Política & Justiça

Anúncio de Doria pode dificultar planos de Meirelles em Goiás

.

diario da manha

Na última segunda-feira, 29/11, logo depois de ser anunciado vencedor das prévias do PSDB e ser oficialmente declarado o candidato do partido à presidência da República nas eleições do ano que vem, o governador de São Paulo, João Doria, confirmou que seu secretário da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), aceitou o convite para participar da equipe que vai coordenar seu plano de governo na área econômica. A declaração de João Dória mexe com o cenário político goiano, sobretudo porque Henrique Meirelles vem trabalhando para viabilizar sua candidatura ao Senado por Goiás nas eleições de 2022. Embora o trabalho de Meirelles será o de elaborar o plano econômico que consubstanciaria um eventual governo do tucano, a notícia levantou dúvidas no meio político goiano se Henrique Meirelles poderia repetir a mesma atitude de 2002, quando, eleito deputado federal mais votado por Goiás, renunciou ao mandato na Câmara para ocupar a presidência do Banco Central no governo do ex-presidente Lula. Sempre que questionado a respeito das suas intenções e se realmente declinaria de um convite para integrar um futuro governo federal, independente de quem seja o eleito, Meirelles tem sido peremptório ao afirmar que pretende, se eleito senador, cumprir o seu mandato e desenvolver um trabalho que traga divisas para Goiás e o para o Brasil. Nos bastidores, fontes próximas de outros políticos que disputam com Meirelles a indicação para o Senado, principalmente na chapa majoritária do governador Ronaldo Caiado (DEM), dizem que o anúncio de Dória liga a luz de alerta na base caiadista e acreditam que isso pode enfraquecer o projeto do ex-presidente do Banco Central, tanto político, quanto eleitoralmente, já que o eleitor pode entender que Meirelles estaria propenso a aceitar o convite para integrar a equipe econômica de Dória ou ainda de qualquer outro candidato que eventualmente vença as eleições de 2022.

Fio Direto

Equipe
Segundo a assessoria do governador João Doria, a composição completa do grupo que vai cuidar do seu plano de governo deve ser anunciada até o fim desta semana. Além de Meirelles, a economista Ana Carla Abrahão é um dos nomes cotados, assim como o de Armínio Fraga, também ex-presidente do Banco Central.

Valério Luiz
Depois de mais de nove anos do assassinato do jornalista Valério Luiz, finalmente foi marcada a data do juri popular dos acusados pelo crime. Depois de idas e vindas, o julgamento está marcado para ocorrer no dia 14 de março do próximo ano, às 8h30 no plenário do Tribunal de Justiça de Goiás.

Pegou mal
Em postagem nas redes sociais, o ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), ao criticar o trabalho da secretária Estadual de Educação, Fátima Gavioli, acabou adotando um comportamento que foi entendido por muitos como xenofóbico. Perillo chamou a auxiliar do governador Ronaldo Caiado (DEM) de ‘forasteira que dá expediente em Goiás’.

Respondeu
Em resposta à provocação de Marconi Perillo, Fátima Gavioli disse ter se surpreendido com a postagem do tucano, já que o povo goiano não demonstra esse tipo de comportamento com pessoas de outros estados que vêm para Goiás trabalhar. “Estou residindo em Goiânia e trabalhando muito, inclusive terminando as escolas que ele (Perillo) deixou inacabadas”, frisou Gavioli.

Rejeição
Uma frente de evangélicos progressistas lançou uma carta aberta pedindo que senadores não aprovem André Mendonça para uma das vagas no STF (Supremo Tribunal Federal). André Mendonça foi indicado para o cargo em julho. A sabatina está marcada para esta quarta-feira (1º/11) na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

Agora foi
O presidente Jair Bolsonaro, que estava sem partido desde novembro de 2019, quando deixou o PSL, filiou-se ao Partido Liberal (PL) do ex-deputado Valdemar Costa Neto. O evento de filiação ocorreu na manhã de ontem, 30/11, e foi reservado para pessoas próximas, diretores regionais da sigla, ministros, filhos e amigos.

Apenas 19% veem a gestão de Bolsonaro como ótima ou boa
De acordo com levantamentos da pesquisa Atlas, realizada pelo AtlasIntel e divulgada na última segunda-feira, 29/11, a aprovação do governo de Jair Bolsonaro caiu ao nível mais baixo desde sua posse, em janeiro de 2019: 29,3% dos brasileiros aprovam seu desempenho na presidência, enquanto 65,3% o rejeitam.

O levantamento também aponta que para 59,7% da população a gestão de Jair Bolsonaro é ruim ou péssima, enquanto 19% a classificam como ótima ou boa. A queda ocorre em meio à crise econômica que atinge o país.

A pesquisa ouviu 4.921 pessoas de forma on-line, via convites randomizados, entre os dias 23 e 26 de novembro. A margem de erro é de um ponto percentual, para mais ou para menos, e o índice de confiança é de 95%.

Linha cruzada

A Prefeitura de Goiânia publicou na edição de ontem (30/11) do Diário Oficial do Município o Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO), referente ao 5º bimestre de 2021. De acordo com os números, faltando dois meses para o fim do exercício, o município aplicou, até outubro, apenas 22,16% da receita com impostos na manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE), abaixo, portanto, do mínimo determinado pela Constituição Federal, que é de 25%. De um total exigido de R$ 798,7 milhões, Goiânia aplicou apenas R$ 708,1 milhões, uma diferença de R$ 90 milhões.

Comentários