Política & Justiça

Lula é transferido para presídio em São Paulo

A decisão da Juiza Carolina Lebbos da 12ª Vara Federal de Curitiba, foi publicada no sistema de Justiça do Paraná na última quarta-feira (06/08).

diario da manha
Foto: Reprodução

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) será transferido da carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba, para um presídio de São Paulo.

A decisão da Juiza Carolina Lebbos da 12ª Vara Federal de Curitiba, foi publicada no sistema de Justiça do Paraná nesta quarta-feira (7/8). Também não informa em qual unidade prisional de São Paulo onde Lula ficará preso.

A  juíza levou em consideração o pedido da defesa de Lula, já que em São Paulo, o ex-presidente ficaria mais próximo de seus familiares e amigos.

Juíza alegou que a decisão pela transferência de Lula foi para reduzir as despesas financeiras pela prisão do ex-presidente

Além disso a juíza alegou que também decidiu pela transferência de Lula afim de reduzir as despesas financeiras geradas na custódia do ex-presidente.

Carolina Lebbos é a juiza responsável pela execução penal do ex-presidente. Lula está detido em Curitiba desde abril de 2018, por ter sido condenado a cumprir pena de 12 anos de prisão no caso do triplex do Guarujá (SP).

Lula está preso desde abril do ano passado

O ex-presidente Lula está preso desde o dia 7 de abril do ano passado. Na ocasião, agentes da Polícia Federal (PF) estiveram na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernado do Campo.

Lula estava reunido com a cúpula do partido desde o dia 5 de abril. Antes de se entregar a PF, apoiadores do ex-presidente não queriam deixar que o mandado de prisão contra Lula fosse cumprido e após dois dias de negociação Lula se entregou à Polícia.

Desde então o ex-presidente cumpre pena na unidade da Polícia Federal em Curitiba e foi transferido nesta quarta para uma unidade prisional da capital paulista. Lula foi condenado a 12 anos de prisão pela juíza que assumiu o cargo ocupado anteriormente pelo atual ministro da Justiça Sérgio Moro.

*Com informações do G1 e R7

Comentários