Política & Justiça

Em seis meses, desaprovação pessoal de Bolsonaro salta de 28% para 53%

Segundo a pesquisa, as áreas citadas como de pior desempenho do governo são saúde (30,6%), meio ambiente (26,5%) e educação (24,5%).

diario da manha
Foto: Reprodução

Segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes com o instituto MDA divulgada nesta segunda-feira (26/8), mais da metade da população desaprova o desempenho pessoal do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O levantamento apontou que o índice de desaprovação aumento, chegando a 53,7%, ante 28,2% de fevereiro. Além disso, a aprovação do desempenho do presidente caiu para 41%. No início do ano esse índice era de 57,5%.

Com relação ao governo de Jair Bolsonaro, a reprovação aumentou em 20 pontos percentuais. A avaliação negativa do governo passou de 19% em fevereiro para 39,5% em agosto. A avaliação positiva diminuiu, passando de 38,9% em fevereiro para 29,4% agora. A avaliação regular do governo é de 29,1% e 2% não souberam responder.

Além disso, 39,1% dos ouvidos consideram que o decreto sobre armas é a pior ação do governo em oito meses e sete em cada dez pessoas afirmaram que a indicação do filho do presidente, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto de embaixador em Washington é inadequada.

Avaliação das áreas de atuação do governo Bolsonaro

Ainda de acordo com a pesquisa, as áreas citadas como de pior desempenho do governo são saúde (30,6%), meio ambiente (26,5%) e educação (24,5%).

Os dois últimos resultados correspondem aos maiores conflitos que Bolsonaro têm enfrentado até agora diante da repercussão das queimadas na Amazônia e dos bloqueios no orçamento da educação.

O levantamento apontou ainda que 93% dos entrevistados consideram “muito importante” preservar o meio ambiente enquanto 83% avaliam que o aquecimento global é uma realidade.

Para os entrevistados, no entanto, as áreas com melhor desempenho do governo Bolsonaro são o combate à corrupção (31,3%), segurança (20,8%) e redução de cargos e ministérios (18,5%).

Metodologia

Foram realizadas 2.002 entrevistas, entre os dias 22 e 25 de agosto, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Comentários