Cotidiano

Cães levam alegria a pacientes do INGOH

Unidade de tratamento oncológico recebe visita pet. Ação humaniza atendimento e também proporciona alegria para acompanhantes e colaboradores

diario da manha
Foto: Divulgação

Os corredores do Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (INGOH) ficaram mais alegres e animados na última quarta-feira, 18. Cachorros do Programa Terapia Assistida por Cães visitaram pacientes do setor de oncologia, laboratório e também do centro médico. Além deles, doadores voluntários do Banco de Sangue foram surpreendidos com a presença dos peludos.

Ao todo, quatro animais estiveram na unidade de saúde. Lord, Sírius, Hiena e Sansão, junto aos seus tutores, levaram muito amor e diversão ao público da instituição. A visita faz parte do projeto de humanização do atendimento oferecido, uma das prioridades da gestão.

A presença dos animais, nesse caso, dos cachorros, oferece mais leveza ao ambiente e diminui a angústia e ansiedade que costumam afetar quem passa por tratamento oncológico. Essa foi a percepção de Isabel de Melo, que estava na unidade fazendo uso da touca inglesa, equipamento que auxilia na redução da queda dos cabelos, em pacientes com câncer de mama.

“Impossível não se emocionar, eu adorei essa alegria que eles trouxeram para o quarto. Olha só, preencheu todo o espaço com animação! Amei!”, comenta entusiasmada Isabel.

Foto: Divulgação

Para os colaboradores, o encontro também é positivo, já que torna mais amena a rotina assistencial. De forma pioneira no segmento oncológico, o INGOH abre suas portas para a visita pet, entre outras ações previstas na instituição.

“Temos estudos que comprovam os benefícios psicossociais proporcionados pela interação entre animais e seres humanos. Se temos mecanismos que podem contribuir para isso, claro que vamos em busca deles. Nossos pacientes merecem”, observa a coordenadora de Qualidade do INGOH, Juliana Correa.

A profissional ainda reforça que “só é possível pensarmos em ação como esta, porque os nossos protocolos assistenciais e de segurança estão sendo cumpridos à risca pelas equipes. Com o serviço padronizado, podemos ir além e entregar ainda mais benefícios aos pacientes, acompanhantes e colaboradores”, pontua.

Durante a administração de um medicamento, Délia Carvalho não acreditava no que via à sua frente. “Como assim?! Que delícia de visita! Eu não estou acreditando!”, relata. De repente, com o cachorro Sírius no colo, ela observa um fato curioso: “Olha só, meu remédio já até acabou e eu nem percebi! Que maravilha ter vocês aqui!”, registra a satisfeita Délia que, logo em seguida, deu um beijo na cabeça do amigo peludo.

Foto: Divulgação

A visita foi realizada com a supervisão do Serviço de Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (SCIRAS) da unidade, que providenciou todas as medidas para garantir a segurança de pacientes e doadores, incluindo a higienização das mãos, após o contato, e também dos ambientes por onde os cães passaram. “Cuidar vai muito além de oferecer medicamentos e exames. Envolve pensar e olhar com atenção o paciente e é isso que o INGOH busca continuadamente”, finaliza Correa.

Para participar de projetos como esse, os cachorros passam por uma série de avaliações e, até serem considerados aptos para as visitas, são submetidos a avaliações comportamentais e veterinária. Nesse momento, o médico analisa o estado de saúde, cartões de vacina e realiza exames de sangue, por exemplo.

A entrada em unidades de saúde só é autorizada, após emissão de um atestado sanitário pelo especialista. Documento esse que é repassado ao tutor e apresentado à coordenação do programa e, sempre que necessário, para as instituições.

  • Leia também:

Comentários