Home / Política

POLÍTICA

Golpistas tem sigilo quebrado

Além dos oito investigados, PF tem autorização para quebrar sigilo de todos que mantiveram contato com os envolvidos

Imagem ilustrativa da imagem Golpistas tem sigilo quebrado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, autorizou que a quebra dos sigilos telefônicos e de dados dos oito investigados por incentivar e promover os atos antidemocráticos do dia 12 de dezembro de 2022, em Brasília. A decisão ocorre no âmbito das investigações sobre os atos golpistas e envolve apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro.

O que chama atenção conforme reportagem do jornalista, Rodrigo Rangel, do Metrópoles, é que a ordem expedida no dia 12 de dezembro do ano passado, após os atos, não mira apenas os oito investigados.

A decisão do ministro do STF, concede que os investigadores da Polícia Federal (PF), responsáveis pela investigação possam quebrar os sigilos telefônicos e de dados de todas as pessoas que tiveram contato com os investigados pelo incentivo e promoção dos atos antidemocráticos.

Outro ponto que é importante ressaltar, é que através das investigações, o núcleo de apoiadores do ex-presidente, seja atingido, e que até mesmo Bolsonaro possa ser ligado aos atos golpistas promovidos na capital Federal.

Relembre o caso

No dia 12 de dezembro do ano passado, após um líder indígena ser preso pela Polícia Federal. Apoiadores de Bolsonaro, deram início a atos de vandalismo. Durante o protesto contra a prisão do índio, "bolsonaristas" que estavam acampados em frente ao Quartel General do Exército em Brasília, tentaram invadir a sede da PF, e incendiaram carros, ônibus e depredaram órgãos públicos.

Os atos praticados no dia, são investigados pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e Polícia Federal (PF), que deflagraram no final do ano passado, a Operação Nero, que prendeu os envolvidos por incentivar os atos e comprar combustível para incendiar outros veículos.

Durante a operação deflagrada em conjunto pelo menos quatro pessoas foram presas, por envolvimento ou por financiar os atos do dia 12 em Brasília. Além da prisão dos envolvidos, a força tarefa encontrou também um arsenal de armas nas casas dos investigados pelos crimes.

Leia também:

  

edição
do dia

Capa do dia

últimas
notícias

+ notícias