Saúde

Sarampo: 25 postos de saúde estão sem vacina contra a doença, em Goiânia

No mês passado a procura pela vacina aumento quase 400%, em relação a julho, em Goiânia.

diario da manha
foto/Reprodução

Segundo a Secretaria Municipal de Goiânia (SMS), as doses da vacina contra o sarampo está faltando em alguns postos de saúde. O Ministério da Saúde é responsável pela compra ou produção e distribuição das vacinas que são usadas no Programa Nacional de Imunização para todo o Brasil.

Porém, mesmo com o surto, as doses da imunização estão sendo repassadas de maneira fracionada, com isso a quantidade não é suficiente para atender toda a população. No mês passado a procura pela vacina aumento quase 400%, em relação a julho, em Goiânia.

A SMS informou por meio de nota nesta terça-feira (10/9) que a capital não pode comprar a vacina e, devido a isso, aguarda o repasse do Ministério da Saúde, que está tentando comprar a imunização no mercado internacional. No total, 25 postos em Goiânia já estão sem a vacina.

Boletim do Sarampo

A atualização mais recente do boletim epidemiológico de sarampo no Estado ocorreu na última quarta-feira (4/9). Ao todo já foram notificados 64 casos suspeitos da doença. Destes, 35 foram descartados e 26 seguem em investigação. Três casos foram confirmados, sendo um em Alto Paraíso e dois em Goiânia.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que 24,9 milhões de doses da vacina tríplice viral foram enviadas para todos os estados brasileiros neste ano. Deste número, mais de 440 mil doses da vacina contra o sarampo foram encaminhadas para Goiás.

Além disso, a pasta enfatizou ainda que foram adquiridas 28,7 milhões de doses da tríplice viral pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), sendo 10 milhões de compra regular e 18,7 milhões de doses extras e ao todo foram gastos R$ 325 milhões para refazer o abastecimentos das vacinas contra o sarampo.

Segundo levantamento feito nos postos de saúde em Goiânia, até o momento, existe cerca 1,6 mil doses de vacina contra o sarampo, mas até o fim do dia este número pode diminuir.

Comentários

Mais de Saúde