Cidades

Empresário diz que caseiro procurado por matar três pessoas invadiu fazenda e atirou contra ele

Conforme o empresário, como estava escuro, não conseguiu ver o rosto do atirador, mas suspeita que seja Wanderson

diario da manha

Segundo o empresário Caio César Marques Coelho, o caseiro procurado por matar a mulher grávida, a enteada e um fazendeiro, invadiu a fazenda e atirou contra ele, na madrugada de quarta-feira, 1º, a 7 km de Abadiânia, no Entorno do DF.

“Quando virei para cá, eu vi um indivíduo parado, de camisa clara e quando coloquei a luz e vi que era uma pessoa já efetuou o disparo. Dois disparos contra mim, um atingiu meu carro, outro não sei onde pegou, aí eu revidei”, disse o empresário.

Conforme o empresário, como estava escuro, não conseguiu ver o rosto do atirador, mas suspeita que seja Wanderson. Ele afirma que atirou mais de 10 vezes contra o homem. A Polícia Civil esteve na fazenda para fazer uma perícia.

De acordo com moradores, uma pessoa tentou invadir outra propriedade da região, ainda na quarta-feira. A família começou a gritar por socorro e a vizinha Luciene Gomes ouviu tudo.

“O pessoal gritou ‘socorro’, ‘socorro. Eu liguei para a polícia. Ai veio um pessoal lá de cima com facão e paus para tentar salvar essa família aqui”, disse a vizinha.

A Polícia Civil informou que após o crime no domingo, o suspeito fugiu pelo trecho entre Alexânia e Abadiânia de táxi. O taxista, que preferiu não se identificar, disse que fez a corrida porque não reconheceu que ele era o suspeito do triplo homicídio.

“Tinha três ou quatro viaturas estacionadas lá. Ai ele comentou comigo. Foi o único comentário que comigo durante a viagem. Falou assim: ‘Uai, tem muita polícia na rua, né?’. Eu respondi que o pessoal sempre ficava ali tomando um cafezinho”, disse o taxista.

Wanderson é suspeito de matar a mulher Ranieri Aranha Figueiró, de 19 anos, que estava grávida, a enteada, Geysa Aranha, de 2 anos e nove meses, e o fazendeiro Roberto Clemente de Matos, de 73 anos, em Corumbá de Goiás, a 50km de Goiânia.

Leia também:

Comentários