Política & Justiça

Mostra revisita a ditadura no Brasil

diario da manha

Renato Dias,Da editoria de Política&Justiça

Com a exibição do documentário Osvaldão, o projeto Cinema Pela Verdade, coordenado pelo estudante de História da Universidade Federal de Goiás (UFG), Túlio Henrique Queiroz e Silva, abre, hoje, às 19h, no Auditório do Museu Antropológico da UFG, na Praça Universitária nº 1166, Goiânia, a quarta edição de Cinema e História com o tema da ditadura civil e militar. Após o filme, haverá um debate com os professores Romualdo Pessoa, historiador especialista em guerrilha do Araguaia (1972-1975), e Ana Lúcia Vilela, docente de História da Arte e do Cinema.

O filme Em Busca de Iara, de Flávio Frederico, está programado para amanhã, às 19h, no mesmo local. Logo depois, ocorrerá uma apresentação do perfil da guerrilheira Iara Iavelberg, ex-militante da Vanguarda Armada Revolucionária-Palmares (VAR-Palmares), mesmo organização de Dilma Rousseff, além de ter sido dirigente da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e do Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8), a ser feita pelo jornalista e sociólogo Renato Dias, do Diário da Manhã, e Alcilene Cavalcante, professora de Artes da UFG.

Não custa lembrar: a bela Iara Iavelbergfoi executada em agosto de 1971, na cidade de Salvador, Bahia.

Ela era companheira do capitão da guerrilha, Carlos Lamarca, que havia sido dirigente da VAR-Palmares, VPR e que morreria, no dia 17 de setembro do mesmo ano, no sertão nordestino, como um quadro revolucionário do MR-8, grupo de Daniel Aarão Reis Filho (RJ).  Os dois defendiam a estratégia de luta armada contra a ditadura civil e militar instalada em 31 de março de 1964, além da construção do socialismo na pátria de chuteiras – Brasil.

Preto e branco

O filme Democracia em Preto e Branco, de Pedro Asbeg, que atuou na produção de Cidadão Boilesen, de ChaimLitevski, vai ser exibido, quinta-feira, às 19h, também no Auditório do Museu Antropológico da UFG. Para o debate está escalado Tiago Zancope, historiador e integrante do  Grupo de Estudos de História e Futebol (Gehfut).

“Nas três edições anteriores, a Mostra Cinema pela Verdade atingiu um público de 54.728 pessoas, com 12 filmes exibidos em 623 sessões nas 27 unidades federativas. Ao todo, 1.124 debatedores participaram em 605 debates”, diz Túlio Henrique.

Comentários