Cotidiano

Tempestade de areia cobre Goiânia e provoca destruição

Após tempestade violenta na tarde de sexta-feira, arco-íris trouxe poesia para fechar dia surreal. Final de semana tem baixa probabilidade de chuvas

diario da manha
Foto: Kellys Esteves

Parecia o filme “Mad Max – A Estrada da Fúria”, vencedor de alguns oscares em 2016, em que a personagem da atriz Charlize Theron enfrenta um paredão vermelho de areia, poeira e destroços. Assim Goiânia e região enfrentaram hoje, no final da tarde, uma tempestade de poeira.
No filme, a tempestade traz a destruição.

Em Goiânia também: muros caíram, telhados inteiros voaram e carros foram destruídos por pedaços de árvores e construções. Ocorreram inúmeros rompimentos de fiação. A tempestade, que chegou a quase 100 km/h, trouxe chuvas para alguns bairros da Capital.

Um piloto que sobrevoava Goiás descreveu dificuldades de visibilidade. “Eu chequei meu FlightRadar e um voo procedente de SP teve que se deslocar pra Brasília por falta de visibilidade. E um vindo de Salvador arremeteu e fez algumas voltas pra pousar”, disse. No residencial Club Cheverny, um muro inteiro caiu. Em Campinas, diversas lojas perderam suas fachadas. O trânsito também acumulou problemas. Com a ventania, aumentaram as reclamações de queda de energia e, inclusive, semáforos desligados.

Na Avenida Mutirão com a T-9, por exemplo, instalou-se o caos sem sinalização: até as 18h nenhum técnico da Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) tinha chegado para dirimir os conflitos. Uma sinfonia de buzinas criou um fundo selvagem para motoristas nervosos, que começaram a subir pelas calçadas e gritar de forma histérica. Na loucura do dia diabólico, alguns motoristas optaram em sair dos veículos e eles mesmos passaram a ser guardas de trânsito.

Na BR-153, então, ocorreu a verdadeira imagem da “Estrada da Fúria”. Os motoristas relataram nas redes sociais que desligaram seus veículos à espera de visibilidade. A densa nuvem de areia fez a Defesa Civil e Prefeitura de Goiânia iniciarem antes do anoitecer ações para proteger a população de fios energizados e instalações ameaçadas.

Arco-íris após a tempestade de poeira que tomou Goiânia

Na avenida Mutirão, a fachada de uma empresa de venda de seminovos ficou em frangalhos. Simplesmente voou.

Fachada destruída em Goiânia: vento com areia provocou estragos nos bairros

Arco-íris

A tempestade de areia ocorre em uma situação de chuva ou umidade baixa – exatamente a de Goiânia, que ameaçou chuvas durante o início daquela tarde. Chamada de fenômeno litometeoros, a tempestade acontece quando a umidade relativa do ar é mais baixa do que 80%. A umidade pode também se transformar em um turbilhão de areia.

Logo após a grande ventania, em Goiânia, surgiu nos céus um arco-íris poético, que é também um fenômeno ótico-meteorológico. Nele, o sol brilha sob gotículas suspensas no ar. Era o fim da revolta da natureza. Nas ruas, os homens brigavam pela falta de sinalização.

Leia também:

Comentários