Política & Justiça

Psiquiatra forense Guido Palomba faz análise preliminar das condutas do presidente Jair Bolsonaro

Maior especialista em psicopatas e serial killers do Brasil analisa conduta do político à luz da teoria sobre condutopatias. Guido Palomba é chamado pelo Judiciário para dar pareceres em processos que apuram delitos

diario da manha

Um dos mais conceituados psiquiatras forenses do Brasil, o médico Guido Palomba, ex-presidente da Academia de Medicina de São Paulo, escreveu artigo em que assume a possibilidade do presidente Jair Bolsonaro ter traços de psicopatia – o médico prefere o termo condutopatia.

A publicação veiculada na “Folha de S. Paulo” tem uma análise baseada no livro “Die Psychopathischen Personlichkeiten”, de Kurt Schneider, considerada a “Bíblia” da pesquisa médico-forense.

Em entrevista para a TV Cultura, o psiquiatra  analisa traços como falta de empatia e remorsos: “São ególatras, indivíduos que não tem remorso nunca”.

“São tidos como pessoas toscas, capazes de fazer determinados comportamentos e não percebem aquilo que estão fazendo de errado’.

O médico se atreve a traçar hipóteses: “Diante do comportamento do senhor Jair eu acho que há elementos suficientes para que possa se dar uma hipótese diagnóstica”.

Guido afirma que eles “se acham poderosos, pensam que só eles estão certos. Vem daí a tirania”.

Uma das condições médicas e sociais, diz Guido, seria não permitir que condutopatas tenham “poder de mando”. Para ele, na entrevista para a TV Cultura, quando o doente tem “é sempre uma lástima”.

Guido Palomba é uma das principais referências nacionais em psiquiatria forense, com maior número de obras publicadas e parecerista em inúmeros crimes que tiveram notoriedade no Brasil.   

Em um dos casos mais rumorosos do país, um parecer de Guido foi rejeitado em 2014 pela juíza Sueli Zeraik de Oliveira, responsável por julgar a progressão do regime fechado da assassina dos pais Suzane Von Richthofen. Para a magistrada, a análise teria sido parcial e contrária à criminosa, já que o especialista tinha uma opinião prévia da criminosa.

A reportagem da Cultura não ouviu a versão do presidente nem trouxe comentários de Bolsonaro quanto ao que foi dito pelo especialista.

ÍNTEGRA DO ARTIGO PUBLICADO PELA FOLHA

Jair Messias e o ‘pai dos psicopatas’

Psiquiatra alemão escrutinou as características de personalidades anormais

Guido Palomba

Psiquiatra forense, é membro emérito e ex-presidente da Academia de Medicina de São Paulo

Personalidades Psicopáticas” é o título no Brasil do livro “Die Psychopathischen Personlichkeiten”, de Kurt Schneider, psiquiatra alemão. A obra rendeu-lhe reconhecimento e a alcunha de “pai dos psicopatas”

É ótima fonte para decifrar distúrbios de personalidade em tempos tensos, como os desta pandemia. Suas descrições tipológicas baseiam o diagnóstico de desvios de comportamento social, resultados da ausência de sentimentos de piedade, compaixão e altruísmo; da falta de valores éticos-morais; e da incapacidade de se reconhecer culpado. São indivíduos sem remorso e arrependimento.

Schneider destaca características de personalidades anormais. Carentes de compaixão, toscos em regra, anestesiados de senso moral. Frente ao sofrimento alheio, à morte de milhares de pessoas, não medem palavras, como “eu não sou coveiro”, “chega de frescura” e “vai ficar chorando até quando?”. Não há ressonância afetiva com a dor alheia.

Por vaidade exagerada, se acham acima de tudo, de todos. Não toleram contrariedades: reagem com expressões “quem manda aqui sou eu”, “eu sou o chefe supremo”, “faço o que quero” e outras ególatras.

São agressivos, mal-educados e provocadores. Kurt Schneider menciona que esses sujeitos oferecem dificuldades particulares em circunstâncias militares. O desacato e a desobediência são marcas da carreira. A insubordinação/mau comportamento redundam em prisão, expulsão ou abandono (“Las personalidades psicopáticas”; Madrid: Morata, 1974, p. 166).

Eles são pouco inteligentes. Schneider chama-os de “antissociais que, por regra, associam-se aos oligofrênicos” (ibidem, p. 169). A inteligência limítrofe ou seletiva leva-os a praticar atos bizarros, de turrice e teimosia. O foco: o benefício próprio. Se voltarem atrás, não é por reconhecer o erro, mas estratégia momentânea. Rancorosos e vingativos, em seguida, recidivam, até com virulência. São, por todo o quadro, de periculosidade social. Nada os detêm, salvo reprimenda enérgica, judicial e legal.

Kurt Schneider se refere a esses anormais com o termo psicopatia. Preferimos condutopatia (conduta patológica, transtorno de comportamento) por ser menos genérico e autoexplicativo.

Em cargos públicos, interessa-lhes o poder para escoar as condutopatias em louvor a si mesmos. Como chefia, são tiranos. Egoístas, colocam a própria vontade e a autoridade acima das leis e da Justiça.

É comum a psiquiatras discordâncias sob uma mesma doutrina. Porém, todos admitimos que psicopatas (condutopatas, para nós) não têm cura, já que a origem do mal é orgânica e irremovível. Não raro sofreram lesões cerebrais em fase intrauterina ou em tenra idade —etapa de acelerado desenvolvimento do sistema nervoso—, impactando a formação do órgão.

Em clínica, o diagnóstico é dado quando, frente a sinais/sintomas psíquicos, comportamentais e sociais, há história concreta de possível lesão do encéfalo, no estado fetal ou nos primeiros anos. Tudo isso para falar do segundo nome do presidente Jair, Messias, dado pela mãe, Olinda Bonturi Bolsonaro, após gravidez complicada, atribuindo a Deus o nascimento.

Gravidezes complicadas são causas de sofrimento cerebral e de consequentes distúrbios de comportamento na adultícia — para Schneider e todos dedicados à psiquiatria.

Comentários