diario da manha

Nes­te mun­do con­tur­ba­do de ho­je, vi­ve­mos um ime­di­a­tis­mo que ca­da vez mais afron­ta a or­dem nor­mal das coi­sas.

Com o a che­ga­da do  What­sApp, não se es­cre­vem mais car­tas; a fi­gu­ra do te­le­gra­ma qua­se aca­bou, por­que só é uti­li­za­do pa­ra com­pro­va­ção de que al­guém foi avi­sa­do de um fa­to, sem fa­lar­mos em ou­tras ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas que mu­da­ram ra­di­cal­men­te nos­so dia-a-dia, em fun­ção de es­tar­mos sem­pre com pres­sa de con­se­guir o que que­re­mos. E tu­do is­to nos le­va a um ime­di­a­tis­mo que há vin­te anos, ou me­nos, se­quer exis­tia.

Não cul­ti­va­mos mais o dom da pa­ci­ên­cia. Não sa­be­mos es­pe­rar: quan­do de­se­ja­mos uma coi­sa, pois que­re­mos que ela ve­nha de ime­di­a­to.

Em­bo­ra nós, da fa­mí­lia Pó­voa, se­ja­mos co­nhe­ci­dos pe­la im­pa­ci­ên­cia, que de­se­ja “tu­do pra on­tem”, a vi­da me en­si­nou a es­pe­rar, pois a pa­ci­ên­cia nos aju­da a to­mar de­ci­sões cer­tas na ho­ra cer­ta e nos dá tem­po pa­ra ou­vir a voz de Deus. Quem se apres­sa co­me­te er­ros, mas quem tem pa­ci­ên­cia al­can­ça seus ob­je­ti­vos.

Deus é pa­ci­en­te co­nos­co. Ele nos dá mui­tas chan­ces pa­ra nos ar­re­pen­der­mos e nos per­doa quan­do er­ra­mos. Nós tam­bém pre­ci­sa­mos de pa­ci­ên­cia com ou­tras pes­so­as, con­fi­an­do em que Deus vai agir no tem­po cer­to. Quem não tem pa­ci­ên­cia po­de pe­dir a Deus, que vai aju­dá-lo a ter.

Em­bo­ra eu não se­ja um lei­tor as­sí­duo e fa­ná­ti­co da Bí­blia Sa­gra­da, sem­pre co­lhi em su­as pá­gi­nas pre­ci­o­sos en­si­na­men­tos, e os que di­zem res­pei­to à pa­ci­ên­cia en­si­na­ram-me e an­da me en­si­nam mui­ta coi­sa, que es­tou pro­cu­ran­do apli­car no dia-a-dia.

O li­vro Ecle­sias­tes ex­pri­me is­to, pois diz que tu­do tem seu tem­po, e na­da acon­te­ce por aca­so: “1. Tu­do tem o seu tem­po de­ter­mi­na­do, e há tem­po pa­ra to­do o pro­pó­si­to de­bai­xo do céu; 2. há tem­po de nas­cer, e tem­po de mor­rer; tem­po de plan­tar, e tem­po de ar­ran­car o que se plan­tou; 3. tem­po de ma­tar, e tem­po de cu­rar; tem­po de der­ru­bar, e tem­po de edi­fi­car; 4. tem­po de cho­rar, e tem­po de rir; tem­po de pran­te­ar, e tem­po de dan­çar; 5. tem­po de es­pa­lhar pe­dras, e tem­po de ajun­tar pe­dras; tem­po de abra­çar, e tem­po de afas­tar-se de abra­çar; 6. tem­po de bus­car, e tem­po de per­der; tem­po de guar­dar, e tem­po de lan­çar fo­ra; 7. tem­po de ras­gar, e tem­po de co­ser; tem­po de es­tar ca­la­do, e tem­po de fa­lar; 8. tem­po de amar, e tem­po de odi­ar; tem­po de guer­ra, e tem­po de paz”. (Ecle­sias­tes 3:1-8).

O Sal­mo 37:7-9, por exem­plo, pre­le­ci­o­na: “7. Des­can­se no Se­nhor e aguar­de por ele com pa­ci­ên­cia; não se abor­re­ça com o su­ces­so dos ou­tros nem com aque­les que ma­qui­nam o mal. 8. Evi­te a ira e re­jei­te a fú­ria; não se ir­ri­te: is­so só le­va ao mal. 9. Pois os maus se­rão eli­mi­na­dos, mas os que es­pe­ram no Se­nhor re­ce­be­rão a ter­ra por he­ran­ça”.

Mui­tas ve­zes, que­re­mos ver re­pa­ra­do um mal que so­fre­mos, mas nos­sa von­ta­de de cul­ti­var es­se ime­di­a­tis­mo a na­da nos le­va. E até ex­cla­ma­mos, que­ren­do re­vi­dar e “des­con­tar”, di­zen­do: “Eu o fa­rei pa­gar pe­lo mal que me fez!”. Mas lá no Li­vro da Sa­be­do­ria re­co­men­da: “Es­pe­re pe­lo Se­nhor, e ele da­rá a vi­tó­ria a vo­cê” (Pro­vér­bi­os 20:22.), e nos en­si­na que “. A sa­be­do­ria do ho­mem lhe dá pa­ci­ên­cia; sua gló­ria é ig­no­rar as ofen­sas  (Pro­vér­bi­os 19:11).

