diario da manha

 

“(…) vale a pena a inserção de Josias Luiz Guimarães na sede da Emater. Mais que justa uma homenagem eterna a esse grande extensionista e disseminador do agro moderno”

 

O no­me de Jo­si­as Lu­iz Gui­ma­rã­es pa­ra a se­de da Ema­ter-Go­i­ás me foi su­ge­ri­do por um ad­mi­ra­dor de sua obra, após mis­sa de sé­ti­mo dia pe­la sua al­ma, na Igre­ja Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma, em Go­i­â­nia. En­dos­so ple­na­men­te a su­ges­tão. Faz jus a tu­do que ele fez pe­la ex­ten­são ru­ral, as­so­cia­ti­vis­mo e ain­da o de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos agro­pe­cu­á­rios que re­sul­ta­ram o que se vê ho­je na eco­no­mia go­i­a­na. Sua con­tri­bui­ção, re­al­men­te, é no­tá­vel.

In­crí­vel, Jo­si­as plan­tou na fren­te da se­de da Ema­ter pés de mog­no. Abro um pa­rên­te­se, pa­ra ma­ni­fes­tar a mi­nha in­dig­na­ção com o no­me da­do à em­pre­sa: Agên­cia Go­i­a­na de As­sis­tên­cia Téc­ni­ca, Ex­ten­são Ru­ral e Pes­qui­sa Agro­pe­cu­á­ria. É co­mo se a Co­ca-Co­la tro­cas­se de no­me e per­der a sua mar­ca. E o pro­du­tor lá da ro­ça co­mo fi­ca? Gra­ças a ou­tros ar­ti­gos de mi­nha au­to­ria, bus­ca­ram o no­me Ema­ter e o man­ti­ve­ram. É con­fu­so ex­pli­car, se­não me per­co na ideia do no­me do Jo­si­as Lu­iz Gui­ma­rã­es pa­ra a se­de da em­pre­sa.

Mas, vol­tan­do ao fo­co ini­ci­al: ho­je, es­sas ár­vo­res fi­ca­ram adul­tas. De­cor­ri­dos uns 40 anos de seu plan­tio, mos­tram-se vi­ço­sas, pro­por­ci­o­nan­do som­bra na Rua Ge­ral­do Va­le, no­me de um jor­na­lis­ta go­i­a­no e que foi in­clu­si­ve pre­si­den­te da AGI – As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa.

Em­bo­ra já co­nhe­ça o mog­no dos meus tem­pos de cri­an­ça em Ara­gua­tins, no Bi­co do Pa­pa­gaio, re­cor­ri ao Go­o­gle pa­ra uma me­lhor de­fi­ni­ção. Mog­no é o no­me co­mer­cial uti­li­za­do pa­ra de­sig­nar as ma­dei­ras de ori­gem tro­pi­cal com co­lo­ra­ção cas­ta­nho-aver­me­lha­da, grão fi­no, gran­de du­re­za e ele­va­da den­si­da­de pro­ve­ni­en­tes de ár­vo­res da fa­mí­lia das Me­lia­ce­ae.

Es­tas ma­dei­ras são fá­ceis de tra­ba­lhar, du­ra­dou­ras e mui­to re­sis­ten­tes à com­pres­são e tor­ção, ca­rac­te­rís­ti­cas que as tor­nam mui­to pro­cu­ra­das pa­ra mar­ce­na­ria, en­ta­lhes, de­co­ra­ção e pa­ra aca­ba­men­tos de in­te­ri­or de imó­veis. Por apre­sen­ta­rem bai­xa ve­lo­ci­da­de de trans­mis­são do som, são usa­das pa­ra fa­zer ins­tru­men­tos mu­si­cais. A ele­va­da pro­cu­ra le­va a que atin­jam ele­va­do pre­ço. Atu­al­men­te, o mog­no afri­ca­no foi trans­plan­ta­do pa­ra o Bra­sil e sua co­ta­ção tem al­to va­lor aqui mes­mo em Go­i­ás. Pois é, ele que­ria uma mos­tra des­sa ár­vo­re e sua ma­dei­ra no­bre em Go­i­â­nia.

E, sur­pre­en­dam-se mais nos atu­ais tem­pos de tsu­na­mi elei­to­ral, Jo­si­as não to­le­ra­va a cor­rup­ção em qual­quer ní­vel. E is­so quem me re­la­ta é um con­tem­po­râ­neo seu de “re­pú­bli­ca lon­ge da mãe”, ou se­ja, um pe­que­no quar­to, que abri­ga­va a quem era do in­te­ri­or e es­co­lhia a Ca­pi­tal do Es­ta­do pa­ra es­tu­dar.

Nin­guém na­da mais na­da me­nos que Ba­tis­ta Cus­tó­dio dos San­tos, o jor­na­lis­ta que veio de Cai­a­pô­nia, nos idos de 50 um ver­da­dei­ro ser­tão go­i­a­no. Jo­si­as era de Mar­za­gão. Um vi­rou jor­na­lis­ta com­ba­ti­vo e po­e­ta nas ho­ras va­gas e o ou­tro um mé­di­co ve­te­ri­ná­rio, um fi­ló­so­fo e à sua ma­nei­ra um com­ba­ti­vo de­fen­sor da mo­ra­li­da­de pú­bli­ca.

A ami­za­de nas­ci­da nes­sa “re­pú­bli­ca” man­te­ve-se fir­me com o pas­sar dos anos. Ba­tis­ta lem­bra com sa­tis­fa­ção que Jo­si­as en­tra­va re­da­ção à den­tro pa­ra en­tre­gar, pes­so­al­men­te, ao edi­tor ge­ral do Di­á­rio da Ma­nhã li­tro de mel de abe­lha, tal­vez àque­las mes­mas que num lan­ce de foi­ce, pa­ra apa­rar o ma­to, acer­tou em cheio a col­méia e ti­rou a sua vi­da, cer­ta­men­te num ata­que de ple­na de­fe­sa. Lo­go, o Jo­si­as que cri­ou o Pro­je­to de Api­cul­tu­ra des­ti­na­do a fo­men­tar o cul­ti­vo de abe­lhas pe­los pe­que­nos pro­du­to­res e fa­vo­re­cer a sua ren­da num pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção.

Jo­si­as, sem dú­vi­da, cons­ti­tu­iu-se no ban­dei­ran­te mo­der­no. E acho que va­le a pe­na a in­ser­ção de Jo­si­as Lu­iz Gui­ma­rã­es na se­de da Ema­ter. Mais que jus­ta uma ho­me­na­gem eter­na a es­se gran­de ex­ten­si­o­nis­ta e dis­se­mi­na­dor do agro mo­der­no.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra a agro­pe­cu­á­ria, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la pe­la His­ta­drut, em Tel Aviv, Is­ra­el, au­tor do li­vro O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te, e edi­tor de agro­ne­gó­ci­os do Di­á­rio da Ma­nhã, que cir­cu­la às se­gun­das fei­ras)

Comentários