Cultura

Chorinho pode passar a ser patrimônio imaterial de Goiânia

Além de tornar o evento patrimônio imaterial da capital, outra proposta apresentada pela vereadora é a de criar o Dia Municipal do Choro

diario da manha
Foto: Walter Sales

O Chorinho tem a chance de ser declarado patrimônio imaterial de Goiânia. A proposta é da vereadora Aava Santiago (PSDB) e foi apresentada por ela, na Câmara Municipal de Goiânia. De acordo com a vereadora essa é uma forma de garantir o respaldo do poder público e da sociedade para fortalecer as condições de realização do chorinho que foi herdado de famílias que vieram de outros estados e ocuparam a região central do Brasil.

Além de apresentar a proposta para fazer do Chorinho patrimônio imaterial de Goiânia, a parlamentar propôs também a criação do Dia Municipal do Choro, para ser comemorado no dia 23 de abril, que marca o aniversário do compositor, arranjador, instrumentista Pixinguinha.

As duas propostas apresentadas pela vereadora foram encaminhadas para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da casa, e em caso de aprovação na comissão, as matérias vão a plenário para votação em dois turnos.

Chorinho voltou, mas de forma itinerante

A apresentação do Chorinho acontecia anteriormente na Avenida Goiás, em frente ao Grande Hotel. E neste ano com a retomada das atividades artísticas em função da pandemia provocada pela Covid-19, o evento vai acontecer em diversas regiões da cidade.

A primeira do Chorinho itinerante como foi batizado, foi na Praça do Trabalhador em frente à antiga Estação Ferroviária, a segunda foi no mesmo local e contou com uma homenagem ao cantor, compositor e sambista João Nogueira.

Para a vereadora a proposta mostra o compromisso de democratizar o acesso à arte e à cultura, e que o fato das apresentações do Chorinhos serem gratuitas e em espaços de fácil acesso contribuem de forma significativa para isto.

O secretário municipal de Cultura, Zander Fábio, afirmou que a pasta vê as duas propostas com muito bons olhos. “O Chorinho hoje já é verdadeiramente um patrimônio goianiense, e é um evento que nós fizemos questão e trabalhamos muito para estar acontecendo”, afirma.

O secretário informou que a princípio este ano não teríamos o evento, mas que a pasta fez de tudo, como reuniões com a produção para que o evento fosse promovido durante este ano.

“Nós conseguimos fazer com que as pessoas entendessem que nós tínhamos que ter esse evento. E ai combinou com a volta dos eventos presenciais, através do decreto do prefeito Rogério Cruz. E as duas proposituras por parte da vereadora Aava tem por parte da Secretaria de Cultura uma abertura muito grande e o entendimento de que são muito importantes. Parabéns a vereadora Aava”, finaliza.

Leia também:

Comentários