diario da manha

No con­to Tlön, Uqbar, Or­bis Ter­ti­us, Jor­ge Lu­ís Bor­ges de­sen­vol­ve uma dis­cus­são acer­ca do pas­sa­do a qual é sem­pre um de­sa­fio pa­ra o his­to­ri­a­dor: o pas­sa­do nar­ra­do re­pre­sen­ta ape­nas o pre­sen­te?

No con­to, as es­co­las de Tlön (pla­ne­ta in­ven­ta­do na Amé­ri­ca) de­ba­tem os pre­té­ri­tos e uma de­las “che­ga a ne­gar o tem­po: ar­gu­men­ta que o pre­sen­te é in­de­fi­ni­do, que o fu­tu­ro não tem re­a­li­da­de se­não co­mo es­pe­ran­ça pre­sen­te, que o pas­sa­do não tem re­a­li­da­de se­não co­mo lem­bran­ça pre­sen­te. Ou­tra es­co­la de­cla­ra que tran­scor­reu já to­do o tem­po e que nos­sa vi­da é ape­nas a lem­bran­ça ou o re­fle­xo cre­pus­cu­lar, e sem dú­vi­da fal­se­a­do e mu­ti­la­do, de um pro­ces­so ir­re­cu­pe­rá­vel”.

Ob­via­men­te, a his­tó­ria não che­ga ao fan­tás­ti­co, ne­gan­do o tem­po. Mas co­mo a his­tó­ria re­la­ci­o­na-se com o tem­po? A sua es­tru­tu­ra tex­tu­al é ca­te­go­ria que a co­lo­ca an­te o pas­sa­do co­mo pro­ces­so ir­re­cu­pe­rá­vel? Des­ta­ca­re­mos, aqui, du­as con­cep­ções ge­ra­is da his­tó­ria acer­ca da re­la­ção do his­to­ri­a­dor com o tem­po pas­sa­do e cha­ma­re­mo-las de no­mi­na­lis­ta e re­a­lis­ta.

A con­cep­ção no­mi­na­lis­ta, ori­un­da das re­fle­xões pós-mo­der­nas, vê o pas­sa­do co­mo ina­tin­gí­vel. Nes­se ca­mi­nho, o sen­ti­do que o dis­cur­so his­to­ri­o­grá­fi­co pro­duz é ti­do co­mo ori­gi­ná­rio das ca­te­go­ri­as da nar­ra­ti­vi­da­de e não con­se­gue ex­pres­sar se­não o pre­sen­te. Se uma das es­co­las de Tlön fa­la do pas­sa­do co­mo lem­bran­ça pre­sen­te, os no­mi­na­lis­tas fa­lam do pas­sa­do co­mo so­nho pre­sen­te.

De ou­tro la­do, a con­cep­ção re­a­lis­ta con­si­de­ra o pas­sa­do co­mo um re­al que é pos­sí­vel al­can­çar. Na re­la­ção do his­to­ri­a­dor com o pas­sa­do, a ob­je­ti­vi­da­de exis­te em fun­ção do prin­cí­pio me­tó­di­co da pes­qui­sa. Es­sa vi­são, pro­ce­den­te da ra­ci­o­na­li­za­ção mo­der­ni­za­do­ra, ao me­nos no que con­cer­ne à Es­co­la dos An­na­les em su­as pri­mei­ras ge­ra­ções, re­jei­ta a his­tó­ria nar­ra­ti­va. As­sis­te-se, por­tan­to, ao his­to­ri­a­dor re­nun­ci­ar à nar­ra­ti­va, ti­da co­mo com­po­nen­te de uma his­tó­ria es­trei­ta­men­te li­ga­da aos acon­te­ci­men­tos e, ba­si­ca­men­te, aos acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos, mi­li­ta­res e di­plo­má­ti­cos — e não às es­tru­tu­ras — e pro­cla­mar a con­du­ção da his­tó­ria pa­ra o la­do da ci­ên­cia.

