Opinião

Manuel Vitória, o Bonsucesso, o Morro de Santo Antônio e Senador Canedo

diario da manha
Quando do surto de varíola no Arraial de Campinas em 1904, a barreira sanitária foi feita nas divisas da Fazenda Bonsucesso de Manuel Marques dos Santos, apelidado Manuel Vitória, onde hoje se acham os bairros da cidade de Senador Canedo. Esta carta do dr. Diocleciano Antonio da Silva repassava os detalhes da epidemia e o cerco no Bonsucesso e no morro de Santo Antonio, na divisa com Suçuapara

A re­gi­ão de­no­mi­na­da Bon­su­ces­so, ho­je in­te­gra­da à ci­da­de de Se­na­dor Ca­ne­do, com seu be­lo mor­ro de San­to An­to­nio, com os se­to­res Par­que Al­vo­ra­da e Mo­ra­da do Mor­ro, foi, em di­as do sé­cu­lo XIX e pri­mei­ros quar­té­is do sé­cu­lo XX, in­te­gra­da à di­vi­sa en­tre as ci­da­des de Su­çu­a­pa­ra e Cam­pi­ni­nha das Flo­res de Goyaz, re­gi­ão de gran­de be­le­za na­tu­ral, com cór­re­gos pis­co­sos; den­tre eles o Bon­su­ces­so e o Bu­ri­ti Se­re­no, além de be­lo pa­no­ra­ma de ma­tas na­ti­vas e cam­pos co­ber­tos de pe­que­nas flo­res e a be­la Ser­ra da Ca­nas­tra; os mor­ros Pe­la­do e Ser­ri­nha; era es­tra­da de quem se­guia da ve­lha ca­pi­tal da Pro­vín­cia, pa­ra San­ta Cruz de Goyaz, ca­mi­nho per­cor­ri­do por mui­tos vi­a­jan­tes que des­cre­ve­ram es­se lo­cal, com su­as di­fi­cul­da­des pró­pri­as da épo­ca.

Ali, tam­bém, era a fa­zen­da “Var­gem Gran­de” do ri­co Co­ro­nel Jo­sé de Araú­jo Mel­lo, so­gro do pres­ti­gi­a­do Se­na­dor An­to­nio Ama­ro da Sil­va Ca­ne­do, que deu se­quên­cia à li­de­ran­ça so­ci­al e po­lí­ti­ca da lo­ca­li­da­de; se­guin­do de seu des­cen­den­te, An­to­nio Ca­ne­do que, in­clu­si­ve, se­gun­do de­poi­men­to das Vi­cen­ti­nas em Go­i­ás, foi o ven­de­dor das ter­ras pa­ra se fun­dar em nos­so Es­ta­do, em 1940, a “Co­lô­nia San­ta Mar­ta”.

So­bre a Co­lô­nia San­ta Mar­ta, ho­je Hos­pi­tal de Der­ma­to­lo­gia Sa­ni­tá­ria (HDS) é im­por­tan­te fri­sar que, no en­tão ter­re­no do­a­do por An­to­nio Ca­ne­do, o In­ter­ven­tor Pe­dro Lu­do­vi­co Tei­xei­ra ini­ciou, em 1941, a cons­tru­ção dos pri­mei­ros pa­vi­lhões pa­ra os in­ter­nos e as de­pen­dên­cias on­de fun­cio­na­riam o dis­pen­sá­rio e a in­ter­na­ção dos vá­rios han­se­nia­nos que che­ga­vam de mui­tas re­gi­ões do Es­ta­do.

De­ve ser lem­bra­do o ab­ne­ga­do tra­ba­lho do Dr. Ro­do­va­lho Men­des, Má­rio Por­to, Pe. Ro­dol­fo Tel­mann e as ir­mãs de Ca­ri­da­de Ir­mã Lui­za Ven­tu­ra, Ir­mã Lu­zia Dor­nel­les, Ir­mã Mar­ga­ri­da Du­ar­te, Ir­mã Ma­ria Jo­sé de Oli­vei­ra Guer­ra e Ir­mã Olin­da Mou­rão, ar­re­gi­men­ta­das pe­la Ir­mã Ma­rie An­to­i­net­te Blan­chot. Pa­ra se ter uma ideia do avan­ço da Co­lô­nia San­ta Mar­ta, na­que­la épo­ca, che­gou a ter 514 han­se­nia­nos em tra­ta­men­to. A Co­lô­nia San­ta Mar­ta me­re­ce, aqui, o re­gis­tro de sua im­por­tân­cia pa­ra a re­gi­ão do Bon­su­ces­so e pa­ra o tris­te des­ti­no da­que­les que fi­ca­vam re­clu­sos do con­ví­vio com a fa­mí­lia.

