Cotidiano

Veterinários alertam sobre as consequências dos maus-tratos e abandono contra os animais

O abandono de animais é considerado crime de maus-tratos no Brasil, pela Constituição Federal e pela Lei de Crimes Ambientais, Lei nº 9.605/98. Além de cruel e desumano, abandonar animais em logradouros públicos é crime

diario da manha

“Podemos julgar o coração de um homem pela forma como ele trata os animais.” Tal afirmação proposta por Immanuel kant, filósofo alemão e fundador da Filosofia Crítica, indica que o comportamento humano está restritamente interligado ao convívio com os animais. Isso posto, cabe-se a preocupação com relação aos maus-tratos e ao abandono. Nos últimos tempos, têm sido destaque manifestações populares contra ações de crueldade e maus-tratos contra animais, levando a sociedade a refletir e criar regras mais rígidas de proteção aos mesmos.

Existe uma resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária, publicada em 2018 no Diário Oficial da União, que define e caracteriza o que é considerado crueldade, abuso e maus-tratos. O texto define como maus-tratos atos e omissões que provoquem dor ou sofrimento desnecessários aos animais. O ato de crueldade se refere a submeter o animal a maus-tratos de forma intencional. Já o abuso diz respeito a qualquer ato intencional que implique o uso despropositado, indevido, excessivo, demasiado e incorreto de animais, causando prejuízos de ordem física ou psicológica, incluindo atos caracterizados como abuso sexual.

A médica-veterinária e integrante do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), Ingrid Atayde, diz que é preciso diferenciar uma situação e crime de maus-tratos. “Uma situação de maus-tratos, pode ser simplesmente uma situação em que o animal não está no seu conforto ideal. Está sendo mau tratado ou sofrendo privação de alguma coisa essencial. Costumamos definir essas “coisas essenciais” pelas cinco liberdades: todo animal tem o direito de ser livre de sede e de fome, ser livre de desconforto, de doenças, de ansiedade e ser livre para expressar as características da espécie dele”, explica.

De acordo com Ingrid, o crime de maus-tratos “acontece quando esse animal sofre abuso, é vítima de crueldade, sofre uma mutilação, as vezes é agredido ao ponto de ser espancado, podendo sofrer uma agressão comparada a tortura em ser humano.”

Maus-tratos, abandono e suas consequências

Este ato de crueldade têm uma série de consequências para o animal. Segundo Ingrid, o animal pode ter “dificuldades em relacionamentos futuros, seja com pessoas ou com outros animais, podendo se tornar um animal extremamente medroso ou agressivo, e isso muitas vezes, faz com que ele perca a chance de ser adotado e de se encaixar em uma família.”

Além disso, os maus-tratos podem “deixá-los com traumas, diversas lesões físicas, magros e até levá-los a morte”, alerta o médico-veterinário Renan Oliveira.

Animal não é só pet. Maltratar e abandonar animais de grande porte também é crime

Infelizmente, atos de crueldade envolvendo animais continuam sendo parte de uma triste realidade presente no dia a dia de muitas pessoas. Muitos animais são vítimas do comportamento agressivo dos seus donos, o que nos leva a perceber o quanto o ser humano pode ser cruel. Em animais de grande porte como os bovinos e equinos não é diferente.

Segundo Oliveira, é comum ver sinais de crueldade em animais de grande porte. “Em bovinos, acontece muito dos proprietários baterem em seus animais durante algum manejo na fazenda, deixando sinais de feridas na cabeça, membros posteriores e anteriores frequentemente. Os equinos são submetidos a trabalhos desgastantes como puxar carroça, deixando lesões principalmente nas regiões lombar, membros e patas.”

O médico-veterinário destaca alguns cuidados que podem ser tomados para evitar lesões e desconforto ao animal. “É importante deixar os animais em lugares apropriados com comida e água de boa qualidade. Quando realizar algum manejo, não agredir fisicamente os animais que são utilizados para trabalho, como os equinos para tração da carroça. Respeitar o peso que ele suporta e o tempo de trabalho. Ter acompanhamento de um médico-veterinário e realizar a denúncia em casos de maus-tratos”, explica.

Importância das ONGs

As vezes a única chance de um animal sobreviver e ser feliz é quando uma ONG o encontra e possui estrutura e atendimento veterinário necessário, restaurando a sua saúde, proporcionando o bem-estar e avaliando possíveis candidatos a adoção. A Presidente da Associação Protetora e Amiga dos Animais (ASPAAN), Lessandra Maione, ressalta o trabalho realizado pela Associação, “trabalhamos em projetos de educação, participamos de comitês de ética e colaboramos com instituições como o Ministério Público e Meio Ambiente (DEMA).”

Muitas ONGs e protetores de animais trabalham diariamente de forma voluntária para conscientizar, resgatar, cuidar e achar um novo lar para estes animais abandonados, mas a demanda é sempre muito grande. Por isso, eles precisam de apoio recorrente e, na hora de salvar uma vida daqueles que não têm voz, toda ajuda é bem-vinda. “Temos animais sem perfil de adoção que são os nossos hóspedes permanentes. Então as doações ajudam a manter a qualidade de vida e a casa destes pequenos.”

Adoção

Coloque um animal para adoção ao invés de abandona-lo. Lessandra orienta que as primeiras providências para colocar um animal para adoção é castrá-lo e vaciná-lo, “dê lar temporário a este animal e observe os aspectos comportamentais como convivência com outros animais da mesma ou de outra espécie, personalidade e outras particularidades. Faça uma foto bonita e coloque nome no animal, idade aproximada e sexo. Insira seus dados de contato, publique nas redes sociais e compartilhe com possíveis tutores.”

Cuidados básicos

Antes de adotar ou comprar um animal de estimação, é preciso ter em mente que os cuidados necessários para o animal ter uma boa qualidade de vida vão muito além do que providenciar água, comida e um teto. Lessandra ressalta que o “bem-estar é bem mais amplo e engloba dar segurança, saúde, afeto e permitir que cada espécie manifeste seu comportamento natural. Atualmente, falamos muito de enriquecimento ambiental, e de fato, ter uma casa apropriada para receber um animal favorece a integração de toda família”, explica.

De acordo com ela, também é importante ter atenção e cuidados especiais com a introdução de novos animais e observar que todos estejam seguros e confiantes.

Leia também:

Comentários