Política & Justiça

Diretor do Ministério da Saúde que pediu propina é exonerado

Dias afirmou que cobrou do representante da empresa que ele comprovasse o vínculo com a AstraZeneca e afirmou que vai divulgar uma nota de esclarecimento sobre o tema

diario da manha
Foto: Marcelo Casal JR/ Agência Brasil

O Diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, foi exonerado do cargo na última terça-feira, 29, após as denúncias de que ele teria cobrado propina de US$ 1 por dose de vacina contra a Covid-19. A exoneração de Roberto foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) esta quarta-feira, 30 e é assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos.

De acordo com a publicação do G1, em uma entrevista a Folha de São Paulo, Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati Medical Supply no Brasil afirmou que o ex-diretor pediu US$ 1 de propina por dose de vacina para assinar o contrato com a empresa.

Segundo a reportagem publicada pelo periódico, o representante da empresa procurou o Ministério para negociar a venda de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca.

Em uma outra entrevista, o agora ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, afirmou que foi alvo de retaliação do representante da empresa por cobrar que ele comprovasse que era um representante da AstraZeneca, o que segundo ele jamais aconteceu.

O ex-diretor da pasta afirmou ainda que vai divulgar uma nota de esclarecimento sobre o tema. Vale lembrar que na nota divulgada pelo Governo Federal, não consta nenhuma explicação sobre a motivação do até então diretor de logística ser exonerado da pasta.

*Com informações do G1

Leia também:

Comentários