Política & Justiça

Dilma sobre Bolsonaro: “Não tem o chip da moderação; ele é tosco e misógino”

Dilma Rousseff participou do evento: "O Brasil ainda é o país do futuro?"

diario da manha
Foto/Reprodução

Durante conferência na última terça-feira (17/9), na Universidade Sorbonne, em Paris, na França, a ex-presidente Dilma Rousseff teceu alguns comentários críticos ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). A ex-chefe do executivo classificou Bolsonaro como um neofacista e neoliberal.

“Quando o neofascismo se junta com o neoliberalismo, é fundamental que o aspecto democrático seja ressaltado porque é ele que cria a contradição. Porque eles [apoiadores de Bolsonaro] passam a ter incômodo com o fato de ele ser tosco, com o fato de ele ser misógino”, considerou a ex-presidenta. “Ele é neo porque ele não é nacionalista, ele bate continência para os Estados Unidos”, explicou Dilma.

Além disso, para Dilma Rousseff , Bolsonaro “não tem chip de moderação”. Segundo ela, a ausência deste chip seria o principal motivo dos ataques a figuras como a primeira-dama francesa, Brigitte Macron, e a Alta Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet. A petista ainda acrescentou que “ele [Bolsonaro] defende a tortura e o assassinato político”.

A conferência de Dilma Rousseff sobre o Brasil contemporâneo se deu durante o evento intitulado “O Brasil ainda é o país do futuro?”, organizado pela Sorbonne em parceria com outras universidades francesas e com a Rede Europeia pela Democracia no Brasil (RED.Br) e moderado por Olivier Compagnon, professor do Instituto de Altos Estudos em América Latina.

Comentários