Opinião

Repentes do lançamento de “racismo à brasileira”

diario da manha

O tí­tu­lo epi­gra­fa­do, au­to­ria do cor­de­lis­ta Pau­lo Nu­nes Ba­tis­ta, re­si­den­te em Aná­po­lis, Go­i­ás, foi es­cri­to em 30 de se­tem­bro de 1986, na ci­da­de ci­ta­da, quan­do lan­çá­va­mos Ra­cis­mo à Bra­si­lei­ra, ora reim­pres­so em 4ª edi­ção pe­la Edi­to­ra Ani­ta Ga­ri­bal­di, de São Pau­lo. As­sim co­mo ou­tros agra­dá­veis ver­sos do ad­mi­rá­vel Pau­lo, es­tes que o pro­vá­vel lei­tor vai ler, são uma das mais apre­ci­a­das re­lí­quias que guar­do no meu es­con­de­ri­jo in­te­lec­tu­al da Bi­bli­o­te­ca com mais de seis mil vo­lu­mes, só re­cen­te­men­te com li­vros ca­ta­lo­ga­dos e clas­si­fi­ca­dos por as­sun­to. No­tem que são 32 anos guar­dan­do com o mai­or ze­lo os apra­zí­veis ver­sos da ri­ca Li­te­ra­tu­ra de Cor­del de Pau­lo Nu­nes Ba­tis­ta, in­jus­ta­men­te es­que­ci­do no mais pu­jan­te mu­ni­cí­pio do in­te­ri­or de Go­i­ás, an­ti­ga Vi­la de San­ta­na das An­tas, às mar­gens de Ri­bei­rão an­tô­ni­mo, on­de tu­do o que já se fez e es­cre­veu so­bre ele ain­da é pou­co.

Num te­le­fo­ne­ma com o no­tá­vel en­sa­ís­ta e po­e­ta, Gil­ber­to Men­don­ça Te­les, acor­reu-me o quan­to Pau­lo Nu­nes vem sen­do ol­vi­da­do em seu vi­bran­te ta­len­to, me­re­cen­do in­fin­das ho­me­na­gens, jus­ti­fi­can­do as mais jus­tas re­ve­rên­cias no sua la­bu­ta ar­tís­ti­ca, avi­zi­nhan­do-se de cem anos. Se­gun­do Di­ci­o­ná­rio do Es­cri­tor Go­i­a­no, do ines­que­cí­vel Jo­sé Men­don­ça Te­les, nas­ceu em Jo­ão Pes­soa – PB, no dia 2 de agos­to de 1924. Fi­lho do po­e­ta po­pu­lar e fol­clo­ris­ta Fran­cis­co das Cha­gas Ba­tis­ta e Hu­go­li­na Nu­nes Ba­tis­ta. Es­tá em Go­i­ás des­de 1947, on­de nun­ca dei­xou de ser po­e­ta, re­pen­tis­ta, tro­va­dor, cro­nis­ta, con­tis­ta, jor­na­lis­ta, con­di­ções ra­ras que o le­va­ram ao dis­pu­ta­do so­da­lí­cio da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras. Na AGL, não te­nho dú­vi­das, é o mais hu­mil­de en­tre os con­fra­des.

Agra­de­ço ao pro­fes­sor Gil­ber­to pe­la mo­ti­va­ção. Pe­ço des­cul­pas ao PNB, pe­la de­mo­ra na di­vul­ga­ção dos seus co­mo­ven­tes ver­sos, cu­jo con­te­ú­do e for­ma en­gran­de­cem a Li­te­ra­tu­ra de Cor­del, pa­tri­mô­nio cul­tu­ral ima­te­ri­al do Bra­sil des­de se­tem­bro des­te 2018. En­ri­que­cem, so­bre­tu­do, o li­vro no­ti­ci­a­do, um dos que mais me cau­sou ale­gria en­tre os que es­cre­vi. De to­do mo­do, tran­scre­vo ip­sis li­te­ris di­tos ver­sos, pa­ra que os lei­to­res do DM pos­sam de­gus­tá-los:

 

EM RA­CIS­MO À BRA­SI­LEI­RA

Mar­ti­nia­no Jo­sé da Sil­va

 

Em­pu­nha a ban­deia

da Lu­ta – com for­ça e fé –

con­tra o Pre­con­cei­to vil,

pro­van­do que no Bra­sil

o Ra­cis­mo es­tá de pé…

 

Li­vro sé­rio, de de­nún­cia,

de pro­tes­to e de com­ba­te,

mos­tra as “Raí­zes His­tó­ri­cas”

des­se mal que fun­do la­te

lá nas ori­gens da ra­ça:

o au­tor me­te a mão na mas­sa

e acha da cor­ren­te o en­ga­te…

 

O Ne­gro é dis­cri­mi­na­do

no so­ça­i­te, no ser­vi­ço

e até nas For­ças Ar­ma­das

e na Igre­ja se faz is­so…

An­jo Ne­gro? Que uto­pia!

