Política & Justiça

Confiança do empresário do comércio é a menor desde 2011

Da redação, com assessoria

diario da manha

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) voltou a registrar queda pelo sexto mês consecutivo. Com 90,6 pontos, esta é a pontuação mais baixa desde abril de 2011, quando a pesquisa começou a ser divulgada pela Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio-GO). Se comparado ao mês de abril (94,6 pontos), o recuo foi de 4,3%. Já em comparação a maio de 2014 (117,9 pontos) a queda é de 23,15%. De acordo com a metodologia da pesquisa, que pode obter resultados variantes entre 0 e 200 pontos, 100 é a fronteira entre a insatisfação e a satisfação dos empresários.

A pesquisa que é realizada em parceria com a Confederação Nacional do Comércio (CNC) foi divulgada ontem pelo presidente da Fecomércio Goiás, José Evaristo dos Santos. “O momento é de recessão econômica, o que significa que o País sofre um declínio significativo na sua taxa de crescimento econômico. Portanto, agora é necessário que o empresário reaja à crise”, observa o presidente da Fecomércio.

A situação atual dos estoques está adequada para 43,7% das empresas. Já as que estão com o estoque acima do adequado cresceram de 32,9% para 38,7% e 17,2% estão com a situação abaixo do adequado. “Estoques adequados significa que o empresário está com mercadorias disponíveis para venda e acima do adequado revela uma preocupação, pois significa que o dinheiro investido está parado”, explica o presidente da Fecomércio.

Um dos componentes do ICEC, o Índice de Expectativa do Empresário do Comércio registrou uma queda de 3,5 pontos, passando de 82,3 pontos, em abril, para 78,8 pontos, em maio. Outro dado apresentado na pesquisa indica que a contratação de funcionários passou de 110,3 pontos em abril, para 103,5 pontos em maio, apontando uma queda de 6,2%. Apenas 12,7% das 221 empresas entrevistadas projetaram aumentar muito o número de funcionários, 39% pensam em aumentar pouco e 39,2% planejaram reduzir pouco.

Comentários