Brasil

Reforma Protestante: A Igreja Luterana e as Igrejas Modernas

"Antes só quem tinha essa possibilidade de acessar a presença de Deus eram os que possuíam patentes ministeriais reconhecidos como sacerdotes. Hoje não, a criança, o adolescente, o jovem, o idoso, qualquer um pode acessar a presença de Deus", disse o pastor

diario da manha

Reforma Protestante é o nome dado ao movimento reformista que surgiu no cristianismo no século XVI a partir de Martinho Lutero. Devido insatisfações com práticas e questões teológicas defendidas pela Igreja Católica, Lutero, um monge católico divulgou as 95 teses em 31 de Outubro de 1517, até que essas se disseminaram pela Europa e deram origem ao reformismo, do qual logo se originou o protestantismo.

O protestantismo surge como um movimento cristão a fim de romper com determinadas crenças da Igreja Católica, como a venda de indulgências, a autoridade universal do papa e a veneração aos santos. Foi quando surgiu as “Cinco Solas” da reforma:

  • Sola Escriptura: Somente os princípios encontrados na Bíblia são válidos;
  • Sola Gratia: Apenas pela Graça de Deus, e não por mérito, é possível obter a salvação;
  • Sola Fide: Somente pela fé é possível receber perdão de pecados, e não pelas ações;
  • Solus Christus: Apenas em Cristo há a salvação;
  • Soli Deo Gloria: Somente Deus deve receber toda a Glória.

A reforma protestante marca um grande ciclo de três ondas do protestantismo conforme os exemplos:

  • O protestantismo histórico: a Igreja Luterana, Anglicana, Metodista/Wesleyana.
  • O protestantismo pentecostal: Assembleia de Deus, Quadrangular, Deus é Amor, Cristã do Brasil.
  • O protestantismo neopentecostal: Universal, Internacional do Reino de Deus, a Mundial do Poder de Deus.

No entanto, ainda há uma nova vertente nascendo atualmente, que são as igrejas nos lares, também conhecidas como “células”, que possivelmente serão registradas futuramente como a quarta onda do protestantismo.

Diferenças da Igreja Luterana e das Modernas

Walber Rodrigues, um pastor, teólogo, pedagogo, mestre em história social e doutor em Direito, conta que a diferença da igreja Luterana (da primeira onda), e as pentecostais ou neopentecostais, é que desde o início do século XX até os dias atuais, houve o surgimento da Presença manifesta do Espírito Santo de Deus.

Em consequência disso aconteceram outros fenômenos como o da Glossolalia, ou o falar em outras línguas, a manifestação de dons, a evidência de curas divinas, além do grande acesso e popularização das Sagradas Escrituras (Bíblias) entre outras características.

“As igrejas modernas estão mais desvencilhadas das amarras da religião. Elas tem mais abertura no campo do louvor, música com ritmos que anteriormente eram considerados seculares, é o caso do reggae, samba, rock, e o worship”, disse o pastor.

“Antes só quem tinha essa possibilidade de acessar a presença de Deus eram os que possuíam patentes ministeriais reconhecidos como sacerdotes. Hoje não, a criança, o adolescente, o jovem, o idoso, qualquer um pode acessar a presença de Deus”, e completou dizendo que essa é a grande diferença das igrejas modernas, a manifestação da presença de Deus e o desprendimento da religiosidade.

Leia também:

Comentários