Opinião

Meritocracia para melhorar o serviço público

diario da manha

No úl­ti­mo dia 26 foi re­a­li­za­da a quin­ta edi­ção do En­con­tro Ge­ral dos Ge­ren­tes, vol­ta­da pa­ra os ser­vi­do­res ti­tu­la­res de ge­rên­cias no Exe­cu­ti­vo Es­ta­du­al. Pro­mo­vi­do pe­la Es­co­la de Go­ver­no Hen­ri­que San­til­lo / Seg­plan, em par­ce­ria com a As­so­cia­ção de Ge­ren­tes Me­ri­to­crá­ti­cos – Pró Mé­ri­to, o even­to re­u­niu, no clu­be SE­SI Fer­rei­ra Pa­che­co, cer­ca de 500 par­ti­ci­pan­tes, com o in­tui­to de dis­cu­tir a pro­fis­si­o­na­li­za­ção da ges­tão pú­bli­ca.

Além de pa­les­tras vol­ta­das pa­ra o te­ma, o even­to te­ve co­mo ino­va­ção a apre­sen­ta­ção de um es­tu­do so­bre Me­ri­to­cra­cia, que sub­si­diou a dis­cus­são dos par­ti­ci­pan­tes da me­sa-re­don­da.

O es­tu­do, en­co­men­da­do pe­la As­so­cia­ção Pró Mé­ri­to, foi de­sen­vol­vi­do pe­la equi­pe do pes­qui­sa­dor Rui Ro­cha Go­mes – ge­ren­te de Es­tu­dos So­ci­o­e­co­nô­mi­cos e Es­pa­cia­is do Ins­ti­tu­to Mau­ro Bor­ges (IMB) – e te­ve du­as eta­pas. A pri­mei­ra fa­se, quan­ti­ta­ti­va, ba­se­ou-se em uma aná­li­se do per­fil dos ge­ren­tes se­le­ci­o­na­dos an­tes e de­pois da Me­ri­to­cra­cia, a par­tir de da­dos ex­traí­dos do Sis­te­ma RHNet, for­ne­ci­dos pe­la Su­pe­rin­ten­dên­cia Cen­tral de TI / Seg­plan. A se­gun­da eta­pa se deu a par­tir de uma pes­qui­sa qua­li­ta­ti­va so­bre o pro­ces­so de se­le­ção por mé­ri­to, ten­do co­mo en­tre­vis­ta­dos os pró­prios ge­ren­tes do es­ta­do.

O es­tu­do ava­liou os per­fis dos ge­ren­tes de 2017, ano do úl­ti­mo pro­ces­so me­ri­to­crá­ti­co, com­pa­ran­do-os com 2010, ano em que não ha­via me­ri­to­cra­cia em Go­i­ás. O re­sul­ta­do mos­tra um au­men­to de 5% no nú­me­ro de mu­lhe­res se­le­ci­o­na­das; re­du­ção da ida­de dos ge­ren­tes se­le­ci­o­na­dos (pas­san­do de 40% pa­ra 60% do to­tal com ida­de até 44 anos); au­men­to do nú­me­ro de mes­tres e es­pe­cia­lis­tas se­le­ci­o­na­dos (de 18,5% pa­ra apro­xi­ma­da­men­te 28% do to­tal); au­men­to de 25% no nú­me­ro de ser­vi­do­res efe­ti­vos se­le­ci­o­na­dos (pas­san­do de 60% pa­ra 85% do to­tal).

Quan­to à pes­qui­sa de opi­ni­ão re­a­li­za­da com 288 ge­ren­tes, 97,1% se dis­se­ram à fa­vor do pro­ces­so de me­ri­to­cra­cia pa­ra se­le­ção dos ocu­pan­tes dos car­gos de ge­rên­cia; mais de 50% dis­se­ram que a par­tir da me­ri­to­cra­cia au­men­tou-se a uti­li­za­ção de ins­tru­men­tos de ges­tão co­mo pla­no de ações, ges­tão por pro­ces­sos e fun­da­men­ta­ção de de­ci­sões; mais de 80% dis­se­ram que os me­ri­to­crá­ti­cos, de ma­nei­ra ge­ral, pro­du­zem re­sul­ta­dos mais efi­ci­en­tes e têm mais co­nhe­ci­men­to da área de atu­a­ção.

