Política & Justiça

Ana Paula fala da saudade do pai, Iris, ícone da política

.

diario da manha

Há mais de três meses da morte do ex-governador e ex-prefeito de Goiânia, Iris Rezende Machado, sua filha, a advogada Ana Paula Rezende Machado Craveiro, que acompanhou de forma muito próxima a carreira política do pai, falou, nas suas redes sociais, da saudade e do vazio profundo que a partida do patriarca deixou. Iris Rezende, considerado um dos maiores nomes da política goiana, senão o maior, ocupou praticamente todos os cargos eletivos, numa carreira vitoriosa que durou mais de 60 anos. Foi eleito o vereador mais votado da capital em 1958 e, em 1962, conquistou uma cadeira na Assembleia Legislativa, Casa que também presidiu. Em 1965, foi eleito prefeito de Goiânia pela primeira vez, mandato interrompido em 1969 em virtude da cassação pelo regime militar. Foi governador de Goiás por dois mandatos, senador da República, ministro da Agricultura e da Justiça e mais três vezes prefeito de Goiânia. “Quem disse que o tempo resolve? Que o tempo apaga? Que o tempo cura? Três meses após a partida do meu pai, a sensação é de um vazio enorme”, lamenta Ana Paula. De acordo com ela, a fé em Deus, a força que emana da união familiar e o amor que as pessoas demonstram por Iris Rezende têm ajudado na superação, mas a certeza é de que a saudade nunca vai passar. “A fé em Deus e o amor da minha família tem me sustentado nesse tempo tão doloroso. E também o amor das pessoas, o afeto delas pelo meu pai. Às vezes penso: será que o meu pai sabia o quanto ele era amado?”, pergunta. Ana Paula lamentou o veto do prefeito Rogério Cruz (Republicanos) à homenagem que a Câmara Municipal aprovou para seu pai, dando à Avenida Castelo Branco o nome de Iris Rezende Machado. Sem citar nominalmente o prefeito, a filha do homem que praticamente construiu Goiânia desabafou: “É uma pena que o pensamento de muitos seja tão pequeno”, lembrando que o legado que seu pai deixou permanecerá por gerações.

Fio Direto

Dona Íris
A ex-deputada Dona Íris de Araújo, viúva de Iris Rezende, em meio às discussões sobre a derrubada do veto do prefeito Rogério Cruz ao PL que dá à Avenida Castelo Branco o nome do ex-prefeito de Goiânia, lembrou a luta do marido pela redemocratização do país. Dona Íris comentou o vídeo do memorável discurso de Iris Rezende no movimento Diretas Já, na Praça Cívica, em 1984: “os bastidores foram árduos e de muita coragem em plena vigência do regime militar. Liderança corajosa e sem meias palavras. Orgulho e saudades!”, escreveu.

Sem quórum
Por falta de quórum, não houve sessão plenária na Câmara Municipal de Goiânia na manhã de ontem, quinta-feira (17/02). Com isso, o plenário da Casa não apreciou a derrubada do veto do prefeito Rogério Cruz (Republicanos) ao PL de autoria do vereador Clécio Alves (MDB) que muda o nome da Avenida Castelo Branco para Avenida Iris Rezende Machado. A derrubada do veto recebeu sinal verde da CJJ da Casa.

Memória curta
A deputada Lêda Borges (PSDB) cometeu uma série de equívocos ao sair em defesa do correligionário Marconi Perillo, ex-governador de Goiás por quatro mandatos. Segundo a deputada, o governo do PSDB pagava os serviços da dívida, mas há controvérsias. O serviço da dívida do Estado superou o teto estabelecido pela LRF e Goiás chegou a 2018 com um rombo no caixa que superava R$ 7 bilhões. Com esse passivo imediato, não se pode dizer que o Estado tenha pago o que quer que seja.

Memória curta II
Lêda Borges também disse à Rádio Sagres que o governo tucano de Marconi Perillo pagou os servidores em dias, mas o ex-governador José Eliton (PSDB), que governou Goiás nos últimos 9 meses de 2018, sequer empenhou a folha de dezembro e parte da de novembro daquele ano. Em virtude de todas essas incongruências na gestão fiscal e financeira do Estado, Marconi e José Eliton tiveram as contas de 2018 rejeitadas pelo TCE-GO.

Sinais
O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, deu uma declaração que mexeu com os bastidores da política nacional. Com a disputa para presidência da República polarizada entre o atual mandatário, Jair Bolsonaro (PL), e o ex-presidente Lula (PT), Campos Neto disse que diminuiu o temor do “mercado” diante da possibilidade de volta do petista ao Planalto.

No páreo
O titular da Secretaria de Finanças da Capital (Sefin), Geraldo Lourenço, enviou ofício ao prefeito Rogério Cruz (Republicanos) para solicitar a cessão da atual sede da Assembleia Legislativa à pasta municipal. O Palácio Alfredo Nasser, localizado na Alameda dos Buritis, no Setor Oeste, pertence ao município de Goiânia. Em março, a Alego inicia os trabalhos na nova sede, no Park Lozandes.

Baldy: chapa forte para deputados, mas não abre mão do Senado
O ex-deputado Alexandre Baldy, presidente do PP em Goiás, disse à Rádio Bandeirantes que o objetivo do partido em Goiás é trabalhar pela formação de chapas proporcionais competitivas para as eleições de 2022. O ex-assessor de João Doria não abre mão, no entanto, da sua candidatura ao Senado. Por ora, diz o próprio Baldy, o PP está na base de Ronaldo Caiado, mas isso pode mudar se não houver lugar para ele na majoritária do União Brasil.

Analistas avaliam, porém, que talvez Baldy não esteja tão na condição de impor seu nome ao Senado, nem na chapa de Caiado, nem em qualquer outra da oposição goiana. Segundo essas análises, o pepista provavelmente não seria acompanhado pelos integrantes do partido, principalmente os prefeitos, caso decida apoiar outro candidato em Goiás que não seja Ronaldo Caiado.

Linha cruzada

Uma informação lamentável. Em Goiás, 44 crianças abaixo de 10 anos de idade, que não tiveram a oportunidade de se imunizarem, morreram de Covid-19 desde o início da pandemia. A tragédia toma ares de indignação quando se verifica que a divulgação de notícias falsas e informações erradas sobre efeitos da vacina são fatores associados à baixa adesão ao imunizante e, consequentemente, de mortes pela doença.

Comentários