Política & Justiça

‘Mesmo que o TRF o condene, Lula irá registrar sua candidatura à presidência’

diario da manha
O deputado federal Rubens Otoni Gomide [PT]
  •  Registro será efetivado em 15 de agosto, mas, enquanto isso, o petista estará circulando pelas cinco regiões do Brasil, diz deputado federal
  •  Se decisão do TSE for negativa, assessoria jurídica do PT poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal e obter uma liminar, informa o dirigente
  •  TSE emitirá parecer 20 dias antes da eleição, que ainda cabe recurso. Pleito ocorrerá em 1º de outubro do ano que vem, explica o parlamentar
  •  Pesquisas de opinião pública mostram que ex-presidente da República ganharia eleição já no primeiro turno PT quer PC do B, PDT, PCO e Psol

 

Mesmo que o TRF 14ª Região condene, em segunda instância, no próximo dia 24 de janeiro, o ex-presidente da República por dois mandatos consecutivos Luiz Inácio Lula da Silva [2003-2006 e 2007-2010], o PT irá registrar, dia 15 de agosto de 2018, a sua can­didatura ao Palácio do Planalto. É o que diz ao Diário da Manhã o deputado federal Rubens Oto­ni Gomide [PT].

– Não há crime. Nem na denún­cia do tríplex, em Guarujá, muito menos no caso do Sítio de Atibaia.

O Tribunal Superior Eleito­ral [TSE] emitirá um parecer 20 dias antes das eleições, explica o parlamentar, que denunciou o golpe contra Dilma Vana Rous­seff, eleita, em outubro de 2014, com 54,5 milhões de votos váli­dos, e afastada, em um impea­chment, em 2016. O pleito ocor­rerá em 1º de outubro de 2018. Se a decisão for negativa, ain­da cabe um novo recurso, frisa.

– O TSE irá apreciar e julgar o re­curso da defesa.

Se o TSE não emitir uma limi­nar favorável, a assessoria jurí­dica de Luiz Inácio Lula da Silva pode ainda recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral [STF], pontua o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, em Goiás, e que disputará, no ano que vem, a reeleição à Câmara dos Depu­tados. O STF pode dar uma limi­nar e garantir que o ex-operário concorra e se ganhar, assuma.

– Não há nada definido.

O maior líder do PT em Goiás Rubens Otoni Gomide denuncia o desmonte do Estado. Mais: cri­tica as reformas do Ensino Médio e Trabalhista. Ele ataca a abertu­ra para a exploração pelo capital estrangeiro do Pré-Sal e conde­na o processo de terceirizações, a onda de desemprego, a alta da inflação, a elevada taxa de juros, o valor do dólar e vê o derreti­mento de Michel Temer.

– A Reforma da Previdência, que irá retirar direitos históricos dos tra­balhadores urbanos e rurais, não será aprovada no dia 19 de fevereiro de 2018, na Câmara dos Deputados.

ALIANÇAS POLÍTICAS

Animado, Rubens Otoni Go­mide revela que PT e PCdoB estão em conversas adianta­das para a eleição majoritária e proporcional – Assembleia Legislativa e Câmara dos De­putados , em Goiás. A ideia é incluir o PDT também, dispa­ra. O ‘band leader’ da esquer­da goiana pretende conversar e atrair o PSol [Partido Socia­lismo e Liberdade]. Para uma frente de esquerda, frisa.

– É possível elegermos três depu­tados federais, seis a sete estaduais.

O PT possui um deputado federal – Rubens Otoni Go­mide – e três estaduais, ape­sar de ter conquista­do quatro cadeiras, em 2014. O PCdoB tem uma deputada estadual com densidade eleito­ral e política, Isaura Le­mos. O PDT lançará Kar­los Cabral e Flávia Morais à reeleição. O PSol pode eleger nomes como Reinal­do Pantaleão, Flávio Sofiatti e Washington Fraga.

 

Comentários