O li­vro de Jó é o mais elo­quen­te exem­plo de que con­fi­ar em Deus e sa­ber es­pe­rar por Ele é a gran­de fi­lo­so­fia.

To­dos meus ami­gos e co­nhe­ci­dos sa­bem o cal­vá­rio que me acon­te­ceu: sem na­da de­ver, fui sub­me­ti­do ao cons­tran­gi­men­to de ser afas­ta­do, no au­ge de mi­nha car­rei­ra, do Tri­bu­nal a que ser­vi por qua­se trin­ta anos e ser ta­cha­do de de­so­nes­to, quan­do to­dos sa­bem que na­da te­nho, que meu pa­tri­mô­nio até fi­ca a de­ver pe­lo que ga­nho. Não sa­tis­fei­tos, meus de­tra­to­res jo­ga­ram-me nas cos­tas na­da me­nos que qua­ren­ta e dois pro­ces­sos, dos qua­is me li­vrei, pro­van­do mi­nha ino­cên­cia, mas, en­quan­to o tem­po pas­sa­va eu per­dia meus di­as até me apo­sen­tar, ape­sar de te­rem inu­til­men­te ten­ta­do me “pu­nir” com uma apo­sen­ta­do­ria com­pul­só­ria, por mais de se­te anos de an­gús­tia, sen­do mo­ni­to­ra­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral.

Até o jor­nal de Pal­mas em que es­cre­vi por qua­se vin­te anos fe­chou-me as por­tas; e – pi­or – ele in­te­grou a im­pren­sa que me de­tra­ta­va a ca­da dia e foi tal­vez quem mais me ata­cou. Mas Deus me abriu uma por­ta mai­or, no “Di­á­rio da Ma­nhã”, on­de es­cre­vo o que que­ro, sem aque­la cen­su­ra a que era sub­me­ti­do na im­pren­sa to­can­ti­nen­se, quan­do meus ar­ti­gos eram des­vir­tu­a­dos e so­fri­am cor­tes quan­do o que es­cre­via po­de­ria de­sa­gra­dar o go­ver­no e a Re­de Glo­bo.

Deus sa­be o que faz. Con­for­mei-me e ape­sar de tu­do, en­tre­guei a Deus. E já es­tou ven­do o re­sul­ta­do: gra­ças a Ele sou sa­dio, vi­vo mo­des­ta­men­te, mas tran­qui­lo, em paz, e dur­mo a noi­te in­tei­ra sem re­mé­dio e sem os pe­sa­de­los que nor­mal­men­te as­sal­tam o so­no dos que de­vem. E por tu­do is­to, agra­de­ço a Deus por me ter en­si­na­do a su­por­tar e a es­pe­rar a Pro­vi­dên­cia Di­vi­na.

E Deus não me fez es­pe­rar mui­to: en­quan­to es­tou cum­prin­do mi­nha mis­são em paz e sem na­da pa­ra me as­sal­tar em ter­mos de pa­gar al­gum mal que even­tual­men­te fiz, aque­les que ten­ta­ram aca­bar co­mi­go es­tão ca­in­do, pois Deus sa­be o que faz: uns es­tão com a sa­ú­de aba­la­da; ou­tros com a car­rei­ra po­lí­ti­ca pra­ti­ca­men­te aca­ba­da e sem as mí­ni­mas con­di­ções mo­ra­is de pros­se­guir sua car­rei­ra. É bem ver­da­de que não re­cu­pe­rei a vi­da an­ti­ga, on­de ocu­pei to­dos os car­gos pos­sí­veis na ma­gis­tra­tu­ra es­ta­du­al e dei­xei um no­me no se­tor li­te­rá­rio, com mais de du­as de­ze­nas de obras, e em ou­tros cam­pos de ex­pres­são no Es­ta­do.

Is­to me faz lem­brar uma es­pé­cie de pa­rá­bo­la, de ale­go­ria que li não sei on­de, mas vem a ca­lhar:

“Um ho­mem pe­diu a Deus que lhe des­se uma flor e uma bor­bo­le­ta. Sem na­da ex­pli­car, Deus deu-lhe um cac­to es­pi­nho­so e uma la­gar­ta.

Tris­te e sem en­ten­der, o ho­mem re­ce­beu, em­bo­ra no ín­ti­mo fi­cas­se des­con­ten­te.

Di­as de­pois, do cac­to bro­tou uma lin­da flor, e a la­gar­ta trans­for­mou-se em uma co­lo­ri­da e es­vo­a­çan­te bor­bo­le­ta”.

Não de­ve­mos fi­car tris­tes ou mur­mu­rar quan­do Deus nos dá al­go di­fe­ren­te do que se es­pe­rou Is­to me en­si­nou que Deus nun­ca nos aban­do­na: Ele é fi­el e sem­pre nos aten­de na ho­ra cer­ta e no tem­po que Ele mar­ca. Res­ta-nos ape­nas ter pa­ci­ên­cia, fé e con­fi­an­ça.

Nas nos­sas an­gús­ti­as, às ve­zes pen­sa­mos que Deus não nos ou­ve, mas Ele po­de trans­for­mar o es­pi­nho do so­fri­men­to e a re­pug­nân­cia de um in­se­to em bên­çã­os.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, De­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, Mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários