Política & Justiça

General defende a democracia

Comandante de Operações Especiais, que será responsável pela segurança das Olimpíadas Rio 2016, é homenageado pela Alego e destaca importância do Legislativo

diario da manha
Do presidente Helio de Sousa, o general Arruda recebe homenagem de iniciativa da deputada Adriana Accorsi (Y. Maeda)

Marcus  Vinícius Da editoria de Política&Justiça

Ogeneral de divisão Júlio César de Arruda, comandante de Operações Especiais do Exército Brasileiro, fez um discurso que merece elogios. Homenageado com a Medalha do Mérito Anhanguera, da Assembleia Legislativa de Goiás, o militar fez uma elegia à democracia.”Ostentar esta medalha é uma honra e uma grande responsabilidade. Honra por estar sendo homenageado neste histórico Plenário Getulino Artiaga, onde são discutidas e elaborada as leis, e onde serão debatidas inciativas que vão trazer mais segurança, mais democacia e mais desenvolvimento para todo os goianos. É uma responsabilidade, pois quem a recebe deve seguir o exemplo de Pedro Ludovico Teixeira, um dos maiores líderes políticos goianos, homem de caráter e com perfil democrático”, frisa.
A honraria foi iniciativa dos deputados Major Araújo (PRP), Adriana Accorsi (PT) e do presidente da Assembleia, Helio Sousa (DEM). Na visita da presidente Dilma Rousseff (PT) a Goiânia, o general e a companhia que dirige foram os responsáveis pela segurança do evento.
Além de uma homenagem, o evento foi também de despedida. O general Júlio C. Arruda será responsável pela segurança dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. O Comando de Operações Especiais é o órgão responsável pela coordenação do eixo prevenção e combate ao terrorismo e defesa química, biológica, radiológica e nuclear nos grandes eventos (Copa 2014, Paraolimpíadas e Olimpíadas Rio 2016).
No seu discurso, a deputada estadual Adriana Accorsi agradeceu ao gemeral Arruda pelos serviços prestados a Goiás e desejou sorte na nova missão, que signifca muito para a imagem do Brasil no exterior.
Sob o comando do general Arruda atuarão: Forças de Operações Especiais das Forças Armadas, das polícias estaduais civis e militares, da Polícia Federal e membros da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que farão a segurança de atletas e visitantes estrangeiros durante as Olimpíadas Rio 2016.
Em 2002, o Comando do Exército transferiu à Brigada de Operações Especiais do Rio para o centro do País e Goiânia foi a cidade escolhida, segundo o general Arruda, pela sua infraestrutura em rodoviais, ferrovias e aeroportos e também qualidade de vida. “As famílias de nossos militares gostam da acolhida e da qualidade de vida desta linda cidade. Eu, como mato-grossense, já sabia que seria prazerosa a convivência com os goianos. Viver deste jeito é bom demais da conta”, brinca.
A Brigada, localizada no Setor Santa Genoveva no antigo 42° Bimtz, é um comando estratégico, único com tropas especiais em toda América Latina. Seus militares atuam em missões no Brasil, na pacificação de favelas no Rio e no exterior, na estabilização de países como Haiti, Congo, entre outros.
Durante este período de 14 anos, o Comando de Operações Especiais recebeu acréscimo de oficiais, subtenentes e sargentos que se fixaram na Capital. Cerca de 350 recrutas são treinados todos os anos na unidade, que é a única do Cone Sul a contar com um túnel de vento para treinamento de paraquedistas. “Devolvemos à sociedade um soldado-cidadão, que cumpre o seu dever, sabe dos diretios, respeita o próximo em qualquer situação. Por tudo que os homens e mulheres que servem no Comando de Operações Especias fizeram nestes onze anos, creio que estamos retribuindo e dando a nossa contribuição a todos os goianos que nos receberam de braços abertos”, ressalta.
Finalizando, o general Arruda, enalteceu mais uma vez o papel do Legislativo goiano no desenvolvimento do Estado, agradeceu aos deputados Major Araújo, Adriana Accorsi e Helio de Sousa pela homenagem e pediu que “o Divino Pai Eterno sempre abençoe e proteja os goianos”.
Aqueles que vão às ruas pedir a volta da ditadura, sem saber que servem de massa de manobra para interesses escusos, antidemocráticos e golpistas, deveriam ouvir com atenção das palavras do general Arruda, um homem que desde os 15 anos de idade dedicou sua vida a serviço do Brasil e dos brasileiros, e que, aqui em terras goianas, o em missões no exterior, serviu à bandeira nacional com idealismo, professando sua fé na democracia e no respeito ao próximo.

Comentários

Mais de Política & Justiça