A par­tir de 1909, com a pe­ne­tra­ção da Es­tra­da de Fer­ro em Go­i­ás, acon­te­ce um gran­de sur­to de de­sen­vol­vi­men­to e pro­gres­so na­que­la re­gi­ão. Mui­tos anos fo­ram ne­ces­sá­rios pa­ra que a es­tra­da vi­es­se por Cu­ma­ri, Anhan­gue­ra, Ipa­me­ri, Pi­res do Rio, Sil­vâ­nia, Le­o­pol­do de Bu­lhões. Era o fi­nal dos anos de 1930, quan­do, pró­xi­mo ao Bon­su­ces­so, sur­ge o lu­ga­re­jo que ti­nha a de­no­mi­na­ção de Es­pla­na­da e de­pois São Se­bas­ti­ão. Ali, era a úl­ti­ma es­ta­ção an­tes de Go­i­â­nia que sur­gia em meio às cam­pi­nas, cu­jo ser­vi­ço de ex­ten­são foi re­a­li­za­do pe­lo no­tá­vel en­ge­nhei­ro Cyri­di­ão Fer­rei­ra da Sil­va (1895-1983) pai da re­no­ma­da es­cri­to­ra Dra. Le­na Cas­te­lo Bran­co Fer­rei­ra de Frei­tas. Es­te pro­fis­si­o­nal, a par­tir de 23 de maio de 1949, pas­sou a fa­zer par­te da co­mis­são pa­ra es­tu­dos da cons­tru­ção da Es­ta­ção Fer­ro­vi­á­ria de Go­i­â­nia. So­men­te em 20 de maio de 1950 che­ga a pri­mei­ra lo­co­mo­ti­va da Es­tra­da de Fer­ro Go­i­ás a Go­i­â­nia.

Fa­to in­te­res­san­te e des­co­nhe­ci­do de um mo­do ge­ral é que, na re­gi­ão do Bon­su­ces­so, im­pe­rou tam­bém, des­de os fi­nais do sé­cu­lo XIX a va­len­tia do co­nhe­ci­do “Ma­né Vi­tó­ria”, ri­co fa­zen­dei­ro e man­da­tá­rio que, ao seu tem­po, do­mi­nou es­po­sa e fi­lhos, agre­ga­dos e vi­zi­nhos pe­la sua ma­nei­ra ir­re­ve­ren­te e agres­si­va no tra­to com os ou­tros no seu feu­do, a “Fa­zen­da Bon­su­ces­so” que com­pre­en­dia gran­de ex­ten­são de ter­ras que iam até as nas­cen­tes do cór­re­go Bon­su­ces­so, per­to de Go­i­a­ná­po­lis e vi­zi­nho da fa­zen­da de An­to­nio Ca­ne­do, on­de se ins­ta­la ho­je as gran­des in­dús­tri­as da ci­da­de de Se­na­dor Ca­ne­do, a Co­lô­nia San­ta Mar­ta, o Mor­ro de San­to An­to­nio que ti­nha, in­clu­si­ve, no al­to, uma ca­pe­li­nha ro­ma­nes­ca e evo­ca­ti­va, ho­je ao que se sa­be, de­sa­pa­re­ci­da, ten­do ao seu lo­cal um Cris­to de bra­ços aber­tos aben­ço­an­do o po­vo.

Ma­nu­el Mar­ques dos San­tos, ape­li­da­do de Ma­né Vi­tó­ria, nas­ceu em Be­la Vis­ta de Go­i­ás em 1875, fi­lho de An­to­nio Mar­ques Sa­tur­ni­no e Ma­ria dos San­tos Gon­çal­ves. Es­ta­be­le­ceu-se, des­de ce­do, co­mo ne­go­ci­an­te de ga­do e co­mis­sá­rio, com­pran­do ter­ras na re­gi­ão do Bon­su­ces­so, até en­tão, ca­mi­nho de quem se­guia com des­ti­no à ve­lha ca­pi­tal do Es­ta­do, Ci­da­de de Go­i­ás. Cas­ou-se em 1896 com An­na Emydia dos San­tos (Si­nha­na), com quem te­ve 14 fi­lhos, to­dos cri­a­dos na re­gi­ão do Bon­su­ces­so.

Com sua fa­zen­da já de gran­de por­te pe­la quan­ti­da­de de ga­do, agre­ga­dos, re­ti­ros e tra­ba­lho; os­ten­ta­va tí­tu­lo de ho­mem res­pei­ta­do e aca­ta­do, in­clu­si­ve pe­la tru­cu­lên­cia com que tra­ta­va seus pe­ões e a pró­pria fa­mí­lia. Eram os seus fi­lhos, a mai­o­ria mu­lhe­res, pa­ra o seu de­sa­gra­do: Ho­nes­ti­na, Be­ne­di­ta, Ma­ria, Bel­lar­mi­na, Isa­bel, Ge­ral­da, Ade­li­na, Ida­li­na, Ri­ta, Se­bas­ti­ão, Olím­pio, Di­mas, Jo­sé e Jo­ão, no­ve mu­lhe­res e cin­co ho­mens!

