Justiça

Dois PMs são alvos de denuncia após agressão contra jovem com câncer que morreu depois da abordagem policial

O rapaz não resistiu aos ferimentos e morreu na UTI, seis dias depois das agressões

diario da manha
— Foto: Reprodução

O Ministério Público de Goiás denunciou nesta semana, dois policiais militares pelo homicídio triplamente qualificado de um jovem com câncer que morreu após uma abordagem, em Goiânia, no dia 10 de novembro deste ano. Segundo testemunhas os PMs bateram com cassetetes no rapaz e ainda empurraram a cabeça dele contra um muro de concreto. Chris Wallace da Silva, de 24 anos, teve lesões em várias partes do corpo e chegou em casa vomitando sangue e muito machucado. Os Policiais negam o caso.

O advogado Danilo Vasconcelos questiona a medida do MP em considerar o caso como homicídio. Todavia ele relata que “seria uma lesão corporal, no máximo uma lesão corporal seguida de morte”. Além disso, ao serem interrogados, os dois policiais preferiram ficar em silêncio.

“O inquérito militar, que corre paralelamente ao da Polícia Civil, demonstra que há a possibilidade bem real de não ter sido os dois denunciados os autores dessa lesão corporal na vítima. A investigação está apontando que inúmeras viaturas estavam na região”, disse. O caso segue sendo apurado.

Sobre o Crime

Chris Wallace e um amigo passam por uma rua do Residencial Fidélis, quando uma viatura se aproximou dos dois. Depois disso, a mãe relata que o garoto chegou em casa todo machucado. Câmeras de segurança não registram o que aconteceu.

A mãe e irmã do jovem relataram que ele chegou em casa muito machucado, vomitando sangue, além de ter tido uma convulsão. Chris que passava um tratamento de câncer, precisou ser internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele não resistiu e morreu seis dias depois após ter traumatismo na cabeça por espancamento, contusões no abdômen e nos pulmões.

Leia também

Comentários