diario da manha

Dos ori­gi­nais de meu li­vro O Ca­pi­tal de Deus (Edi­to­ra Ele­va­ção), res­sal­to:

Se al­gu­ma coi­sa de ru­im vi­er a nos acon­te­cer co­le­ti­va­men­te, se­rá pe­lo abu­so do que fi­zer­mos do nos­so ar­bí­trio li­vre, não por­que o mi­lê­nio es­te­ja às por­tas (es­tá­va­mos pa­ra en­trar no mi­lê­nio ter­cei­ro).

No li­vro Ação e Re­a­ção, de An­dré Lu­iz, na psi­co­gra­fia do Le­gi­o­ná­rio da Boa Von­ta­de Fran­cis­co Cân­di­do Xa­vi­er (1910-2002), em da­do mo­men­to o Es­pí­ri­to Dru­so, di­re­tor da Man­são Paz (uma no­tá­vel es­co­la de re­a­jus­te, no Mun­do Es­pi­ri­tual), di­ri­gin­do-se a An­dré Lu­iz e Hi­lá­rio, que es­tão num apren­di­za­do no­vo na­que­la Ca­sa de tran­si­ção, es­cla­re­ce: “(…) Nos­sos atos te­cem asas de li­ber­ta­ção ou al­ge­mas de ca­ti­vei­ro, pa­ra a nos­sa vi­tó­ria ou nos­sa per­da. A nin­guém de­ve­mos o nos­so des­ti­no se­não a nós pró­prios”.

Não in­ven­te­mos, pois, ob­stá­cu­los pa­ra as fa­ci­li­da­des que Deus co­lo­ca em nos­so ca­mi­nho. O pro­gres­so bem con­du­zi­do, ilu­mi­na­do pe­la Es­pi­ri­tua­li­da­de Su­pe­ri­or, é sa­tis­fa­ção pa­ra os po­vos. O Cri­a­dor re­ve­la-se nas coi­sas mais sim­ples. Co­mo afir­ma­va o fi­ló­so­fo gre­go Te­ó­cri­to (320-250 a.C.): “En­quan­to há vi­da, há Es­pe­ran­ça”.

Ora, a nos­sa exis­tên­cia ver­da­dei­ra é eter­na, por­tan­to… sem­pre ha­ve­rá Es­pe­ran­ça.

Te­mos de sa­ir da tan­gên­cia dos pro­ble­mas, pa­ra aden­trar no cer­ne das so­lu­ções. Daí a im­por­tân­cia do Evan­ge­lho-Apo­ca­lip­se, ele é a ba­se de to­da a ci­vi­li­za­ção mo­der­na.

 

Com a pa­la­vra, Pio XI

Ca­be aqui es­ta exor­ta­ção do Pa­pa Pio XI (Achil­le Rat­ti, 1857-1939), na En­cí­cli­ca Ca­ri­ta­te Chris­ti: “A cren­ça em Deus é o fun­da­men­to in­des­tru­tí­vel de to­da a or­dem so­ci­al e de to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre a Ter­ra” (…).

É evi­den­te que o ex-Car­de­al de Mi­lão, Itá­lia, se re­fe­re ao Deus re­co­nhe­ci­do co­mo Amor, na de­fi­ni­ção de Jo­ão Evan­ge­lis­ta, em sua Pri­mei­ra Epís­to­la, 4:8 e 20: “Aque­le que não ama não co­nhe­ce a Deus, pois Deus é Amor. Se al­guém dis­ser: ‘Amo a Deus’, e odi­ar a seu ir­mão, é men­ti­ro­so; pois aque­le que não ama a seu ir­mão, a quem vê, não po­de amar a Deus, a quem não vê”.

 

(Jo­sé de Pai­va Net­to, jor­na­lis­ta, ra­di­a­lis­ta e es­cri­tor. pai­va­net­[email protected]www.bo­a­von­ta­de.com)

TX

Comentários