En­tre­tan­to a ca­te­go­ria pro­pri­a­men­te di­ta da nar­ra­ti­va, da es­cri­ta da his­tó­ria, não foi pro­ble­ma­ti­za­da. So­men­te na dé­ca­da de 1960, a par­tir da cres­cen­te im­por­tân­cia da lin­guís­ti­ca nos mei­os aca­dê­mi­cos, é que a his­tó­ria foi vis­ta co­mo tex­to e, as­sim, co­lo­cou-se que re­jei­tar o acon­te­ci­men­to e bus­car a lon­ga du­ra­ção (co­mo pre­co­ni­zou a es­co­la brau­de­li­a­na/2ª ge­ra­ção dos An­na­les) não sig­ni­fi­cou aban­do­nar a es­tru­tu­ra nar­ra­ti­va da his­tó­ria.

O his­to­ri­a­dor fran­cês, Ge­or­ges Duby, em de­ba­te com o fi­ló­so­fo Guy Lar­dre­au, ar­gu­men­tou que não se po­de ima­gi­nar uma his­tó­ria to­tal­men­te so­nha­da, si­tu­an­do-se, pois, no cam­po mais cor­ren­te da his­to­ri­o­gra­fia atu­al, qual se­ja, a que em­pre­ga, de mo­do con­sci­en­te, es­tru­tu­ras nar­ra­ti­vas, des­vin­cu­lan­do-se das epis­te­mo­lo­gi­as re­a­lis­tas, mas, ao mes­mo tem­po, se se faz uma his­tó­ria co­mo so­nho pre­sen­te, con­di­cio­na-se o so­nho do his­to­ri­a­dor às pre­ten­sões de ver­da­de, sus­ten­ta­das pe­lo ri­gor aca­dê­mi­co e pe­la eru­di­ção. É o que Duby cha­mou de no­mi­na­lis­mo bem tem­pe­ra­do.

Des­tar­te, fi­ca cla­ro que o prin­cí­pio da nar­ra­ti­vi­da­de acar­re­tou uma mu­dan­ça no dis­cur­so mo­der­no so­bre a his­tó­ria, pon­do em cri­se, in­clu­si­ve, sua pre­ten­são de ra­ci­o­na­li­da­de. Se a his­tó­ria dis­tan­ciou-se do em­pi­ris­mo in­gê­nuo com a ab­so­lu­ti­za­ção da ver­da­de, por ou­tro la­do, ela não se apro­xi­ma das ver­ten­tes anun­ci­a­das pe­los pós-mo­der­nos, nas qua­is à his­tó­ria se­ria ne­ga­da to­da a pre­ten­são de ob­je­ti­vi­da­de ci­en­tí­fi­ca.

As­sim sen­do, co­mo con­ci­li­ar a li­mi­ta­ção me­ta-his­tó­ri­ca da nar­ra­ti­vi­da­de co­mo prin­cí­pio do pen­sa­men­to his­tó­ri­co, que di­fi­cul­ta qual­quer ob­je­ti­vi­da­de ci­en­tí­fi­ca na re­pre­sen­ta­ção do pas­sa­do co­mo his­tó­ria, com as ati­tu­des e pro­ce­di­men­tos aca­dê­mi­cos bem es­ta­be­le­ci­dos dos his­to­ri­a­do­res tra­di­cio­nais, com a pre­ten­são de ob­je­ti­vi­da­de?

Em seus es­tu­dos acer­ca da ra­zão his­tó­ri­ca, Jörn Rü­sen, in­te­lec­tu­al ale­mão con­tem­po­râ­neo, apro­xi­mou-nos da pos­si­bi­li­da­de de su­pe­rar tal am­bi­gui­da­de. Ele con­clu­iu, e nós com ele, que, co­mo não exis­te uma ra­ci­o­na­li­da­de úni­ca, mas sim di­ver­sos ti­pos de ra­ci­o­na­li­da­de, tra­ta-se, ago­ra, de de­sen­vol­ver um ti­po de ra­ci­o­na­li­da­de da cons­ti­tu­i­ção his­tó­ri­ca de sen­ti­do na for­ma de um pa­ra­dig­ma que re­sis­ta à crí­ti­ca fei­ta à ra­ci­o­na­li­da­de até o mo­men­to do­mi­nan­te no pen­sa­men­to his­tó­ri­co mo­der­no e que se ex­pri­ma em pre­ten­sões con­vin­cen­tes de ra­ci­o­na­li­da­de.

 

(Ro­gé­rio Lus­to­sa Vic­tor. Dou­tor em His­tó­ria e pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to Fe­de­ral de Bra­sí­lia. Email pa­ra con­ta­to: ro­ge­rio­lus­to­[email protected])

Comentários