Opinião

Capela Nossa Senhora das Graças é patrimônio arquitetônico no centro de Goiânia

A preservação dessa riqueza cultural e histórica existente no município representa a conservação da nossa memória

diario da manha
Foto: Walter Sales

Por Zander Fábio

No próximo dia 27 de novembro celebraremos o Dia de Nossa Senhora das Graças. Aproveitemos a data especial para pedir a ela graças sobre todas as famílias e lembrar que uma das igrejas mais virtuosas do município de Goiânia foi tombada por sua importância arquitetônica, histórica e cultural. Localizada no Setor Central, a Capela Nossa Senhora das Graças é um patrimônio cultural e apresenta-se em uma área em anexo à antiga Santa Casa de Misericórdia, próxima ao Centro de Convenções.

A preservação dessa riqueza cultural e histórica existente no município representa a conservação da nossa memória e é fundamental dizer conforme ditado popular: um povo sem memória é um povo sem futuro. Existem inúmeras formas de preservar um espaço geográfico social histórico no contexto da cultura material e imaterial como os tombamentos e registros. E tudo depende de processo administrativo ou legislativo.

Na Câmara Municipal de Vereadores de Goiânia, quando fui vereador aprendi que na gestão pública cada ente tem suas competências determinadas na Constituição a título da organização do Estado. Para os temas relacionados ao patrimônio histórico e de bens e direitos de valor artístico, estético, cultural e paisagísticos adotam-se a técnica jurídica de repartição vertical de competência sempre respeitando os interesses locais, documentos, obras e outros bens de valores históricos, artísticos e culturais, bem como monumentos, paisagens naturais e sítios arqueológicos.

Portanto, compete aos municípios proteger e valorizar nosso bem que é o patrimônio cultural local. Assim, a cidade se abre para novas formas de se pensar as categorias e modo de proteção cultural do município oportunizando que diferentes grupos sociais, utilizando-se das leis dos entes da federação com o apoio de acadêmicos e especialistas dialoguem, repensem conceitos, imagens do que querem guardar e definir como próprio e identitário dos bens culturais materiais e imateriais.

Assim, consolidamos a memória social para não ser um povo sem memória. A Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia com seu programa de Gabinete Itinerante está de portas abertas para ouvir os munícipes sobre as questões do patrimônio cultural material e imaterial de Goiânia.

*Zander Fábio é Secretário Municipal de Cultura de Goiânia

Comentários