Internacional

Polícia de Cabo Verde prende cinco brasileiros com cocaína

Em fevereiro deste ano, outros três brasileiros deixaram a cadeia em Cabo Verde após ficarem 16 meses detidos, sob acusação de tráfico de drogas.

diario da manha
Foto: Reprodução

Cinco brasileiros foram presos no último sábado (03/8) pela Polícia Judiciária de Cabo Verde, um arquipélago localizado na costa oeste da África. A polícia apreendeu 2.256,27 quilos de cocaína, o equivalente a 2 toneladas com os brasileiros que estavam em uma embarcação, que seria própria do grupo.

A Polícia Judiciária do país, responsável pela apreensão da droga e pelas prisões, contou com a cooperação do Departamento da Polícia Federal (DPF) do Brasil, que cooperou com a operação e realizou o flagrante contra os suspeitos que, serão apresentados à Justiça local para análise do caso e validação das detenções.

De acordo com a Polícia Judiciária, a embarcação Perpétuo Socorro de Abaeté II foi localizada em uma operação em parceria com a Guarda Costeira. Essa ação contou também com o apoio do Centro de Operações e Análises Marítimas, que tem sede em Lisboa capital de Portugal. As informações sobre à identificação dos brasileiros e sobre como a droga estava escondida na embarcação não foram fornecidas pela polícia local.

Três brasileiros já teriam sido presos por tráfico de drogas em Cabo Verde

Em fevereiro deste ano, outros três brasileiros deixaram a cadeia em Cabo Verde após ficarem 16 meses detidos, sob acusação de tráfico de drogas. Os homens haviam sido condenados a 10 anos de prisão por tráfico internacional de drogas, uma sentença que acabou sendo anulada pela Justiça.

Os três homens identificados como Daniel da Silva Guerra, Rodrigo Lima Dantas e Daniel Ribeiro Dantas foram detidos em agosto de 2017. Eles foram abordados pela polícia de Cabo Verde, quando se dirigiam ao arquipélago de Açores. Nessa ocasião a polícia encontrou mais de uma tonelada de cocaína na embarcação e, segundo os velejadores eles teriam sido incriminados injustamente, a juíza do caso entendeu que houve desrespeito ao direito de defesa.

Com informações do Metrópoles

Comentários