diario da manha

“In­di­re­tas são a es­tra­té­gia de quem tem me­do de di­zer o que pen­sa. Não acer­tam o al­vo, mas dão a sen­sa­ção de “mis­são cum­pri­da”

Da­ni­el Ibar­Tof­fler

 

Eu, cur­sis­ta le­gal, par­ti­ci­pan­te e ob­ser­va­dor do “Cur­so pa­ra For­ma­ção de Pro­fes­so­res/2013”, ofe­re­ci­do pe­la Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Edu­ca­ção, pa­ra­be­ni­zo a equi­pe de co­or­de­na­do­res res­pon­sá­veis pe­la re­a­li­za­ção. Pri­mei­ro pe­la de­ci­são de tra­zê-lo a nos­sa re­gi­ão, ten­do co­mo van­ta­gem a aces­si­bi­li­da­de fá­cil. Em se­gun­do lu­gar, por pla­ne­jar que o al­mo­ço fos­se na pró­pria uni­da­de es­co­lar, as­sim os cur­sis­tas es­ti­ve­ram sem­pre jun­tos, en­ri­que­cen­do a so­ci­a­li­za­ção; e, sen­do o dia to­do, con­clu­í­mo-lo mais ra­pi­da­men­te. Tam­bém a di­vi­são das clas­ses por área de for­ma­ção di­re­cio­nou o fo­co, ain­da que uma su­ges­tão se­ja dig­na de no­ta: um mes­tre ou dou­tor, mi­nis­tran­do as au­las de téc­ni­cas em sua de­vi­da clas­se, se­ria o ide­al. Se os pro­fes­so­res e uni­da­des es­co­la­res ame­ni­za­ram os cus­tos do even­to, no es­ti­lo “va­qui­nha”, qual foi o in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro da Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção, no tal even­to? Ten­do tan­tos pro­fes­so­res mes­tres ami­gos da es­co­la nem um con­vi­da­do es­pe­ci­al!!!! Te­nho co­mo pon­to de me­lho­ra: a mo­ti­va­ção. Que o pro­fes­so­ra­do en­ca­re com mais gos­to os even­tos pro­mo­vi­dos pe­la SRE, qua­se de gra­ça! Nin­guém me­re­ce ou­vir, por ho­ras e ho­ras a fio, su­per­fi­ci­a­li­da­de das ori­en­ta­ções téc­ni­cas/ci­en­tí­fi­cas de quem não se apro­fun­dou! Em­bo­ra res­pei­ta­mos as su­as ex­pe­ri­ên­cias do dia-a-dia. Aí, a gen­te apren­de que só apren­de en­ve­lhe­cen­do.

Ve­jam as per­gun­tas de en­ca­mi­nha­men­to dos tra­ba­lhos pa­ra con­clu­são da­que­le pe­rí­o­do do Gru­po de Lín­gua Por­tu­gue­sa. Pa­re­ceu-me até a or­ga­ni­za­ção fra­sal da ex-pre­si­den­te Dil­ma:

“— Qual a es­tru­tu­ra do Cur­rí­cu­lo Re­fe­rên­cia Ex­pe­ri­men­tal de Lín­gua Por­tu­gue­sa (sic)?

— Co­mo as ex­pec­ta­ti­vas de apren­di­za­gem es­tão di­vi­di­das (sic)?

— De que for­ma as ex­pec­ta­ti­vas ori­en­tam o tra­ba­lho do pro­fes­sor (sic)?

— De acor­do com os con­te­ú­dos e as ha­bi­li­da­des des­cri­tas nas ex­pec­ta­ti­vas é pos­sí­vel tra­ba­lhar uma ex­pec­ta­ti­va sem con­si­de­rar as de­mais ex­pec­ta­ti­vas pro­pos­tas no bi­mes­tre (sic)?

— Co­mo en­si­nar Lín­gua Por­tu­gue­sa a par­tir dos con­te­ú­dos e das ex­pec­ta­ti­vas pro­pos­tas?”

Es­sa úl­ti­ma é uma gran­de in­cóg­ni­ta, quem pre­pa­rou o ma­te­ri­al es­cri­to e vi­su­al de­ve­ria es­tar ali pa­ra nos res­pon­der, com a re­cei­ta má­gi­ca de co­mo en­si­nar. Se o au­to­di­da­ta Pau­lo Frei­re es­ti­ves­se lá res­pon­de­ria iro­ni­ca­men­te di­zen­do, que “nin­guém en­si­na nin­guém, as pes­so­as apren­dem”. O ser Edu­ca-se por si!

Eu saí da­li mais ci­da­dão e me­nos pro­fes­sor!!! En­tão, de for­ma al­gu­ma foi de tu­do per­di­do, es­tou exa­ge­ran­do cer­ta­men­te! Que­ro di­zer so­bre o apren­di­za­do da con­vi­vên­cia, além de dar va­zão ao pra­zer de re­ver ve­lhos ami­gos. “Uma das gran­des ino­va­ções da pe­da­go­gia frei­re­a­na é con­si­de­rar que o su­jei­to da cri­a­ção cul­tu­ral não é in­di­vi­dual, mas co­le­ti­vo”, diz Jo­sé Eus­tá­quio Ro­mão, di­re­tor do Ins­ti­tu­to Pau­lo Frei­re, em São Pau­lo.

Mas, por ou­tro la­do, cá em meu mo­men­to de­mo­ra­do de re­fle­xão, pre­fi­ro, aci­ma de tu­do, la­men­tar-me so­bre os di­ze­res de Ben­ja­mim Franklin: “Quem se en­si­na a si mes­mo tem um to­lo co­mo pro­fes­sor”.

 

(Clau­de­ci Fer­rei­ra de An­dra­de, pós-gra­du­a­do em Lín­gua Por­tu­gue­sa, li­cen­cia­do em Le­tras, ba­cha­rel em Te­o­lo­gia, pro­fes­sor de fi­lo­so­fia, gra­má­ti­ca e re­da­ção em Se­na­dor Ca­ne­do, fun­cio­ná­rio pú­bli­co)

Comentários