Saúde

Dia Nacional da Campanha Educativa de Combate ao Câncer

Todos os anos, mais de 12 milhões de pessoas são diagnosticadas com câncer no mundo

diario da manha
Foto/Reprodução

Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), todos os anos, no mundo, mais de 12 milhões de pessoas são diagnosticadas com câncer. No Brasil, o câncer de mama (por exemplo) é uma das doenças mais frequente em mulheres.

Em 4 de Agosto, é comemorado o Dia Nacional da Campanha Educativa de Combate ao Câncer. Essa data reforça a importância das práticas de prevenção que podem evitar diversos tipos de câncer, além de promover campanhas educativas, que promovem mudanças do estilo de vida, com hábitos mais saudáveis.

Assim como os demais tipos de câncer, a detecção precoce é a estratégia mais implementada no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) enfatiza a necessidade de ações de comunicação, planejamento, monitoramento e avaliação para o sucesso da estratégia do rastreamento dessas doenças.

A psicóloga hospitalar, Rafaela Marciano, explica que, uma vida com muitas atividades, sem descanso, sem momentos de lazer, pode trazer diversos malefícios a saúde, como: a queda da imunidade, aumento do estresse, ansiedade, insônia, transtornos alimentares, doenças cardíacas.

“É importante organizar a rotina, realizar atividades no dia a dia que promovam uma sensação de bem-estar e prazer, fazer atividade física regularmente são alguns fatores de proteção para saúde física e mental”.

Para as pessoas diagnosticadas com câncer, os sentimentos envoltos da doença vão além do físico e também sobre o emocional.

“Existe um estigma com relação ao câncer devido a sua associação com a morte e sofrimento, que pode impactar negativamente nos sentimentos que o paciente oncológico experimenta ao ser diagnosticado com a doença. Podem surgir medo da morte, perda dos objetivos da vida e mudança de papéis. A dor física pode levar a dependência de outras pessoas, intensificando os sentimentos de tristeza, angústia, impotência. Pode surgir também a ansiedade frente ao tratamento que é muito invasivo e com diversos efeitos colaterais que podem afetar a autoestima” afirmou.

Nesses momentos a especialista aconselha que o paciente tenha uma rede de apoio. Pois nesse período o individuo pode sentir medo, tristeza e insegurança. Então a rede de apoio, é fundamental para que o paciente se sinta mais fortalecido para enfrentar as diferentes etapas do tratamento que pode ser longo e doloroso. Ela reafirma que o apoio oferecido pelas pessoas do convívio do paciente oncológico são fundamentais para o restabelecimento da saúde física e mental. Além de auxiliar o paciente ao tratamento, como por exemplo, o acompanhando nas consultas e nas diversas etapas do tratamento.

Contudo, a campanha educativa de combate ao câncer ressalta algumas maneiras significativas de prevenir uma doença ou reduzir o risco de que ela ocorra.

“Os fatores de risco modificáveis são os fatores ambientais, como tabagismo, uso abusivo de álcool, sedentarismo, estresse e obesidade. Consultas médicas regulares e a realização de exames também são fatores importantes de proteção. A prevenção, em geral, atua sobre os fatores de risco modificáveis, portanto inclui mudanças de hábito de vida. São estratégias para reduzir o risco de que a doença se desenvolva”, concluiu a psicóloga hospitalar.

Leia Também

Comentários