­ro tem pós-dou­to­ra­do em Ci­ên­cias da Re­li­gi­ão pe­la Uni­ver­si­da­de Macken­zie. É au­tor da obra “O Li­vro dos Evan­ge­lhos”, pe­la Edi­to­ra Boa No­va. É mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia de Le­tras de Go­i­â­nia e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

Comentários