Home / Política

POLÍTICA

Liderada por Caiado, base governista almeja 95% dos prefeitos

Eleito governador de Goiás com o apoio de apenas 14 prefeitos em 2018, o Palácio das Esmeraldas aposta que Ronaldo

Ronaldo Caiado e Daniel Vilela: força eleitoral da base aliada com União Brasil e MDB à frente Ronaldo Caiado e Daniel Vilela: força eleitoral da base aliada com União Brasil e MDB à frente

Com a liderança de Ronaldo Caiado (UB), palacianos avaliam que 2025 deve começar com mais de 230 prefeitos integrando a base governista. A previsão, se consumada, implicará dizer que o governador terá invertido a tabela de apoio que encontrou em 2018, quando foi eleito pela primeira vez com o apoio de apenas 14 chefes de executivos municipais, entre os 246 de todo o estado. Aliados apostam que, com a eleição de outubro próximo, a base caiadista conseguirá manter o comando das cerca de 236 prefeituras, cujos prefeitos são apoiadores de Caiado.

Depois dos recessos de fim de ano e da completa recuperação da cirurgia realizada no último dia 17, Ronaldo Caiado deve iniciar, efetivamente, as conversas com aliados, com a finalidade de cuidar da sucessão nos municípios. O intuito é trabalhar pela manutenção da hegemonia da base nas cidades onde os prefeitos já são aliados. A intenção, segundo interlocutores palacianos, é construir candidaturas viáveis e que respeitem a realidade dos municípios. Onde for possível, a ideia é trabalhar pelo consenso. Se não for possível, que a disputa transcorra de forma que a base seja preservada.

Na avaliação de aliados, o União Brasil, do governador Ronaldo Caiado, e o MDB, do vice-governador Daniel Vilela, devem liderar o processo na maioria dos municípios, e vão marchar unidos com o intuito de evitar dissidências. O União Brasil quer manter as 110 prefeituras do partido, e o MDB pretende eleger ao menos 70 prefeitos em todo o estado. A sintonia entre Caiado e Daniel é fato que não passa despercebido na base e reforça a expectativa de sucesso absoluto no pleito de outubro próximo.

Liderança inconteste

Com índice de aprovação que ultrapassa 80% em alguns institutos de pesquisa, o governador Ronaldo Caiado, sem dúvidas, será o grande protagonista das eleições municipais deste ano, dizem os aliados, posição que é corroborada por analistas e cientistas políticos, que consideram que o candidato apoiado por Caiado, seja nas maiores ou menores cidades, virá muito forte para a disputa municipal.

Caiado tem dito que a escolha de candidaturas e resolução de quaisquer conflitos que envolvam possíveis candidatos da base governista acontecerão efetivamente a partir de fevereiro próximo, depois do período carnavalesco. Segundo o governador, essas candidaturas serão construídas em sintonia com os presidentes de partidos aliados para que as legendas caminhem unidas em torno de nomes competitivos nos respectivos municípios.

“Esse assunto (eleições municipais) vai ser discutido a partir de agora e acho que o mês de fevereiro é fundamental para que a gente já tenha esse processo bem avançado. Tive uma conversa longa de mais de duas horas com o vice-governador Daniel Vilela e essa análise municipal já está sendo feita”, disse Caiado em recente entrevista ao jornal O Popular.

Daniel Vilela diz que está fazendo um levantamento geral em todo o estado junto com o União Brasil, presidido pelo governador Ronaldo Caiado, com o objetivo de apontar onde cada uma das legendas deve encabeçar a disputa. O MDB tem órgãos partidários registrados em 167 municípios de Goiás, e deve ampliar esse número até junho deste ano.

Sem Ana Paula e Bruno Peixoto, Darrot pode ser a opção em Goiânia

Pelos menos dois episódios recentes apontam que o processo de escolha do pré-candidato da base governista para a prefeitura de Goiânia foi zerado e deve ser retomado logo após o carnaval. O primeiro, diz respeito à fala do governador Ronaldo Caiado, que, em entrevista ao jornal O Popular, praticamente descartou o seu apoio a uma eventual candidatura à reeleição do atual prefeito da capital, Rogério Cruz (Republicanos).

Segundo Caiado, o nome a ser escolhido pela base deve reunir condições de fazer com que Goiânia “volte a crescer”, o que expõe claramente sua indisposição com a atual gestão. “Serão nomes que vêm demonstrando sua trajetória, sua capacidade de gestão, o apoio que vão ter de partidos políticos e lideranças, e construindo uma candidatura capaz de dar tranquilidade à população de Goiânia. Voltar Goiânia a crescer no sentido de infraestrutura, como também de qualidade de vida, que é o que a população espera de nós”, disse.

O recuo do deputado Bruno Peixoto (UB), presidente da Assembleia Legislativa, que retirou seu nome do leque de pré-candidatos a prefeito de Goiânia, é outro episódio que mostra que o processo de escolha do nome da base, com vistas à eleição para o Paço, ainda não começou. Depois de intensa campanha midiática na tentativa de emplacar seu nome como candidato da base governista, Peixoto atendeu pedido do governador Ronaldo Caiado e desistiu da disputa, dizendo que irá priorizar sua candidatura a deputado federal em 2026.

A desistência do presidente da Alego mostra, sobretudo, que será, de fato, Ronaldo Caiado quem efetivamente, em última instância, decidirá quem será o candidato a prefeito de Goiânia por sua base aliada. Para o presidente metropolitano do União Brasil, ex-deputado Waldir Soares, hoje presidente do Detran-Go, a decisão quanto a eleição para prefeito de Goiânia, por sua extrema importância para a base, tem que ser tomada em grupo, sem desconsiderar, também, que o comandante das decisões políticas no União Brasil é o governador. “Antecipar esse processo não era e nem é a pretensão dos partidos da base e, principalmente, do governador. Então, o Bruno entendeu isso e nesse período vai estar tocando outro projeto”, aponta Soares.

Jânio Darrot

Depois que a advogada e empresária Ana Paula Rezende (MDB), filha do ex-prefeito de Goiânia e ex-governador Iris Rezende, descartou encabeçar a chapa governista à prefeitura de Goiânia, Caiado e Daniel, a partir de pesquisas qualitativas, cogitaram lançar o ex-prefeito de Trindade por dois mandatos, Jânio Darrot, hoje no MDB, já que o empresário preencheria o perfil de gestor desejado pelo eleitor goianiense. Para evitar qualquer tipo de confronto, Darrot, no entanto, preferiu se recolher e aguardar a decisão definitiva do governador.

Com a decisão de Bruno, o ex-prefeito deve reiniciar seus movimentos políticos, entre eles uma nova visita à Ana Paula Rezende, que já foi convidada a integrar a sua chapa na condição de vice. Em novembro do ano passado, Jânio e Ana Paula se encontraram no escritório da emedebista, e na oportunidade o ex-prefeito de Trindade declarou que o nome da filha de Iris Rezende para a vice é o melhor cenário que ele poderia prever. “Se eu for candidato lá na frente, é o melhor cenário que eu poderia imaginar. Ela é preparada, tem uma vivência muito grande com administração pública. Mesmo não tendo exercido cargo público, sempre acompanhou o pai”, argumentou à época.

Leia também:

  

edição
do dia

Capa do dia

últimas
notícias

+ notícias