Saúde

Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes é tema de palestra na Policlínica de Quirinópolis

De acordo com a palestrante Ana Luiza Ferreira Moreira, a data é uma conquista que demarca a luta pelos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes no território brasileiro e que já alcançou muitos municípios do país

diario da manha

A Policlínica Estadual da Região Sudoeste, em Quirinópolis, realizou uma palestra sobre o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes,  instituído pela Lei Federal 9.970/00. De acordo com a palestrante Ana Luiza Ferreira Moreira, a data é uma conquista que demarca a luta pelos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes no território brasileiro e que já alcançou muitos municípios do país.

De acordo com Ana Luiza, o dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. “Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune”, explicou.

Segundo a palestrante  Bruna de Souza Oliveira, a violência sexual contra meninos e meninas ocorre tanto por meio do abuso sexual intrafamiliar ou interpessoal como na exploração sexual. “Crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, por estarem vulneráveis, podem se tornar mercadorias e assim serem utilizadas nas diversas formas de exploração sexual como: tráfico, pornografia, prostituição e exploração sexual no turismo”, afirmou 
As profissionais destacaram que  é importante falar sobre o tema para  mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade a participar da luta em defesa dos direitos de crianças e adolescentes. “É preciso garantir a toda criança e adolescente o direito ao seu desenvolvimento de forma segura e protegida, livres do abuso e da exploração sexual.  O importante é não se calar. Não desvie o olhar, fique atento. Denuncie”, concluíram,

Comentários