Política & Justiça

Livro sobre a dupla Zezé Di Camargo e Luciano é liberado após mais de 10 anos de censura

Autora da obra alega que cumpriu dez meses de prisão pelo crime de extorsão após cair em uma emboscada criada pela dupla goiana

diario da manha
Foto: Reprodução

No último mês de agosto, após uma censura de mais de dez anos, o livro “A Reportagem Proibida”, da jornalista Edna Santos foi liberado para voltar a circular. A Justiça havia censurado a obra em 2006 quando os exemplares foram recolhidos de todas livrarias cinco dias após sua publicação.

Edna Santos revelou ao DM que após muitos momentos difíceis em sua carreira como jornalista investigativa a censura de seu livro e as perseguições envolvidas no caso com os cantores Zezé e Luciano foi algo que a abalou. “Está sendo difícil emocionalmente. Mas fora disso, acho que estou bem, superei”, diz.

Divido em 14 capítulos, o livro tem a proposta de evidenciar os riscos expostos aos jornalistas que não se submetem a ‘ditadura econômica’. “A ditadura econômica é pior que a ditadura militar porque a partir do momento em que você não aceita as portas se fecham. As portas se fecharam para mim em Goiás, hoje trabalho para São Paulo”.

“Recebi muitas propostas para não publicar matérias”

Para a jornalista, a influência do governo sobre os jornais e as propostas de pagamentos de propina muitas vezes não permite que o jornalista investigativo exerça plenamente sua função de dizer a verdade sobre os fatos.

“É uma ditadura que não sei nem lidar, a outra é mais transparente, você é preso, torturado, cumpre sua pena e na ditadura econômica você é usado”.

Em uma crítica ao jornalismo televisivo atual ela aponta, “as pessoas querem ouvir aquilo que as agrada”. “A sociedade quer uma cesta básica, quer a esmola que alguns apresentadores de televisão chamam de cidadania, outra coisa que não entendo”, afirma.

Capa do livro de Edna Santos
“O livro é um resgate dos fatos. Ele mostra o que um jornalista pode passar quando resolve escrever a verdade” – Edna Santos / Foto: Reprodução

Perseguições

De acordo com a jornalista, as perseguições contra ela teriam começado quando ela não aceitou dinheiro para ‘abafar’ uma denúncia de que Luciano teria esbofeteado um menor no centro de Goiânia e publicado a matéria sobre o caso.

“O próprio Luciano me ligou dizendo que queria apresentar a versão dele dos fatos. Estou acostumada a ir em todos os lugares ouvir as versões dos fatos e eu fui”, na ocasião a jornalista foi presa por extorsão. Porém, ela alega que nada foi apresentado, “geralmente em uma prisão de extorsão tem foto, áudio, no meu caso não, ficou um disse me disse”.

Jornalista, autora do livro “A Reportagem Proibida”
Edna Santos/ Foto: Reprodução Twitter

“Fui presa simplesmente porque eu quis ouvir a versão dele, foi só por isso”, aponta Edna Santos.

Além disso, a dupla conseguiu censurar o livro e recolher, via judicial, os jornais que falavam sobre o seu lançamento. Edna já declarou em ocasiões anteriores ter recebido propostas pelos direitos autorais da obra.

Livro revela polêmicas

De acordo com a autora, o livro também revela os bastidores da emboscada preparada contra ela pela dupla de cantores goianos Zezé Di Camargo e Luciano, onde ela teria sido atraída a São Paulo para ser presa por uma falsa acusação de extorsão.

Conforme Edna Santos, a obra ‘Zezé e Luciano – A reportagem proibida’ é composta por documentos, recortes jornalísticos e depoimentos de promotores, procuradores, advogados e colegas jornalistas.

Além disso, a escritora afirma que a produção revela escândalos e polêmicas envolvendo a dupla formada pelos irmãos Mirosmar José de Camargo conhecido como Zezé e Welson David de Camargo conhecido como Luciano.

A jornalista que ficou 10 meses detida em um presídio especial, no Portal do Morumbi, diz que seu foco não é a vida sexual dos integrantes da dupla. “Não fiz a matéria por causa de caso amoroso”, pontua.

Comentários