Opinião

Novo viaduto ou elevado deve ser construído na BR-153

.

diario da manha
Maione Padeira, Presidente da Acirlag e vice-presidente da Faciest-GO

Aparecida de Goiânia cresceu muito nos últimos 12 anos, sobretudo com aumento da sua população de 590 mil para 601 mil habitantes. A cidade obteve crescimento populacional e agora demanda maior investimento público em áreas essenciais para a população.

Portanto, em razão do seu desenvolvimento econômico e social, surge agora a necessidade de criar novos loteamentos, equipamentos públicos – como unidades de saúde, escolas e praças – mas também de ampliar o volume de obras de infraestrutura e mobilidade urbana.

Centenas de obras já foram executadas ao longo desses anos com objetivo de melhorar a circulação de veículos, ciclistas e pedestres. Cinco eixos estruturantes – que compõe o Eixo Leste-Oeste – estão sendo implantados para interligar as macrorregiões do município. As pessoas vão ganhar mais tempo em seus deslocamentos, com vias sinalizadas e estruturadas.

Aparecida apresenta agora uma outra necessidade de infraestrutura viária: a de um viaduto no cruzamento da BR-153 com a Avenida Bela Vista, na divisa com a capital. A implantação deste elevado vai acelerar, sobretudo, o desenvolvimento da região Leste do município, impactada pelos problemas ocasionados pelo congestionamento do trânsito entre Aparecida e a capital.

O assunto inclusive foi tema de reunião na semana passada entre os prefeitos Rogério Cruz, Gustavo Mendanha, os presidentes Leopoldo Moreira (Aciag) Marcelo Baiocchi (Fecomércio), Carlão da Fox (Associação Goiana dos Municípios), empresário Marcos Campos (Antares Polo Aeronáutico) e outras lideranças empresariais. Na ocasião, apresentada a proposta, ficou acordado que basta aprovação do Senado para formalização de empréstimo, em andamento, para dar início às obras. 

Um investimento em mobilidade urbana que dará novo salto de desenvolvimento social e econômico da região leste de Aparecida. A Associação Comercial, Industrial e Empresarial da Região Leste (Acirlag), do qual, sou presidente, e a Faciest, presida por Rubens Fileti, são entidades do setor econômico que estão de mãos dadas com os empresários vai cobrar, apoiar e apresentar o quanto essa obra será importante para as duas cidades.

Comentários