Saúde

Policlínica de Goianésia incentiva a doação de sangue

Em alusão ao Dia Nacional do Doador de Sangue, unidade de saúde realizou palestra sobre o tema

diario da manha
Foto: Divulgação

Com o objetivo é informar e esclarecer colaboradores e pacientes sobre a importância de ser um doador de sangue, a  Policlínica Estadual da Região do Vale do São Patrício – Goianésia  realizou nesta quinta-feira, 25, a palestra ‘Seja um Doador de Sangue’, conduzida pela enfermeira Larissa Nolasco Guimarães Saiki.
 
A profissional iniciou falando sobre o Dia Nacional do Doador de Sangue, comemorado em 25 de novembro. “A data, além de homenagear as pessoas que reservam um tempo do seu dia para doar sangue, também serve para informar e reforçar sobre a importância desse ato”, explica.
 
A enfermeira abordou sobre os tipos de sangue e utilizou uma tabela para demonstrar que todos os tipos sanguíneos são importantes e quem pode ser o receptor para cada tipo. “Os tipos sanguíneos servem para classificar o sangue de acordo com a presença de duas proteínas, no plasma, chamadas de aglutinogênio A ou aglutinogênio B. Sendo assim, o tecido sanguíneo foi classificado de acordo com os tipos: A, B, AB e O, conhecido como sistema ABO”, destacou.
 
Larissa Nolasco reforçou com o público o local de doação de sangue.”Em  Goianésia, temos o Banco de Sangue do Laboratório São Carlos que realiza este tipo de serviço.Você é a gota que faltava, doe sangue e salve vidas”, concluiu.
 
Quem pode doar


Podem doar sangue as pessoas que tiverem idade entre 16 e 69 anos, sendo que a primeira doação deve ser feita, obrigatoriamente, até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto.
 
Se o voluntário tiver almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois. Se for um doador frequente, é preciso obedecer ao intervalo para a doação, que deve ser de dois em dois meses para homens, que podem doar no máximo quatro vezes por ano, e de três em três meses para mulheres, que podem doar no máximo três vezes por ano.

Comentários