Saúde

Gestante rompe a bolsa durante dança com equipe de saúde

Caroline Gomes estava com 41 semanas quando precisou internar para induzir o parto da filha. Após uma dança bem animada com as enfermeiras, a bolsa rompeu

diario da manha

Ao som de “Atenção”, sucesso de Luíza Sonza e Pedro Sampaio, a enfermeira Caroline Gomes passou por um momento surpreendente durante o trabalho de parto. Com 41 semanas e prestes a dar à luz, a gestante que já estava com 5 cm de dilatação resolveu fazer uma dança bem animada com a equipe de saúde do Hospital América, unidade do Sistema Hapvida. Ela só não esperava que a sua bolsa seria rompida naquele momento e que sua filha chegaria ao mundo nas horas seguintes.

“Foi indescritível. Sempre sonhei em ter parto natural e quando internei, fiz todas as atividades que induzem o parto, já que estava no prazo limite para o nascimento da minha filha. Mas foi nessa dança do Tik Tok, que a bolsa rompeu”, explica a enfermeira. Receber a filha através do parto natural sempre foi o sonho de Caroline Gomes. Ela enfatiza que mesmo antes de ser da área da saúde, ela já idealizava o parto normal, por todos os benefícios tanto para a mãe, quanto para a criança.

“É muito importante que a vontade da gestante seja respeitada. Eu sempre quis ter o parto natural e me preparei para isso. Visitei a maternidade, conheci toda a equipe, recebi várias orientações que me levaram a realizar meu sonho. O meu maior receio era chegar no hospital e que os profissionais não atendessem o meu desejo!”, explica.

Programa Nascer Bem

Agosto é um mês muito importante para as mamães: durante todo o mês é realizada a campanha Agosto Dourado, que incentiva o aleitamento materno, além de no dia 15, ser comemorado o Dia da Gestante. Neste mês, o Programa Nascer Bem, do Sistema Hapvida, está completando um mês da sua implantação em Goiânia, e tem colhido bons frutos, como o sucesso no parto natural da Caroline Gomes.

O objetivo do programa é incentivar as mães a se sentirem seguras e acolhidas para o parto normal nos casos em que se pede esse procedimento. Atualmente, cerca de três mil gestantes são atendidas pelo Hapvida, em Goiânia, que realiza uma média de 300 partos por mês.

Através deste acompanhamento conjunto entre médico e enfermeiro obstetra, é possível planejar a melhor opção de parto para mãe e bebê. O Brasil ainda ocupa o segundo lugar no mundo em número de cesáreas, com uma taxa acima de 55% do total de partos. “Muitas vezes, a cesárea é realizada sem ter indicação clínica. Esse procedimento é utilizado para salvar vidas, quando a mãe ou o bebê estão em risco, e o nosso objetivo é oferecer o tratamento mais adequado para cada caso”, explica Catarina Nucci, diretora nacional do Programa Nascer Bem.

Leia também:

Comentários