E ao se fa­lar de Ma­gia –

ne­gra é no­me de fei­ti­ço…

 

Co­mo um po­vo tão mes­ti­ço

co­mo o nos­so – e so­fre­dor –

po­de ali­men­tar, ain­da,

o pre­con­cei­to de cor?!…

da res­pos­ta sol­to o mís­sil

que na­da tem de di­fí­cil:

é pu­ra fal­ta de AMOR!…

 

 

“Ne­gro não tem mais se­nhor!”

Se (en)can­ta no car­na­val…

Mas… ca­dê ne­gro al­mi­ran­te,

Bri­ga­dei­ro e ge­ne­ral?

Ca­dê ne­gro pre­si­den­te?

É ra­cis­mo, mi­nha gen­te!

É ra­cis­mo na­ci­o­nal!…

 

Pa­ra o ian­que de olho azul

o mes­ti­ço é “ca­ca­ra­cha”

Quer di­zer – ba­ra­ta… Aqui,

o “de san­gue no­bre” acha

Que ne­gro tem de fi­car

“on­de é seu lu­gar”…

Se­não, “en­tra na bor­ra­cha”…

 

Mas, ne­gro foi Cruz e Sou­za,

Nos­so Mai­or Sim­bo­lis­ta!

Ne­gro, So­la­no Trin­da­de,

Bom po­e­ta, co­mu­nis­ta…

Hen­ri­que e Mar­cí­lio Di­as –

Ne­gros – cu­ja va­len­tia

en­cheu dos bran­cos a vis­ta!…

 

Pa­tro­cí­nio, o jor­na­lis­ta

An­dré Re­bou­ças, Lu­iz

Ga­ma – fo­ram Gran­des Ne­gros

que en­gran­de­ce­ram o Pa­ís!

Que – com sua In­te­li­gên­cia –

se opu­se­ram à Pre­po­tên­cia

pa­ra o Bra­sil ser fe­liz!…

 

Ne­gro não é só Pe­lé…

Sam­ba, con­ga­da, ma­cum­ba,

ca­po­ei­ra, can­dom­blé…

Ne­gro é o Gri­to, que re­tum­ba –

e ba­lan­ça Deus no Ares –

do Qui­lom­bo dos Pal­ma­res,

com Zum­bi e Gan­ga Zum­ba!…

 

Li­ma Bar­re­to, mu­la­to,

Ma­cha­do de As­sis, tam­bém,

são gló­rias de nos­sas Le­tras

en­tre “o me­lhor” que elas têm…

Dan­do-lhes opor­tu­ni­da­de,

O Ne­gro, na So­ci­e­da­de

não fi­ca atrás de nin­guém!…

 

En­quan­to nos­sa ter­ra

fal­tar ter­ra, es­co­la e pão

pa­ra o po­vo – o nos­so Ne­gro

vai con­ti­nu­ar no chão…

Ca­ti­vo… dis­cri­mi­na­do,

opri­mi­do, fa­ve­la­do,

sob os pés de al­gum Pa­trão…

 

Obri­ga­do por seu li­vro,

Meu gran­de Mar­ti­nia­no

da Ba­hia, dan­do fru­tos

no fér­til so­lo go­i­a­no…

Le­vo o abra­ço cor’de­lis­ta

do Pau­lo Nu­nes Ba­tis­ta,

de Go­i­ás… Pa­rai­ba­no…

(Aná­po­lis, 30/09/86)

 

(Mar­ti­nia­no J. Sil­va, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e Mi­nei­ren­se de Le­tras e Ar­tes, IHGGO, Ubego, AGI, mes­tre em His­tó­ria So­ci­al pe­la UFG, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, ar­ti­cu­lis­ta do DM – mar­ti­nia­nojsil­[email protected]­hoo.com.br)

Comentários