Co­mo for­ma de for­ta­le­ci­men­to do pro­ces­so, mais de 60% opi­na­ram no sen­ti­do de que se­jam ofe­re­ci­dos cur­sos de qua­li­fi­ca­ção fo­ca­dos pa­ra es­te pú­bli­co e su­ge­ri­ram que, pa­ra que um me­ri­to­crá­ti­co se­ja exo­ne­ra­do, ha­ja ava­li­a­ção pe­ri­ó­di­ca de de­sem­pe­nho e jus­ti­fi­ca­ti­va fun­da­men­ta­da do che­fe ime­di­a­to. Por fim, mais de 97% res­pon­de­ram que a me­ri­to­cra­cia de­ve­ria ser ins­ti­tu­í­da co­mo uma Po­lí­ti­ca de Es­ta­do e am­pli­a­da pa­ra car­gos de es­tru­tu­ra bá­si­ca (co­mo as su­pe­rin­ten­dên­cias).

Es­tes re­sul­ta­dos in­di­cam o ca­mi­nho que de­ve­ria ser se­gui­do di­an­te de uma so­ci­e­da­de mais di­nâ­mi­ca, com­ple­xa e exi­gen­te no que con­cer­ne à efe­ti­vi­da­de do po­der pú­bli­co e à qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos.

Es­te com­por­ta­men­to da so­ci­e­da­de exi­ge uma no­va ges­tão de pes­so­as no ser­vi­ço pú­bli­co, ten­do co­mo ali­cer­ces a im­par­cia­li­da­de, a me­ri­to­cra­cia e o fo­co na ges­tão por re­sul­ta­dos, por meio do uso de pa­drões de de­sem­pe­nho e in­di­ca­do­res efe­ti­vos, que men­su­ram a en­tre­ga do ser­vi­dor ao ór­gão – em ou­tras pa­la­vras, o seu de­sem­pe­nho.

É ine­gá­vel afir­mar que pro­ces­so ado­ta­do pe­lo Es­ta­do de Go­i­ás tem la­cu­nas de evo­lu­ção, mas de­ve-se re­co­nhe­cer as con­quis­tas al­can­ça­das. Po­de-se di­zer que a me­ri­to­cra­cia atu­al foi um pro­je­to pi­lo­to de su­ces­so, mas pen­so que é pre­ci­so dar um pas­so à fren­te, cor­ri­gir as fa­lhas atu­ais, apri­mo­rar o pro­ces­so (co­mo por exem­plo a ado­ção de en­tre­vis­ta­do­res ex­ter­nos im­par­ci­ais, com a uti­li­za­ção so­men­te de cri­té­rios téc­ni­cos, abo­lin­do qual­quer par­ti­ci­pa­ção sub­je­ti­va da che­fia ime­di­a­ta no pro­ces­so fi­nal de es­co­lha), e es­ten­dê-lo pa­ra ou­tros car­gos. A pes­qui­sa es­tá aí com in­di­ca­ções do que po­de/de­ve ser ado­ta­do pa­ra avan­çar. É pre­ci­so evo­lu­ir, pa­ra que ela dei­xe de ser um Pro­je­to de Go­ver­no e se­ja uma Po­lí­ti­ca de Es­ta­do.

Di­an­te des­te ce­ná­rio, com­pe­te aos agen­tes po­lí­ti­cos que fo­rem elei­tos um mo­vi­men­to cons­tan­te de in­ves­ti­men­to em uma po­lí­ti­ca per­ma­nen­te de de­sen­vol­vi­men­to dos re­cur­sos hu­ma­nos, ten­do co­mo ali­cer­ce o aper­fei­ço­a­men­to e a ex­pan­são do pro­ces­so de Me­ri­to­cra­cia co­mo um dos ca­mi­nhos pa­ra a su­pe­ra­ção dos de­sa­fi­os no se­tor pú­bli­co.

 

(Caio Ama­ral, mes­tre em Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca pe­la UFG, ges­tor go­ver­na­men­tal e ge­ren­te me­ri­to­crá­ti­co de Pla­ne­ja­men­to e TI / Segov, e di­re­tor da As­so­cia­ção Pró Mé­ri­to e do SindGes­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais