Opinião

Parabéns a quem doa sangue

E durante todo esse período, fomos continuamente apoiados por um grupo de pessoas que foi de total importância para superamos essa crise

diario da manha

Por Luis Henrique Ribeiro Gabriel

Há quase dois anos estamos enfrentando uma crise sanitária, que atingiu as pessoas no mundo inteiro, com consequências traumáticas em todos os níveis e afetando de forma restritiva toda a área da saúde.

Como seria de se esperar, a hemoterapia foi continuamente impactada por esta crise pandêmica, desde o início, em todos os seus aspectos. Já no início, ela nos exigiu adaptação frente a mudanças na segurança de doadores, pacientes e colaboradores e a mudança de processos em saúde. Lidamos ainda com o aumento da demanda versos a insuficiência de insumos, a suspensão do atendimento eletivo e, ao mesmo tempo, o uso emergencial de hemocomponentes, como o plasma convalescente, que na ausência de tratamento específico para a Covid-19 e ainda com a vacina em desenvolvimento, foi intensamente utilizado.

E ainda tínhamos a necessidade de manutenção do estoque de hemocomponentes para atendimentos de urgência, pacientes em quimioterapia, eventos hemorrágicos, cirurgias e UTIs, o que a falta, poderia causar grandes danos no atendimento da saúde da população.

Continuamos atuando mesmo com a contaminação dos doadores e colaboradores pelo novo coronavírus. A ansiedade gerada pelo aumento da testagem maciça da população com resultados de exames positivo e a própria falta de conhecimento sobre esta doença, também foram desafios.

E durante todo esse período, fomos continuamente apoiados por um grupo de pessoas que foi de total importância para superamos essa crise. Cidadãos que superaram a insegurança, as polêmicas, a dificuldade de deslocamento, a situação econômica e ainda superando até o seu momento de dificuldades pessoais com suas próprias perdas, por total altruísmo e desejo de ajudar ao próximo sem nenhum benefício pessoal. O doador de sangue.

Nosso doador de sangue mostrou-se altruísta, empático, disponível e genuinamente preocupado com o bem-estar do próximo. Atendendo prontamente quando convocado, comparecendo como voluntário, insistindo em doar e até convencendo a outros da importância de doar neste momento. Nos mostrando a face de bondade dos brasileiros, que foi um dos portos-seguros neste momento.

A família Hemolabor, agradece a esses heróis que, através de seus atos, mostraram que são gente que gostam, muito, de gente. Nosso muito obrigado doador de sangue. É o que todos nós temos a dizer neste dia, seu dia, Dia Nacional do Doador de Sangue.

*Luis Henrique Ribeiro Gabriel é hemoterapeuta e diretor do Hemolabor

Leia também:

Comentários