Saúde

8 de abril: dia mundial de combate ao câncer

diario da manha

O dia 8 de abril é lembrado mundialmente como o dia de combate ao Câncer. A data foi criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Brasil, a estimativa para cada ano do triênio 2020-2022 aponta que ocorrerão 625 mil casos novos de câncer. Essa data trás a necessidade de se falar mais sobre o assunto, como uma forma de orientação, uma vez que a doença está em segundo lugar que mais mata no mundo.

De acordo com os dados da GLOBOCAN 2020, por meio de uma pesquisa realizada recentemente pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC), há cerca de 19,3 milhões de novos casos no mundo, sendo 10 milhões de mortes em 2020.

Segundo a dra oncologista do Hemolabor, Danielle Laperche, o atual cenário pode contribuir para uma maior quantidade casos, já que o sistema imunológico se tornam mais sensível à doenças. Ela enfatiza assim a importância de levar informações para todos sobre o crescimento do câncer.

Os atuais tipos mais comuns de câncer são os de Mama, Pulmão, Próstata, Pele não-melanoma e Estômago. Os sintomas variam com cada tipo de tumor, mas é importante se atentar para sintomas novos e que persistem por mais de duas semanas. Laperche alerta sobre o surgimento de nódulos que não regridem, sangramentos anormais, sintomas respiratórios diferentes do padrão, alterações de pele como feridas que não cicatrizam, ou manchas que crescem.

Mas afinal, o que é o câncer?

A Dra Danielle explica que Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos. “30 a 50% dos cânceres são provenientes de hábitos não saudáveis de vida das pessoas. Precisamos divulgar intensamente essas informações para podermos modificar essa curva crescente de diagnósticos no futuro e por isto essa data é tão importante”, completa a oncologista.

A prevenção envolve, medida de hábitos de vida saudável desde evitar o tabagismo e consumo de álcool, alimentação saudável (rica em vegetais, fruta e legumes, reduzida em gorduras e alimentos processados, evitar carnes embutidas), combate do sedentarismo, controle da obesidade, proteção solar desde a infância. Manter as vacinas em dia, acompanhamento médico regular com a realização de exames preventivos regulares de acordo com o sexo e faixa etária.

“O câncer acomete todas as faixas etárias mas é mais comum nas populações acima dos 60 anos. Nos últimos anos temos notado um aumento na incidência e mortalidade de diversos tipos de cânceres em pessoas abaixo dos 50 anos. Uma das hipóteses para este fenômeno são o crescimento da obesidade e manutenção de hábitos de vida inadequados”, informa Laperche.

A obesidade hoje, além do tabaco, é o segundo maior fator de risco para câncer responsável por 30% dos casos. Esses números reforçam a necessidade de se investir em políticas públicas, evitando doenças graves e profundamente evitáveis. “As ações de prevenção têm um importante papel junto à população mais jovem, pois evita a exposição prolongada aos fatores de risco para desenvolvimento de tumores. As medidas preventivas adotadas de forma mais precoce vão impactar no número de diagnósticos em idades mais avançadas”, encerra a dra Danielle Laperche.

Leia também:

Comentários