Opinião

Você encara o não como sentença ou desafio?

diario da manha

Quan­do nos de­pa­ra­mos com a pa­la­vra não em nos­so ca­mi­nho, se­ja na vi­da pes­so­al ou pro­fis­si­o­nal, te­mos du­as op­ções: en­ca­rar a si­tu­a­ção co­mo uma sen­ten­ça ou co­mo um de­sa­fio a ser con­quis­ta­do. Par­ti­cu­lar­men­te, sem­pre en­ca­ro co­mo um de­sa­fio. Um dos me­lho­res exem­plos que pos­so pas­sar é co­mo al­gu­mas cri­an­ças li­dam com a ques­tão. Di­an­te de uma ne­ga­ti­va, al­gu­mas cho­ram, fi­cam tris­tes e se dão por ven­ci­das, mas ou­tras usam o não co­mo uma ala­van­ca pa­ra a bus­ca do sim. Fi­cam mais de­ter­mi­na­das, par­tem pa­ra ou­tros ar­ti­fí­ci­os e che­gam a mu­dar com­ple­ta­men­te a abor­da­gem pa­ra a con­quis­ta do tão es­pe­ra­do sim.

Quan­do tra­ze­mos es­sa re­a­li­da­de pa­ra a área pro­fis­si­o­nal, te­mos que li­dar com o não co­mo um es­ti­mu­lan­te pa­ra al­can­çar nos­sos ob­je­ti­vos nas ne­go­ci­a­ções. Pa­ra o ven­de­dor, por exem­plo, é uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de de­sen­vol­ver téc­ni­cas pa­ra con­quis­tar um cli­en­te, já que ele é um dos pro­fis­si­o­nais que mais es­cu­ta a pa­la­vra não ao lon­go de to­da a car­rei­ra.

O não nos pos­si­bi­li­ta ava­li­ar a si­tu­a­ção de uma for­ma mais am­pla, es­pe­cu­la­do­ra e nos for­ça a en­con­trar um ca­mi­nho di­fe­ren­ci­a­do pa­ra que pos­sa­mos che­gar ao sim do tri­un­fo. É pre­ci­so ter em men­te que o di­fe­ren­ci­al en­tre uma vi­tó­ria e uma der­ro­ta é co­mo va­mos li­dar com os “nã­os” que re­ce­be­mos, pa­ra ten­tar en­con­trar uma sa­í­da ca­da vez mais as­ser­ti­va no mun­do dos ne­gó­ci­os.

To­das as ve­zes que en­con­tra­mos um de­sa­fio é fun­da­men­tal lem­brar que o não é um con­vi­te, é a pre­mis­sa da bus­ca pe­lo sim. O sim pe­lo sim de for­ma gra­tui­ta, não pre­ci­sa de vo­cê, ele é au­tos­su­fi­ci­en­te. Por is­so, a de­ter­mi­na­ção, a in­con­for­mi­da­de com o não é fun­da­men­tal pa­ra nos man­ter vi­vos.  O não po­de ser en­ca­ra­do co­mo uma sen­ten­ça ou co­mo um de­sa­fio. En­ca­re co­mo um de­sa­fio!

 

(Má­rio Ro­dri­gues, di­re­tor do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ven­das (IB­Ven­das) www.ib­ven­das.com.br)

Comentários