Den­tre as pes­qui­sas que re­a­li­za­mos, des­ta­ca-se que sua fi­lha Ho­nes­ti­na Mar­ques dos San­tos nas­ceu em 1897 (re­ce­beu es­se no­me por cau­sa de seu com­pa­dre Ho­nes­ti­no Gui­ma­rã­es) e em 26 de ju­nho de 1928 cas­ou-se com Jo­ão dos Reis e Sil­va, prós­pe­ro fa­zen­dei­ro em Bar­ro Pre­to. Es­se ca­sa­men­to ocor­reu na Ma­triz de Cam­pi­nas.

Ade­li­na Mar­ques dos San­tos cas­ou-se em 11 de ou­tu­bro de 1930 em Cam­pi­nas com Pe­dro Fe­li­cís­si­mo de Car­va­lho, na­tu­ral de Su­çu­a­pa­ra, fi­lho de Mi­guel Car­va­lho e Ma­ria Ja­cob Mi­guel. O pa­dri­nho do ca­sa­men­to foi Li­car­di­no de Oli­vei­ra Ney. Pas­sou a re­si­dir em Be­la Vis­ta de Go­i­ás.

Fazenda Criméia, em Campinas, na fuga com o seu escolhido. Ao que nos relatou nosso pai, na saída, ela abraçou a afilhada em lágrimas de despedida. Em menos de uma hora depois estaria morta, assassinada na antiga estrada da Fazenda Caveira, onde hoje é o Terminal Rodoviário de Goiânia. Geralda é filha do ilustre pioneiro Urias Alves de Magalhães e de Cândida Tavares de Moraes. Seu pai é patrono de um grande bairro em Goiânia, o “Setor Urias Magalhães” e sua mãe do “Setor Cândida de Moraes”
A vista da região do Bonsucesso, com o belo morro de Santo Antônio – Fonte Curta Mais

Isa­bel Mar­ques dos San­tos cas­ou-se em 29 de maio de 1933 na pa­ró­quia de Cam­pi­nas com Ma­no­el An­to­nio de Car­va­lho e pas­sou a re­si­dir em Be­la Vis­ta de Go­i­ás.

Ida­li­na Mar­ques dos San­tos cas­ou-se em Cam­pi­nas em 15 de abril de 1934 com Gal­di­no Di­as da Sil­va, fi­lho de Jo­a­quim Di­as da Sil­va e Ma­ria Be­ne­di­ta Ar­ri­ba, na­tu­ra­is do Bon­su­ces­so. O ca­sa­men­to foi ofi­ci­a­do pe­lo pa­dre Pe­lá­gio Sa­u­ter.

Bel­lar­mi­na Mar­ques dos San­tos cas­ou-se em Cam­pi­nas em 13 de fe­ve­rei­ro de 1926 com Ca­mil­lo Gon­çal­ves de Al­mei­da, na­tu­ral de Be­la Vis­ta de Go­i­ás, fi­lho de Jo­sé Gon­çal­ves de Al­mei­da e Te­re­za Fer­rei­ra de Araú­jo. Vi­ú­va, com dois fi­lhos, cas­ou-se em se­gun­das núp­cias com Be­ne­di­to Pe­rei­ra Gon­çal­ves, tam­bém na­tu­ral do Bon­su­ces­so, fi­lho de Fran­cis­co Pe­rei­ra Gon­çal­ves e Ma­ria Lui­za de Mel­lo. Des­se ca­sa­men­to, Bel­lar­mi­na te­ve mais três fi­lhos. Am­bos fa­le­ce­ram ain­da jo­vens, dei­xan­do to­dos os fi­lhos na or­fan­da­de.

Sua es­po­sa An­na Emydia dos San­tos (Si­nha­na) fa­le­ceu em dia de fes­ta e mu­ti­rão na Fa­zen­da Bon­su­ces­so em 1931, dei­xan­do os seus 14 fi­lhos ór­fã­os e sob o co­man­do tru­cu­len­to do pai.

