Saúde

Anvisa retira 600 agrotóxicos dos rótulos de maior risco

Na última quinta-feira (1°), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) retira 600 agrotóxicos dos rótulos de maior risco a saúde.

diario da manha
Foto: Reprodução

Na última quinta-feira (1°), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária  (Anvisa) publicou as alterações de classificação dos rótulos de mais de 1.900 agrotóxicos registrados no Brasil.

Com a reclassificação, 600 destes produtos deixaram de ser considerados extremamente perigosos e passaram a ser tratados como substâncias menos danosas pela Anvisa.

Agrotóxicos que causam intoxicação, mas sem risco de vida, foram classificados como moderadamente tóxico, contendo em seus rótulos a tarja amarela.

Já para receber o título de “extremamente tóxico” (tarja vermelha) ou “altamente tóxico” (vermelha) o produto deve levar à morte ao entrar em contato com pele, olhos ou ser ingerido.

Já aqueles considerados pouco tóxicos ou “improváveis de causar dano agudo serão rotulados pela cor azul. Agora, o agrotóxico é avaliado apenas pela capacidade de levar à morte para ser classificado como altamente perigoso.

De 1.942 produtos  avaliados pela agência, 99% foi reclassificado. Os outros não tiveram informações suficientes para serem redistribuídos. As empresas que produzem estes agrotóxicos têm um ano para alterar suas embalagem de acordo com as novas classificações.

O que muda na rotulação dos produtos:

  • 860 agrotóxicos foram reclassificados e mudarão de cor
  • 842 mantiveram a cordas tarjas;
  • 222 foram considerados mais perigosos do que anteriormente

A principal mudança é que antes, a Anvisa considerava Tarja Vermelha (extremamente tóxicos) não apenas os agrotóxicos que levam à morte, mas também aqueles capazes de provocar lesões ou severas irritações após ingeridos ou em contato com pele e olhos.

Agora, intoxicação e lesões não são mais consideradas com o mesmo nível de gravidade. Com o novo marco, 98 pesticidas continuarão com o mesmo rótulo e 24 virão categorias inferiores (rótulos amarelo e azul).

As mudanças foram baseadas no Sistema de Classificação Globalmente Unificado (Globally Harmozed System of Classification and Labelling of Chemicals — GHS, em inglês), padrão internacional endossado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O ritmo de liberações de agrotóxicos neste ano é o mais alto já registrado pelo Ministério da Agricultura. Qualquer agrotóxico só é liberado após passar por avaliações da Anvisa, do Ibama e do Ministério da Agricultura.

*Com informações do G1

Comentários

Mais de Saúde