Pro­va da bar­ba­ri­da­de das ações de Ma­no­el Mar­ques dos San­tos ocor­reu quan­do sua fi­lha Be­ne­di­ta Mar­ques dos San­tos de­ci­diu pe­lo ca­sa­men­to aos 16 anos de ida­de, em 1914, mes­mo con­tra a von­ta­de do pai. Au­da­cio­sa, ela fu­giu com o noi­vo nu­ma noi­te de chu­va, bus­can­do abri­go na Fa­zen­da Cri­méia, em Cam­pi­ni­nha das Flo­res, de seu pa­dri­nho Fran­cis­co Al­ves de Araú­jo, que se en­con­tra­va do­en­te, as­sis­ti­do pe­los fa­mi­lia­res Otá­vio Ta­va­res de Mo­ra­es, Ma­ria Al­ves de Mel­lo, Uri­as Al­ves de Ma­ga­lhã­es, Cân­di­da Ta­va­res de Mo­ra­es e Ma­ria Al­ves de Ma­ga­lhã­es. Ali o ca­sal se re­fu­giou uma noi­te.

Ma­nu­el Mar­ques dos San­tos con­tra­tou um pis­to­lei­ro que se­guiu o ras­tro do ca­sal fu­gi­ti­vo. De­pois que eles dei­xa­ram a Fa­zen­da Cri­méia, se­guiu pe­la es­tra­da an­ti­ga que da­va ca­mi­nho à Fa­zen­da Ca­vei­ra, de Jo­a­quim Lú­cio Ta­va­res e iria de­sem­bo­car no en­tão dis­tri­to de Trin­da­de; fo­ram as­sas­si­na­dos com vá­rios ti­ros e seus cor­pos ati­ra­dos num bu­ri­ti­zal que ha­via, e ho­je es­tá o Ter­mi­nal Ro­do­vi­á­rio de Go­i­â­nia. No lo­cal on­de o san­gue ino­cen­te foi der­ra­ma­do plan­tou-se du­as pe­que­nas cru­zes que, por anos, eram vis­tas pe­los car­rei­ros e tro­pei­ros que cor­ta­vam es­ses ser­tões lon­gín­quos.

Qua­se 20 anos de­pois, em 1933, es­se lo­cal já fa­ria par­te das ter­ras em que se­ri­am cons­tru­í­das as pri­mei­ras ca­sas da no­va ca­pi­tal de Go­i­ás, ven­di­das por her­dei­ros de Fran­cis­co Al­ves de Araú­jo ao Go­ver­no de Go­i­ás, atra­vés do Dr. Heil­tor de Mo­ra­es Fleury, con­for­me cons­tam no li­vro Co­mo nas­ceu Go­i­â­nia, de Ofé­lia Só­cra­tes do Nas­ci­men­to Mon­tei­ro, pu­bli­ca­do em 1938.

Com es­se cri­me bár­ba­ro que fi­cou im­pu­ne, hou­ve gran­de re­vol­ta dos fi­lhos de Ma­nu­el Mar­ques dos San­tos. A gran­de mai­o­ria aban­do­nou o lar, hou­ve a di­vi­são das ter­ras da Fa­zen­da Bon­su­ces­so e o gran­de e im­pla­cá­vel ho­mem de te­res e ha­ve­res, fin­dou seus di­as so­zi­nho e aban­do­na­do, com mais de 90 anos, vi­ven­do à cus­ta da ca­ri­da­de pú­bli­ca, num pe­que­no bar­ra­co que ga­nhou pa­ra mo­rar no mu­ni­cí­pio de Ipo­rá.

Era o fim do te­mi­do Co­ro­nel Ma­nu­el Mar­ques dos San­tos, Ma­nu­el Vi­tó­ria, do Bon­su­ces­so, da an­ti­ga Su­çu­a­pa­ra dos úl­ti­mos anos do sé­cu­lo XIX e pri­mei­ros anos do Sé­cu­lo XX.

Ho­je to­do es­se mun­do é Se­na­dor Ca­ne­do… com no­vas his­tó­ri­as, in­fe­li­zes ou fe­li­zes, do imen­so fa­dá­rio hu­ma­no!

Tí­tu­lo de Elei­to­ral de Ge­ral­da Al­ves de Ma­ga­lhã­es, afi­lha­da de Be­ne­di­ta Mar­ques, do Bon­su­ces­so, e que ti­nha um ano de ida­de quan­do sua ma­dri­nha per­noi­tou em sua ca­sa na

 

(Ben­to Al­ves Araú­jo Jayme Fleury Cu­ra­do, gra­du­a­do em Le­tras e Lin­guís­ti­ca pe­la UFG, es­pe­cia­lis­ta em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG, mes­tre em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG, mes­tre em Ge­o­gra­fia pe­la UFG. Dou­tor em Ge­o­gra­fia pe­la UFG, pós-dou­to­ran­do em Ge­o­gra­fia pe­la USP, pro­fes­sor, po­e­ta – ben­to­[email protected]­mail.com)

 

Comentários